Convivendo

Amamente: a força da amamentação

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

O leite materno é dos alimentos mais importantes para nossa saúde, além dos nutrientes e vitaminas importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebê, transmite diversos anticorpos da mãe para o neném, sendo um ótimo aliado para a prevenção de algumas doenças.

Existem diversos mitos em torno do aleitamento materno, por isso, é importante saber que não existe leite fraco, pouco leite, neném que não mama, etc. O bebê, assim como todo filhote, acaba de nascer e precisa aprender tudo, inclusive a mamar.

Quando está no útero da mãe o neném se alimenta pelo cordão umbilical e não precisa de nenhuma ação para isso. Ao nascer, já não é tão simples assim, mas precisamos entender que isso é natural ao nosso corpo, tanto a sucção do bebê como a produção do leite.

Com ajuda de um profissional da saúde a mãe e o neném encontram o melhor jeito para que a amamentação ocorra sem causar dores à mãe e nem deixar o bebê com fome. Este momento é importante para criar o laço e aproximar os dois. Por isso recomenda-se fazê-lo já na primeira hora de vida.

Breastfeeding graphic sign. Mother with baby on her hands.Mamar será a primeira coisa que o neném aprenderá e por conta disso será o que mais vai fazer, principalmente na sua fase inicial. Vai além da alimentação, também servirá para auxiliá-lo em diversas outras coisas, por exemplo, acalmar quando estiver ansioso e agitado, confortar quando se sentir com medo, com alguma irritação ou dores (como cólicas), ou simplesmente para ganhar carinho e aconchego no colo da mãe.

Nenhum corpo é igual ao outro, desde a gravidez a mulher já consegue perceber isso, pois cada uma tem sintomas e sensações diferentes. O mesmo ocorre com a produção do leite. Algumas pessoas têm o costume de ficar comparando um leite com o outro, criando mitos sobre a cor, espessura e quantidade. Saiba que seu corpo produzirá leite de acordo com as necessidades do seu bebê.

Por muitos anos houve discussões sobre o aleitamento materno, de quanto em quanto tempo o neném deve mamar, até quando deve realizar a amamentação exclusiva, quando é necessário complemento e etc. Ainda há diversas linhas pediátricas sobre o assunto, porém estudos apontam e a OMS recomenda amamentação exclusiva em livre demanda até os seis meses.

Esta realidade ainda não é possível em muitos países, inclusive no Brasil, por exemplo, pois a licença maternidade é de apenas quatro meses, ou seja, muitas mães precisam introduzir o complemento ou a alimentação sólida mais cedo, para poder voltar ao trabalho.

Mesmo nestes casos é importante não interromper a amamentação, recomendada até os dois anos, mesmo depois que o neném passar a comer. Apesar de muitas pessoas acreditarem que após os seis meses o leite não tem mais valor nutritivo, ele continua sendo rico em vitaminas, anticorpos, gordura e nutrientes enquanto for produzido. Porém após os seis meses o neném começa a precisar de outras fontes de alimentos.

É certo que alguns bebês acabam tendo perda de peso ou recusa ao leite, porém, somente um médico pediatra pode avaliar se há necessidade ou não de substituir ou complementar o aleitamento materno.


  • Escrito por Carolina Peixoto da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]