Saúde Integral

Amamentação: é normal um seio ter mais leite que o outro?

Soft photo young mother feeding breast her baby at home in white room
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

No dia 1 de agosto é comemorado o Dia da Amamentação e é sempre bom falarmos sobre isso. Os benefícios do aleitamento materno são incontestáveis, mas a prática gera dúvidas até nas mamães experientes. Um dos questionamentos mais comuns é sobre a quantidade de leite. Quem produz pouco e quem produz muito se desespera na mesma medida.

Mas e quando um seio ter mais leite que o outro? Se você passa por isso, saiba que é normal! Quando o bebê mama em apenas um seio, este vai produzir mais leite. A enfermeira Natália Turano Monteiro, da maternidade do hospital Albert Einstein, ensina que a mãe deve oferecer os dois seios e começar a mamada pelo seio que o bebê pegou por último.

Amamentar em intervalos de 3 a 4 horas, fazer massagens durante o ato e anotar o tempo que o neném ficou em cada peito e o tempo de cada sessão também ajudam. Conheça outras atitudes que também estimulam a produção de leite:

  • Permita que o bebê mame quantas vezes quiser; quanto mais mamadas, mais prolactina, hormônio responsável pela produção de leite;
  • Ingira quatro litros de água diariamente;
  • Cuidado com o estresse, isso diminui a quantidade de leite;
  • Durma bem;
  • Coma alimentos ricos em cálcio e fósforo.

Amamentar é um ato de amor e as mamães precisam estar preparadas. Saiba mais sobre a preparação para a amamentação e também como ser bem sucedida nessa fase.


Texto escrito por Sumaia de Santana Salgado da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]