Convivendo

Bullying: Quando a brincadeira passa da conta

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Brincadeiras entre amigos é normal. O futebol gera muitas piadas. Ligar, enviar mensagens, fazer o outro vestir a camisa do time rival. Traços de personalidade também rendem risadas. O amigo desajeitado, o amigo muito magro, o amigo muito tímido. Amigos de longa data têm liberdade para falar o que pensam, puxar as orelhas e fazer piadas. Ainda assim é preciso ter bom senso. Nem sempre o outro levará as coisas numa boa. Às vezes, a pessoa está em um dia ou fase ruim. O que era para ser uma gozação vira ofensa. O clima fica ruim, os amigos passam alguns dias sem se falar, mas, uma conversa sincera resolve a situação.

Mas e quando a brincadeira passa da conta?
Um apelido aparentemente inofensivo, por exemplo, gera comentários constrangedores e maldosos geram sofrimento. Esta situação é conhecida como bullying. O termo em inglês vem da palavra bully e significa valentão, brigão. A palavra não tem tradução em português. Bullying é uma humilhação, opressão, intimidação, agressão física e nos casos extremos, ameaça de morte. É o tipo de violência que mais ganha força em todo mundo, declara a educadora Cléo Fante autora do livro Fenômeno Bullying: Como Prevenir a Violência nas Escolas e Educar para a Paz.

A situação sempre existiu, mas, o primeiro a associar o termo à violência foi Dan Olweus, professor da Universidade da Noruega nos anos 70. O bullying é algo gravíssimo. Entretanto, nem tudo pode ser considerado como tal. Para ser considerado bullying a agressão precisa ter as seguintes características:

  • O autor ter a intenção em ferir seu alvo
  • Agressão ser em público e ter a concordância deste
  • A agressão deve ser constante
Perfil da vítima

shutterstock_268226264

Indivíduo sem autoestima, sem amigos e, quando crianças ou adolescentes preferem a companhia dos adultos. As vítimas possuem aparência frágil, falam muito baixo e algumas gaguejam. O motivo das humilhações vem da intolerância. Quem não está dentro do padrão, sofre as consequências. Os casos de bullying estão associados a:

  • Ter alto desempenho escolar
  • Ser alto ou baixo demais
  • Ser muito magro ou muito gordo
  • Usar óculos
  • Ter orelhas grandes
  • Usar roupas fora de moda
  • Ser pobre
  • Ser novo na escola
  • Ter alguma deficiência
  • Seguir uma religião considerada diferente
  • Opção sexual
Como reconhecer?

A vida de quem sofre bullying é uma tortura. A vítima fica ainda mais tímida, chora constantemente e fica ainda mais retraída. Os pais devem estar atentos a mudanças bruscas de comportamento. A criança ou adolescente apresenta os seguintes sinais:

  • Pedir para estudar em outra classe
  • Querer trocar de escola
  • Queda no rendimento escolar
  • Querer parar de estudar
  • Voltar a fazer xixi na cama
  • Insônia
  • Dor de cabeça e dor de estômago
  • Distúrbios alimentares
  • Gastrite
  • Úlcera

Diante desses sinais, os pais precisam conversar com o filho. Ignorar e classificar as queixas como frescura agrava a situação. Antes de levar o problema ao conhecimento da escola é preciso fazer algumas perguntas. Veja quais são elas de acordo com o livro Proteja seu Filho do Bullying, escrito por Allan L. Beane:

  • Quem estava envolvido?
  • Você conhece o agressor?
  • O que disseram para você?
  • Quando aconteceu?
  • Onde você estava?
  • Tinha algum adulto por perto?
  • Você reagiu? Caso sim, o que fez?
  • Há quanto tempo isso acontece?

O professor possui papel importante nessa missão. Fazer de conta que não está acontecendo nada fortalece o agressor. Achar que é uma “brincadeirinha inocente” e rir também é uma omissão. Embora a brincadeira entre colegas de classe seja comum, o professor deve prestar atenção à reação da vítima. Quando o aluno reportar o bullying ou qualquer outra situação incômoda, o caso precisa ser encaminhado imediatamente à direção da escola. Caso a instituição cruzar os braços, o recomendado é mudar criança de escola.

Em casos extremos, a família precisa registrar boletim de ocorrência

Medidas educacionais para enfrentar o bullying
  • Propiciar um ambiente favorável à comunicação entre alunos, professores e direção.
  • Reuniões entre corpo docente e direção na elaboração de medidas contra o bullying. A equipe pode solicitar ajuda a educadores e psicólogos.
  • Conversar sobre a importância da generosidade, solidariedade e tolerância.
  • Realizar atividades sobre os assuntos acima, pesquisas e peças teatrais são opções para conscientizar os alunos.
  • Discutir o bullying em sala de aula, se possível com a participação de psicólogos.
  • Conversar com os pais e alertá-los que eles podem responder pelos atos dos filhos.
O que leva alguém a praticar bullying?

shutterstock_245125846

Os bullies (quem pratica o bullying) não obedecem regras, provocam brigas e exigem que satisfaçam suas vontades imediatamente. Eles querem chamar atenção. Falar a si mesmo o quanto é valente, ser aprovado e popular no grupo são os objetivos. Este comportamento surge ainda na pré-escola. Nesta fase é marcada pela insegurança, dificuldades para se enturmar, atitudes agressivas e dominadoras. As nuances intensificam-se com o passar do tempo. Preconceito racial, social e sobre orientação sexual são características comuns dos bullies. Alguns estudiosos defendem que os agressores possuem problemas de autoestima, inveja e ressentimento. Podemos dizer que os bullies reconhecem-se em suas vítimas e atacam na intenção de fortalecer sua imagem.

O agressor também sofre consequências.
Sem intervenção psicológica, ele poderá ter depressão e TOD (transtorno opositivo-desafiador). O TOD é caracterizado pela desobediência e atitudes hostis. O paciente perde o controle ao ver que seus desejos não foram atendidos.  O distúrbio atinge de 2 a 16% das crianças e adolescentes. Durante a infância, o transtorno acomete mais os meninos. Na adolescência atinge ambos os sexos. O distúrbio também pode atingir adultos, porém, é menos frequente. Para o diagnóstico ser confirmado é necessário a presença de quatro sintomas por aproximadamente seis meses. Listamos os principais sintomas do TOD.

  • Uso frequente de linguagem obscena
  • Culpar os outros pelo seu mau comportamento
  • Ter o prazer de irritar as pessoas
  • Raiva, rancor e sentimento de vingança
Cyberbullying

O bullying transcende as paredes das escolas. O cyberbullying é a agressão praticada via e-mail, sites e, principalmente redes sociais e aplicativos de mensagens. O perigo neste caso é o anonimato propiciado pela tecnologia. O agressor sente que nunca poderá ser identificado e a prática torna-se ainda mais cruel. As agressões dividem-se entre mensagens e fotos. As meninas comentam o visual de outras meninas, espalham boatos sobre o comportamento, sempre ligados a namoros. Os meninos colocam em xeque a sexualidade dos outros. Preconceitos e ameaças de morte também fazem parte deste mundo.

Corpo docente e direção precisam estar atualizados sobre o assunto. Atividades visando o uso responsável da internet, consequências de quem espalha ofensas na rede são medidas que toda escola deveria adotar.  O cyberbullying também deve ser comunicado à escola. Casos mais graves precisam ser denunciados. Neste caso, os pais tomam as seguintes medidas:

  • Salvar e imprimir as páginas com as agressões
  • Solicitar ao site que retire do ar as páginas com as ofensas
O espectador também agride

Quem fornece munição ajuda o assassino. Quem assiste alguém praticar bullying também agride. O espectador não impedir a violência. Presenciar o ato sem fazer nada é dar o aval para o agressor continuar a torturar sua vitima. O espectador grita palavras de incentivo, reforçam os xingamentos e ajudam nas agressões físicas. Contudo, é preciso ressaltar que em alguns casos, a passividade do espectador é causada pelo medo de represálias. Ainda assim, a “plateia” está longe de ser uma vítima. Apesar do medo, ela também sente prazer em assistir o sofrimento da vítima.

Consequências jurídicas

Quando o agressor é menor de idade, os pais são enquadrados no artigo 932 do Código Civil. O artigo confere “responsabilidade civil por ato de terceiro”, ou nas palavras dos juristas “responsabilidade civil indireta”.

No estado do Rio de Janeiro, escolas públicas e particulares são obrigadas a levarem os casos de bullying à polícia. Quem desobedecer paga multa de até 20 salários mínimos. Em Santa Catarina, a lei estadual nº 14.651 “Programa de Combate ao Bullying”. A lei promove ações interdisciplinares para combater as agressões.

O que o bullying faz com o cérebro

O bullying modifica a composição química do cérebro. Pesquisadores da Universidade de Rockfeller (Estados Unidos) analisou o comportamento de ratos expostos a uma situação de estresse emocional.

Os pesquisadores colocaram um rato em uma jaula com ratos maiores e mais velhos. Os animais eram trocados a cada dez dias. Ratos defendem seus territórios com violência. O rato que chegava por último perdia a briga. Após o conflito, os ratos eram separados. O perdedor ainda podia ver e sentir o cheiro dos demais, potencializando o estresse.

Os cientistas perceberam alterações no centro do córtex pré-frontal, região do cérebro responsável pelo comportamento social e emocional. Por conta disso, os animais apresentaram grande sensibilidade à vasopressina. O hormônio também age como neurotransmissor. A vasopressina está ligada à ansiedade, depressão e agressividade. Quanto maior o nível desse hormônio/neurotransmissor mais intensos são essas características. Os pesquisadores ainda não sabem o tempo de duração dos efeitos do bullying no cérebro.

Bullying e suicídio

O bullying e o cyberbullying podem ter um final trágico. Foi assim com a adolescente americana Amanda Todd. Tudo começou em 2012 numa sala de bate-papo. Amanda, com 12 anos foi convencida a mostrar seu corpo. Um ano depois, Amanda recebeu uma ameaça Facebook. Era uma pessoa que conversou com ela no chat. A pessoa exigiu um “show” para não divulgar prints da tela para a família e amigos da garota. O criminoso conhecia a escola, os amigos, onde passava as férias e passou a perseguir a garota. A pessoa cumpriu sua ameaça. As fotos foram enviadas e Amanda começou a usar drogas lícitas e ilícitas. A jovem também sofreu com depressão e síndrome do pânico.

Um novo golpe veio um ano após o vazamento das fotos. O criminoso criou uma página no Facebook. Os seios da adolescente estampavam a foto do perfil. No vídeo que fez para contar seu sofrimento, Amanda revelou “eu chorava a noite toda, perdi todos os meus amigos e o respeito deles”. A jovem passou a se mutilar. Mudar de escola agravou o que já era terrível. Ela se envolveu com um rapaz mais velho. A namorada do sujeito e mais 15 meninas foram até a escola tirar satisfações. Amanda apanhou e foi deixada no chão. Após o episódio, a adolescente tomou alvejante. Quando saiu do hospital recebeu mensagens do tipo “Ela merece!” e “Espero que ela morra!”. Seis meses depois, a garota recebia fotos de alvejantes e produtos de limpeza. Amanda ingeriu uma dose de antidepressivos. Seu corpo foi encontrado uma semana depois. A garota de apenas 15 anos se enforcou.

O bullying é um ato de covardia. O agressor humilha e agride fisicamente para mostrar superioridade. Quem precisa disso para ser mais forte também é desprovido de autoestima. Quem sofre esta violência tem sua vida transformada. A escola torna-se um local a ser evitado. O desespero é tão grande que a vítima sente dor de cabeça, de estômago e chega a vomitar.

Muitos pais não percebem o sofrimento dos filhos. Pensam que os apelos para mudar de escola é capricho infantil/adolescente. Os professores nem sempre sabem lidar com o bullying. Uns simplesmente ignoram o fato. Outros chegam ao absurdo que rirem da situação. Quando recebem queixas de agressões falam para o aluno “deixar isso para lá”.

O assunto merece toda atenção. O bullying afeta o rendimento escolar e provoca traumas que podem acompanhar a vida da vítima. Caso você seja alvo de humilhações, conte aos seus pais e comunique um professor de sua confiança. Pais, por favor, levem a dor dos seus filhos a sério. Professores e diretores, conversem com os alunos envolvidos e com os pais dos agressores.

Respeito ao sofrimento alheio, diálogo e punições combatem o bullying. Medidas preventivas na escola, tais como discussões sobre os danos provocados, as consequências jurídicas, ações sobre o uso responsável da internet devem constar na grade curricular das escolas. Em casa, os pais também orientam e, ao identificar um agressor temo dever de comunicar a escola.

Braços cruzados e cegueira reforçam a violência. Está em nossas mãos evitar finais trágicos como a da jovem Amanda Todd.


Texto escrito por Sumaia Santana da Equipe Eu Sem Fronteiras. 

Sua opinião é bem-vinda, sempre que colocada com a educação e o respeito que todos merecem. Os comentários deixados neste artigo são de exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]