Autoconhecimento Sagrado Feminino

Como entrar em sintonia com o poder da deusa

poder da deusa
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Falar sobre o Sagrado Feminino é fazer com que haja um resgate da identidade dessa figura tão poderosa que é a mulher ou o poder da deusa. Ao longo dos anos, capítulos da história mostram o quanto o feminino sofreu durante a construção da civilização e sociedade. Não que isso não tenha mudado completamente, porque ainda existem passos gigantescos a serem dados no que diz respeito à transformação social e inclusiva.

Quando se fala de feminino, provavelmente a imagem que se tem na cabeça é de uma garota bem maquiada, em trajes bonitos, cabelos escovados e postura delicada. Contudo esse termo pode levar a direções deturpadas do que realmente significa.

O feminino é um símbolo que se remete à energia da mulher, sabedoria interna, intuição aguçada, sexualidade sacra e o caminho que a leva ao coração. A essência que habita o coração da mulher é diferente, pois implica uma sabedoria antiga que a liga com o poder da natureza, já que é a fonte originária da vida, trazendo ao mundo toda a humanidade.

Duas mulheres de mãos dadas jogando os corpos para trás.

A filosofia do Sagrado Feminino faz as pessoas entenderem que a mulher é manifestação divina de amor, compaixão e sabedoria.

Confira também: O que significa o Sagrado Feminino

Daí vem a expressão Deusa, com conotação de poder e força. Nossas ancestrais tinham o hábito de organizar rituais e celebrações do sagrado feminino; provas disso estão em escavações arqueológicas e em diversas estatuetas encontradas em locais históricos com menções e desenhos que representam a Deusa, primeira divindade a ser cultuada.

Com o decorrer do tempo, na era do cristianismo, o patriarcado se instaurou e deu um curso totalmente desfavorável às mulheres na história. Até hoje, vemos cotidianamente os resultados disso na forma do machismo, da misoginia e do sexismo que objetiva a figura feminina.

Entrar em contato consigo mesma, se tornar dona, literalmente, de seu próprio corpo e amá-lo como um templo sagrado são apenas algumas das temáticas pregadas pelo sagrado feminino. A Deusa está dentro de você, Ela é você e está esperando ser liberta para ser amada.

Moça asiática com flores no cabelo.

Veja algumas dicas de como isso pode ser feito:

Existem cursos e workshops realizados por profissionais ligadas ao ramo da espiritualidade em diversas regiões do país. Faça uma pesquisa e verifique se em sua cidade é possível encontrar alguns deles. Nos eventos, são abordados assuntos como empoderamento, autoestima, autoconhecimento e tópicos que complementam este conteúdo. Além disso, diversos materiais estão disponíveis na internet, como pesquisas, artigos e estudos do tema.

Livros são ainda uma das melhores fontes de informação e sabedoria.

Confira a lista que reunimos para você:

– Mulher dos 0 aos 90 (e além) – Joan Boricenko

– Tendas e Clãs do Sul – Jornadas Femininas de Amor e Cura – Lúcia Torres

– Círculos Sagrados para mulheres contemporâneas – Mirella Faur

– O poder da parceria – Riane Eisler

– A Influência da Lua na Nossa Vida Diária – Sasha Fenton

– Mulheres que Correm com os Lobos – Clarissa Pinkola Estes

– A Idade do Poder. Transformação, Saúde e Beleza para a Mulher – Márcia De Luca

– Fiando Palha, Tecendo Ouro. O que os contos de fada revelam sobre as transformações na vida da mulher – Joan Gould

– Mulheres, Mitos e Deusas. O feminino através dos tempos – Amrtha Robles

– A Luz Da Deusa – Rae Beth

Os benefícios em trazer de volta os preceitos que compõem o sagrado feminino vão além do estabelecimento do amor-próprio e da liberdade. A conexão com o outro, os relacionamentos e a forma de encarar a vida sofrem mudanças maravilhosas, quando a mulher conhece e assume o seu papel extraordinário.

Entenda essa divindade exaltada pelo o misticismo antigo, reconecte-se com a feminilidade que nada tem a ver com feminismo ou suposições do tipo.

A feminilidade não implica fraqueza, deficiência em lidar com problemas ou comportamento duvidoso, como muitas vezes se diz por aí, de maneira chula. Pelo contrário! É necessária uma reformulação dessa cultura que explora, machuca, humilha, mata e condena milhares de mulheres diariamente. E esse é um caminho árduo e cheio de lutas, como se vê no cotidiano.

União é a palavra de ordem aqui, sendo mais do que obrigatória para que haja modificações eficazes.

Deusas do mundo, uni-vos!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]