Comportamento

Enfeites de Natal — Como fazê-los e quais são os seus simbolismos

Imagem de várias casinhas de pássaros feita de madeira e pintadas na cor branca e enfeitadas com fitas vermelhas e outros adornos de natal.
RitaE / Pixabay
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

A época do Natal tem uma magia que encanta a todos. Além da reunião com a família e amigos, tudo fica iluminado, colorido e decorado para uma das noites mais simbólicas do ano.

Saiba agora sobre a origem, o que representam os principais enfeites e onde adequá-los na decoração do Natal, além de sugestões artesanais para confeccionar alguns.

Árvore de Natal

A árvore de Natal é o símbolo da vida, da esperança, da alegria e da união (há locais em que a família toda decora a árvore). O pinheiro, natural ou artificial, é o mais utilizado neste enfeite. Nos países de inverno rigoroso, ele é o único que não perde as folhas, que mesmo com a neve se mantêm verdes, além de ter um formato triangular, alusivo à Santíssima Trindade no Cristianismo.

A ideia começou quando os romanos celebravam Saturno, o deus da abundância, no solstício de inverno em 21 de dezembro, na festa chamada Saturnália. Eles decoravam as árvores, consideradas o símbolo da fertilidade, da continuidade da vida e a ligação entre a Terra e o Céu.

A Árvore de Natal como é atualmente surgiu na Alemanha do século XVI, quando Martinho Lutero, impressionado com os pinheiros cobertos de neve e iluminados pelas luzes das estrelas, reproduziu a imagem em sua casa ao enfeitar uma árvore com a luz de velas, na noite de Natal.

No século XIX, o Príncipe Albert, marido da Rainha Vitória, levou a ideia da Alemanha para a Inglaterra e popularizou a imagem com a família em frente ao símbolo. Já com a Rainha Elizabeth I, os presentes que ela ganhava por ocasião do Natal eram colocados embaixo de uma árvore enfeitada no jardim.

Atualmente são usados como ornamentos na Árvore de Natal, bolas (simbolizam os “frutos” da vida), laços, sinos, doces, lâmpadas pisca-pisca e outros. No topo é colocada uma estrela, simbolizando a Estrela de Belém.

Uma das mais famosas árvores de Natal é a do Rockfeller Center, em Nova Iorque. Montada oficialmente desde 1933, ela tem entre 21 e 30 metros de altura, cerca de 30 mil lâmpadas, com transmissão pela TV no momento de serem acesas e atrai milhares de pessoas do mundo todo.

Esse enfeite de tamanhos variados é posicionado em locais de destaque nos prédios públicos. Nas residências ficam na sala de estar, num canto visível e atrativo aos olhos.

Imagem de um enfeite de Papai Noel pequeno. Ele está disposto sobre um piso forrado com algodão,, representando a neve. Ao lado um ramo da árvores de Natal na cor verde e duas bolas de enfeite na cor prata.
Susanne Jutzeler, suju-foto / Pixabay

Papai Noel

O Papai Noel é o símbolo da bondade e da caridade. Foi inspirado em São Nicolau, bispo canonizado da Igreja Católica, que viveu no século IV, na cidade de Myra (atualmente Demre, na Turquia), que desapegado de bens materiais, para livrar da prostituição três moças de família pobre, jogou três sacos de moedas de ouro pela chaminé da casa onde moravam. Eles caíram em cima das meias que elas tinham colocado na lareira para secar.

É um enfeite muito comum, confeccionado em diversos materiais e colocado em vários locais das residências e por toda a cidade, até nos telhados das casas.

Alguns shoppings fazem a emblemática chegada do Papai Noel, para a alegria da criançada e muitas fotos.

Presépio

O cenário onde Jesus Cristo nasceu é o único puramente baseado nos evangelhos cristãos. É exposto em local visível, na sala de estar ou na recepção de prédios públicos. O primeiro presépio foi elaborado por São Francisco de Assis, em Greccio, na Itália, em 1223 e representa a simplicidade, a humildade, o amor e a gratidão. Cada elemento do Presépio de Natal tem um significado:

José – o homem responsável e trabalhador, que ama, sustenta, orienta, respeita e é devotado a Deus, sendo marido, companheiro e pai.

Maria – a mulher digna, esposa e companheira fiel, que se doa, se dedica, educa, ora e cumpre a vontade de Deus, sendo a mãe pura, que dá à luz o Messias.

Os animais, o feno e a gruta – representam a concreta relação de interdependência entre o homem e a natureza e o acolhimento dela ao homem com criaturas que agradam a Deus.

Imagem de um lindo arranjo composto por quatro velas na cor vermelha. Elas estão acesas e dispostas sobre um suporte decorado com ramos de árvores na cor verde, pinhas, bolas vermelhas e laço de fita tamém na cor vermelha,
Frank Herter / Pixabay

Os pastores e os Três Reis Magos – os simples e os cultos, simbolizam a sabedoria e a busca pela compreensão dos sinais de Deus e da presença d’Ele em todos os seres humanos. Melquior, Gaspar e Baltasar levaram a Jesus ouro, incenso e mirra, como presentes ao Rei (acreditava-se que, quando um rei nascia, surgia uma estrela muito brilhante no céu).

O ouro representa a realeza, a providência e a proteção divinas. O incenso simboliza a fé e a oração que chega a Deus. A mirra, óleo vegetal antibactericida extraído de uma árvore de mesmo nome, foi usado para limpar o corpo de Jesus e para protegê-lo contra as doenças e preservar a personificação humana do divino.

A Estrela de Belém – a luz de Deus em nossas vidas, iluminação.

Os anjos – os mensageiros de Deus, representam a notícia da chegada do Messias.

Velas de Natal

Os romanos foram os primeiros a fazer velas, começando no ano 500 antes de Cristo.

No Natal, as velas simbolizam a fonte de luz nas trevas, segurança e calor. Representam a presença de Jesus Cristo entre nós, a grande luz que veio para iluminar o mundo e a vida do Homem. Elas são utilizadas na Coroa do Advento, na mesa da ceia, nas mesas de centro e laterais da sala de estar, e num aparador da recepção de um prédio, por exemplo. Há velas douradas, vermelhas, coloridas, com glitter e outras, em vários formatos, que se unem a folhagens, taças, suportes criativos, embelezando e iluminando a decoração.

Estrela

As estrelas enfeitam todos os lugares no Natal, principalmente no topo da Árvore de Natal e fazem referência à Estrela de Belém que indicou aos Reis Magos o local do nascimento do Messias e o representa como a luz do mundo, a direção, o sentido da humanidade, o brilho e a iluminação sobre o caminho a ser seguido no bem e na prática da verdade.

Sino de Natal

Os sinos, de uma forma geral, servem como sinal sonoro sobre um evento, desde tempos remotos. No caso do sino de Natal, ele alerta para o nascimento de Jesus Cristo e representa boa sorte. Ele pode ser usado na Árvore de Natal, na guirlanda da porta, nas quatro pontas da toalha de mesa da ceia ou como objeto de decoração de estantes e balcões, geralmente com bastante brilho, nas cores dourado e vermelho.

Coroa do Advento

Esse enfeite foi feito pela primeira vez em Hamburgo (Alemanha), em 1839, por Johann Wichern, que cuidava de crianças órfãs. Elas ficavam ansiosas sobre quando seria a festividade do Natal. Ele criou uma roda com uma vela para cada dia que antecede o dia do Advento (nascimento de Jesus Cristo), sendo que as quatro maiores representavam os domingos. Em 1925 foi usado pela Igreja Católica pela primeira vez na cidade de Colônia.

A Coroa do Advento é feita em forma circular, simbolizando a eternidade de Deus e a aliança da Humanidade com Ele. Ramos verdes representam a continuidade da vida e a esperança, que leva à perseverança. Uma fita vermelha indica o amor forte e infinito do Criador que nos envolve por completo. Uma vela para cada domingo que antecede o dia 25 de dezembro compõe o enfeite, simbolizando a vigília do Advento e a preparação para a vinda de Jesus Cristo ao mundo.

Guirlanda

A guirlanda surgiu na Roma antiga, na celebração da Saturnália. As famílias recebiam uma coroa de ramos entrelaçados de folhagens, que era colocada nas portas e nas janelas das casas para atrair boa sorte e saúde.

Os celtas também colocavam nas portas e nas janelas, a guirlanda feita em formato circular com ramos de pinheiros, heras, azevinhos e outras plantas, para dar boas-vindas aos deuses e como símbolo de esperança pela renovação da vida.

Na Idade Média, a Guirlanda de Natal foi usada nas portas para afugentar os maus espíritos e a má sorte.

Imagem de uma linda e grande guirlanda de Natal pendurada na porta de entrada de uma casa. A guirlanda é feita de folhas verdes decoradas com flores e folhagens vermelha.
JamesDeMers / Pixabay

Com o Cristianismo, a Guirlanda de Natal, principalmente feita com ramos e frutos de azevinho, representa a coroa de espinhos e as gotas do sangue de Jesus Cristo na crucificação e tem como significado o amor eterno d’Ele e o renascimento.

Atualmente, a Guirlanda de Natal contém folhas, bolas, laços, doces e outros materiais; pode ser colocada em qualquer local da casa ou do estabelecimento público, porém geralmente é exposta nas portas e nas janelas para atrair saúde física e mental, paz, prosperidade, boas energias e dar boas-vindas a todos.

Faça os seus próprios enfeites

Árvore de Natal de bombons

Material: um cone de isopor no tamanho de sua preferência; bombons redondos à sua escolha, embrulhados em papel na cor da sua decoração (dourado, prateado, vermelho), em quantidade suficiente para cobrir o cone; pistola e bastão de cola quente; prato ou disco de papelão com diâmetro igual ao cone e fita crepe.

Montagem: é feita a partir da linha de base do cone, cerca de um centímetro acima (coloque o bombom de forma a não sobrar espaço visível de isopor). Coloque um ponto de cola na medida encontrada, o suficiente para fixar o bombom, com cuidado para não se queimar ou danificar a base de isopor ou o bombom. Fixe o bombom, segurando por alguns segundos para firmar. Faça em todo o entorno do cone, em linha horizontal. Na segunda fileira, intercale os bombons, de forma a cobrir todo o isopor, e vá colando um a um. Proceda igual até o topo do cone. No topo, cole um bombom, finalizando o enfeite. Faça rolinhos de fita crepe e fixe embaixo da base do cone e depois, no prato ou no disco de papelão. Sua árvore está pronta!

Arranjo de mesa lateral

Material: três velas de boa qualidade, em tamanhos diferentes, na cor de sua preferência, com circunferência não inferior a 4 cm; três taças de alturas distintas, com base que comporte as velas e sobre pelo menos 1 cm na circunferência, preferencialmente de vidro; bolas de Natal na cor de sua preferência; folhas verdes, que podem ser de louro ou artificiais, para formar uma base.

Montagem: as taças ficarão com a borda para baixo. A base ou o “pé da taça” servirá de suporte para a vela. Dentro da taça coloque primeiro as bolas de Natal. Por cima coloque as folhas verdes. Vire sobre a mesa com cuidado, de forma que as folhas façam a base para as bolas e fiquem limitadas à borda da taça. Organize de acordo com os tamanhos, do maior para o menor, em linha ou da forma que preferir. Coloque as velas sobre o pé da taça e acenda a chama. É importante que a vela seja de boa qualidade para queimar por igual e concentrar a cera derretida no centro da vela. O seu arranjo está pronto!

Imagem de um lindo arranjo de mesa natalino decorado com uma guirlanda feita de folhagem verde, maçãs inteiras, rodelas de laranja, fitas branca e vermelha e pinhas.
Photo Mix / Pixabay

Enfeite pingente de porta

Material: 50 cm fita na largura de sete a dez centímetros, preferencialmente em xadrez de verde, vermelho e dourado; fita crepe, aproximadamente um metro de cordão São Francisco na cor que combine com a fita que você escolheu; uma minipinha (pode ser qualquer enfeite que você já tenha) e duas bolas de Natal (material plástico ou isopor), preferencialmente com brilho e na cor e no tamanho que harmonizem com o restante dos enfeites.

Montagem: passe 25 cm de cordão pelo anel da bola de Natal, amarrando-o bem firme. Para a outra bola, use 20 cm de cordão e repita o procedimento. Para a pinha ou outro enfeite amarre 30 cm de cordão. A ideia é ter os enfeites em alturas diferentes, cerca de 30, 25 e 20 cm. Una os três cordões com um nó, na extremidade oposta aos enfeites. Cubra o nó com fita crepe, de forma que fique bem seguro e cubra com um pedaço da fita larga, colando com cola branca. Faça um laço separado de cerca de 7 cm de diâmetro com a fita, deixando uma sobra de fita que cubra a metade vertical dos cordões do enfeite, mas não chegue aos pingentes. Cole na extremidade do nó com cola branca. Deixe secar bem. Atrás do laço, cole com cola branca uma das pontas dos 50 cm de fita. (Você não precisa de pregos, taxas ou qualquer outra coisa para prender). Centralize a fita e o enfeite na horizontal da porta e vá com a outra extremidade dela até a base superior da porta, onde ela se junta com o batente. Ajuste a altura do enfeite na vertical da porta e corte a fita se houver sobra. Fixe a extremidade na base superior da porta, com fita crepe. Ela não vai atrapalhar o fechamento, vai ficar oculta e dar um bom acabamento ao enfeite. Se precisar, faça um rolinho de fita crepe e coloque por trás da extensão vertical da fita, para fixá-la à porta. O seu enfeite de porta está pronto!

Muitos arranjos de Natal fazem uma bela decoração em centros de mesa, nas maçanetas de portas, painéis de parede, mesa da ceia, corrimão e degraus de escadas, entre outros. Brilho, luz, cores como verde, vermelho, branco, dourado e prata, elementos naturais como pinhas, ramos de trigo, frutas, castanhas e flores se juntam a renas, ursos, bonecos de neve e outros animais para criar o clima natalino.

Você também pode gostar

Agora que você conhece um pouco mais sobre alguns enfeites de Natal e tem sugestões para fazer alguns, inspire-se para decorar a casa, o escritório e envolver a todos no espírito de fraternidade e de esperança. Bom Natal!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br