Comportamento

Não estamos mais cansados pois fazemos mais coisas, estamos fatigados pois estamos doentes

Mulher limpando o rosto com óculos apoiado entre os dedos
123RF | Citalliance
Fabiano de Abreu
Escrito por Fabiano de Abreu

O cansaço pode ter vários motivos, mas, muitas vezes, não chegamos à verdadeira fonte do que o provoca.

Ao contrário do que muitos pensam, não estamos mais cansados porque fazemos mais coisas; na realidade pensamos mais e fazemos menos, estamos fatigados e preguiçosos devido a uma disfunção relacionada à ansiedade. Faltam-nos gatilhos para iniciar processos que buscam uma conclusão, fantasiamos as metas, mas não há força para iniciar.

Há, no nosso quotidiano, muitas situações malresolvidas, e isso nos causa um peso do qual não sabemos como nos livrar.

Homem sentado em sofá com expressão de estresse
Andrea Piacquadio / Pexels

Estamos mais fatigados pois temos mais pendências para resolver. Há uma pandemia, e ela não está relacionada a vírus, bactérias nem a qualquer outro microrganismo: ela está relacionada com a mente e a não adaptação às mudanças abruptas que sofremos.

Foram milhares de anos para chegarmos a este presente, em que lê este texto, mas foram apenas centenas de anos, apenas um quase nada em nossa linha cronológica, para termos que nos adaptar a esta nova realidade tecnológica e social.

O ser humano está burlando a sua identidade genética e, neste momento, sofre as consequências disso.

Doutrinamos nosso organismo em milhares de anos a metas mais alcançáveis, predeterminadas. Hoje em dia buscamos metas que necessitam de muito mais energia mental para serem alcançadas.

Por consequência daquilo que nos propomos e do patamar que queremos alcançar, há uma defasagem entre energia e tempo que não conseguimos controlar.

A ansiedade mal aproveitada gera uma necessidade de conquista que supera a realidade do tempo que seria necessário para conquistar as coisas.

É como querer algo, ter que ter algo, mas, quando a resposta não é imediata, isso causa frustração e desânimo. Esse desânimo soma-se a mais desânimo, e juntos revelam a preguiça, que na realidade é uma fadiga, e ela, por sua vez, impede mais conquistas, trazendo mais desânimo.

Mas o ser humano é engenhoso e, mesmo inconscientemente, arranja caminhos de fuga. Muitas vezes esses caminhos não se revelam a melhor solução em longo prazo.

É nesse sentido que se buscam atalhos para chegar logo ao resultado, e esses atalhos criam um vício que faz a pessoa não ter forças, deixando, assim, de praticar.

Garota com mãos na cabeça e expressão de dor com olhos fechados
Andrea Piacquadio / Pexels

A ansiedade mal aproveitada gera uma necessidade de recompensa imediata sem a necessidade do esforço. É um vício e/ou necessidade de dopamina, um pedido para aumentar a sua produção, já que não temos a mesma rotina do passado distante e estamos forçando a um descontrole desse hormônio ou forçando a sua produção por introdução medicamentosa. Por isso há tantos casos de síndromes, transtornos de ansiedade e depressão.

Se não tratamos as nossas pendências, toda essa ansiedade generalizada, relacionada a necessidade, obrigação, vontade, resulta numa fadiga que se confunde com a preguiça e eleva mais a ansiedade, que é a pendência de resolução. É um ciclo que pode resultar em um final infeliz.

Mesmo em nível físico, as consequências começam a aparecer. Esse excesso de ansiedade sobrecarrega o corpo com hormônios de estresse, como o cortisol, por exemplo. O cortisol é um regulador do estresse, já que é o hormônio responsável por manter nossa imunidade e eliminar o que tem de ruim em nosso organismo.

Esse esforço constante em combater o estresse exige um gasto de energia que leva à fadiga, já que o corpo está desprovido de energia. O estresse constante leva à fadiga crônica. A ansiedade sobrecarrega o corpo, ocasionando a exaustão. A fadiga é diferente da preguiça; a fadiga é um estado de indisposição pessoal constante relativo a uma disfunção, já a preguiça é um estado de indisposição imediato.

Mulher com rosto apoiado em ponte de madeira com expressão triste
Engin Akyurt / Pexels

O melhor remédio para combater essa doença, que levará muitos à morte prematura, são os hábitos, que vão desde a alimentação até a rotina programada por meio de uma organização. Eu falei neste texto em usar a ansiedade a favor. Ela faz parte da nossa vida, do nosso instinto de sobrevivência. Podemos usá-la ao organizar a nossa vida, definindo metas, e ela nos incentiva e promove a ação para conquistá-las. Também depende de nossos hábitos a harmonia do nosso organismo, desde a microbiota intestinal até a produção de hormônios e neurotransmissores que nos tragam bem-estar.

Ocupe a mente com afazeres, como exercício físico, metas alcançáveis, lazer, interação com outras pessoas, organização do seu dia e da sua semana de forma que traga um melhor conforto emocional. Utilize a inteligência, a consciência e seu conhecimento para agir de forma que evite danos mentais devido a disfunções. É bom olhar para o passado e entender nossa história, para que possamos agir de maneira compensatória, sem rastros de faltas que burlam nossa trajetória, já determinada em nosso código genético.

Você também pode gostar

Há uma defasagem que temos que corrigir. Temos que ter plena noção do que somos e de quais são as nossas capacidades e ajustar a nossa realidade de acordo com isso.

Para chegarmos aonde chegamos, andamos muito, caminhamos quilômetros diários, interagimos, formamos família e grupos para sobrevivermos, convivemos com a natureza, plantamos, caçamos, tínhamos sempre metas fáceis e alcançáveis que compensavam a pendência da ansiedade. É assim que temos que agir, estamos tentando virar a chave da evolução enquanto a genética e a natureza humana exigem milhares de anos de adaptação.

Sobre o autor

Fabiano de Abreu

Fabiano de Abreu

Fabiano de Abreu Rodrigues é um jornalista, psicanalista, neuropsicanalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e especialista em neurociência cognitiva e comportamental, neuroplasticidade, psicopedagogia e psicologia positiva.

Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional.

Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo, criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil.

Lançou os livros “Viver Pode Não Ser Tão Ruim”, “Como Se Tornar Uma Celebridade”, “7 Pecados Capitais Que a Filosofia Explica” no Brasil, Angola, Paraguai e Portugal. Membro da Mensa, associação de pessoas mais inteligentes do mundo, Fabiano foi constatado com o QI percentil 99, sendo considerado um dos maiores do mundo.

Contatos:

Email: [email protected]
Site: deabreu.pt
Site: pressmf.global/
Facebook: FabianodeAbreuOficial
Instagram: @fabianodeabreuoficial
Twitter: @Filosofofabiano
Youtube: Filósofo e jornalista Fabiano de Abreu
Linkedin: Fabiano de Abreu