Convivendo

O amor está no incluir

Elderly Senior Couple Romance Love Concept
Jéssica Sojo
Escrito por Jéssica Sojo

Um céu de cores luminoso lá fora e aqui dentro pulsa ansiedade ao passo em que eu preparo a sua chegada – enquanto dentro de mim, você dorme tranquilamente por quase longos e nove meses. 

Lá fora eu aprecio o canto dos pássaros e a bela paisagem que dá pela janela do seu quarto – todo iluminado pela luz que entra através da fresta da janela e acalenta-se pelo seu bercinho que aguarda o seu frescor. Acomodo-me na poltrona e não vejo a hora de conhecê-lo de pertinho – e que quando encostado sobre o meu peito, nós possamos sentir a verdadeira sintonia do ritmo familiar – com a sua orelhinha contra o meu coração. Tudo perfeito como deveria ser – até o momento em que você nasce e dentro de mim vem um mix de culpa e rejeição – e aquele sonho de se tornar mãe em um segundo torna-se um pesadelo que parece não ter fim.

Não é fácil receber o diagnóstico de uma criança com necessidades especiais e é notório que o corpo clínico ainda não tem preparo para lidar com – principalmente quando uma mãe descobre que o seu bebê tido como “perfeito” é imperfeito. É dificultoso o processo de aceitação e a realidade vai muito além da dita “inclusão”. É necessário passar por esse processo de luto e dar lugar a outros sentimentos como o otimismo e a fé – além de muito preparo emocional e, acima de tudo, empatia e compaixão – além do amor materno – reconhecendo e aprendendo aos poucos a aceitar o seu filho. 

Não há como ter inclusão do lado de fora, se existe um sentimento de culpa e, inconscientemente, de rejeição pela criança. Após a fase do luto, é importante salientar que proteger demais é um fator prejudicial e pode até impedir o desenvolvimento da criança – pois toda criança, independente da deficiência, tem e terá suas habilidades como qualquer outra pessoa, mas isso dentro do seu desenvolvimento e sem ser superprotegida. 

Smiling mother and father holding their newborn baby daughter at home

Essa pequena história é fictícia e eu decidi compartilhar aqui um pouquinho da sensação que eu tive ao conversar com uma amiga, a Carol. Inclusive, peço toda licença a Carol ao vir aqui. 

Carol é ouvinte, filha de pais surdos e mãe de um filho ouvinte. Conversando com ela, pude imaginar como é a sensação e o medo ao descobrir estar grávida e por um segundo, ter um filho com limitações. No exemplo de Carol, o medo seria de o filho nascer surdo, como seria a adaptação dele, e tantas outras “n” questões – lembrando que eu não sou mãe e apenas cogitei pensamentos e questionamentos esperados e que passam pela cabeça de uma mãe quanto ao futuro da criança, e noto que poucos sabem que a inclusão não está só e verdadeiramente presa à educação – muito embora o governo foque nisso, o mesmo não oferece ferramenta suficiente para o possível acesso à criança, e isso fica para outro artigo. Mas, a inclusão verdadeiramente dita, começa no amor. Na adaptação da família, dos amigos – e da sociedade. Não ao sentir dó, mas ao dar oportunidade para a criança se expandir e mostrar que ser diferente é normal.

É encorajar através do amor materno e agradecer por ter o privilégio de ser mãe de uma criança com necessidades especiais tão incrível quanto uma criança sem necessidade alguma – enxergando que o perfeito está no imperfeito.

Sobre o autor

Jéssica Sojo

Jéssica Sojo

É custoso descrever quem sou eu – já que constantemente lapido, modifico e me transformo em um pouco de tudo e muito de cada pouco. Inicialmente posso compartilhar dizendo que sou extremamente curiosa, apaixonada pela comunidade surda, pela língua de sinais e por tudo que envolve a linguística.

Foi na faculdade de medicina e como acadêmica há alguns anos (com a esperança de trabalhar com o ser humano e suas limitações) que eu adentrei para um universo de que eu não fazia ideia que fosse possível existir e que pudesse trazer a bagagem que tenho hoje. Minha busca incessante pelo autoconhecimento e entendimento para muitos dos questionamentos que já tive (e continuo tendo) me fez despertar para o meu atual desígnio.

Minhas tantas outras peregrinações e experiências também contribuíram e muito com o meu desígnio – a começar pelo de compartilhar junto a vocês, leitores do EuSemFronteiras, sobre a primordialidade de enxergarmos para além do que nos visibiliza os olhos e lembrarmo-nos sempre de sermos semelhantes ao sol, mesmo em meio às sombras escarpadas montanhosas da vida.

Com todo o meu carinho e gratidão imensa,

Mãos em prece e um saudoso e caloroso abraço em cada um.

Contatos:

Email: [email protected]
Instagram: @rubiojer