Convivendo Doenças Mentais Psicologia

Síndrome de burnout: o que é, sintomas e como lidar

Ilustração de um homem com a mão na cabeça, em sinal de esgotamento. Há fumaça saindo pela sua cabeça
Marcus Millo / Getty Images / Canva
Escrito por Eu Sem Fronteiras

A cada dia que passa nos vemos mais próximos de chegar em um esgotamento mental, principalmente quando se trata da nossa vida profissional. Temos que dar conta de tantas coisas em 6, 8, 9, 10 ou às vezes em até 12 horas de trabalho — e temos o sentimento de que não estamos dando conta, que estamos cansados demasiadamente, a ponto de ficarmos exaustos de tudo, até mesmo da vida pessoal; e isso pode até ser caracterizado como síndrome de burnout.

O que é a síndrome de burnout?

A síndrome de burnout é considerado um distúrbio psíquico causado pelo excesso de cansaço no trabalho. A partir do Código Internacional da Doença (CID 11), que será implantado em 2022, passará a ser considerado doença. Muitas pessoas desenvolvem esse transtorno por trabalhar por muitas horas seguidas sob pressão.

Os profissionais bastante sucetíveis a ter a síndrome de burnout são aqueles que trabalham sob pressão constante como telemarketing, profissionais da saúde, militares, pessoas que enfrentam dupla jornada, vendedores e professores. Esse adoecimento atinge tanto o profissional quanto a vida pessoal do sujeito que está passando por isso.

O termo “burnout” vem da língua inglesa e pode ser separada em duas palavras: “burn” e “out”, que significam “queimando fora”. Sendo assim, a síndrome de burnout começa dentro da psique e é como se fosse vindo para fora de uma forma abrupta: quando a pessoa vê, já está no seu limite.

Como a síndrome de burnout pode afetar a vida dos trabalhadores?

Mulher estressada em frente ao notebook. Seus cabelos estão bagunçados cobrindo o rosto
Yavdat / Getty Images Pro / Canva

Com o esgotamento mental que a síndrome de burnout traz, o profissional pode começar a ficar desmotivado e ter algumas doenças recorrentes, pois quando a nossa mente não está bem, o nosso corpo começa a dar muitos sinais. Isso pode trazer apatias e outros sintomas que serão descritos mais à frente.

Atualmente cerca de 15% da população sofre com a síndrome de burnout no Brasil, o que dá uma média de 33 milhões de pessoas, segundo estudos do International Stress Management Association do Brasil (ISMA-BR). Com isso, o burnout tem crescido muito pelo Brasil e pelo mundo.

Desde 2016 há estudos realizados em Londres que mostram o Brasil como o segundo país do mundo que mais afasta profissionais por questões psicológicas, tanto burnout, quanto ansiedade e depressão, apenas estando atrás dos Estados Unidos.

O agravamento e o aumento de casos de burnout no Brasil se deu após a pandemia, principalmente pelos profissionais da saúde. A pandemia gerou e ainda gera momentos de tensão, tristeza e ansiedade. Principalmente quando se trata de trabalho, a autocobrança aumenta, a jornada de trabalho também aumentou e, para muitas pessoas, não houve uma separação do que era o seu lar e o seu trabalho, trazendo o sentimento de nunca sair do seu local de trabalho.

Os sintomas da síndrome de burnout

Os sintomas podem ser observados tanto psicológica quanto fisicamente, pois a síndrome de burnout atinge tanto corpo quanto mente. Quando tratamos da mente, os principais sintomas se dão em:

  • Esgotamento mental: o esgotamento mental se dá em momentos de estresse excessivo e muito trabalho, tanto dentro quanto fora de empresas.
  • Mudanças repentinas de humor: a pessoa pode se apresentar muito sensível, muito triste, com apatia e, principalmente, irritação — e essa mudança de comportamento pode ocorrer em questão de segundos.
  • Isolamento social e baixa autoestima: a pessoa tende a se isolar tanto pelo que está sentindo quanto pela alta irritabilidade e por não se sentir boa o suficiente no que faz — e aí entramos no próximo tópico:
  • Baixa autoestima: a pessoa se sente inferior às outras pessoas do seu trabalho e nunca se acha capaz de realizar a sua função, então não está disposta a sair, socializar e sempre acha que faz tudo errado e que em qualquer momento pode ser dispensada por tudo e por todos.
Homem em frente ao notebook com a mão na cabeça em sinal de cansaço e dor
Rido / Canva

Já quando tratamos do corpo, os sintomas apresentados normalmente são:

  • Cansaço físico excessivo: muitas vezes não existe tempo para a pessoa descansar e, quando esse tempo surge, é como se a mente não desligasse, então podem acontecer episódios periódicos de insônia.
  • Dores de cabeça e pelo corpo: sem descanso, não conseguimos nos manter bem, então podem surgir dores pelo corpo e dores constantes na cabeça, que podem evoluir para uma enxaqueca.
  • Maior vulnerabilidade para ficar doente: por tudo o que foi dito anteriormente, a pessoa que está sofrendo com esse mal pode ficar com a imunidade baixa, o que pode deixá-la mais suscetível a ter algumas doenças, por causa do emocional e do corpo abalados.

Prevenções e tratamentos para a síndrome de burnout

Todos nós estamos suscetíveis a ter a síndrome de burnout, porém podemos pensar e colocar em práticas formas de nos prevenirmos dela. O primeiro passo é entender que existe uma vida dentro e fora do trabalho, então é preciso evitar levar o trabalho para o nosso lar, para o momento da confraternização e do descanso. Gerenciar o tempo é importante para que não se passe mais tempo do que o necessário trabalhando, doando demais de si para o outro e se esquecendo de si mesmo, o que não é nada saudável.

É importante que sejam realizadas pausas durante o dia de trabalho, principalmente para alimentação. É preciso se alimentar direito e usar algumas técnicas de meditação e relaxamento, mesmo que seja em uma pausa de cinco minutos, além ter uma boa noite de sono e lembrar que tudo pode ser resolvido, porque, como dizem muitas pessoas, “nada como um dia após o outro”.

Por fim, é importante que as pessoas tenham momentos de lazer, viagens, façam menos cobranças para si próprias e, principalmente, lembrem-se de que os dias de folga e de férias são para essa finalidade, pois o nosso corpo e a nossa mente precisam de descanso.

Você também pode gostar:

Por mais que possamos nos prevenir, essa síndrome pode acontecer com qualquer pessoa. Primeiramente, é importante evitar falar sobre trabalho no momento de lazer da pessoa que já está sofrendo. O que podemos fazer para que essa pessoa fique bem é dar o nosso apoio, convidar para sair e para ter momentos de lazer, para que essa pessoa relembre o que ela gosta.

Quando pensamos no tratamento relacionado à síndrome de burnout, é preciso consultar profissionais qualificados, como psicólogos, médicos, entre outros que possam fazer e passar o tratamento adequado. Muitas vezes é proposto um medicamento até a melhora efetiva do sujeito. Em alguns casos, a pessoa poderá ser afastada do trabalho, a partir do momento que o CID 11 começar a valer, para que o tratamento possa ser aderido da melhor forma.

Por isso é importante que sejamos cautelosos conosco, com o nosso trabalho e o nosso sustento, mas ele não pode virar um fardo e a nossa única motivação para viver. É preciso sair, se divertir, viajar, conhecer o mundo, estar com quem amamos e, principalmente, manter o máximo de autocuidado.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br