Espiritualidade

Os dez mundos

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Um dos princípios básicos do budismo Nitiren são os “dez mundos”, termo esse conhecido também como “dez estados de vida”. Cada um desses dez mundos está contido dentro de nosso ser e rege nossa vida de acordo com nossos pensamentos, nossas palavras e nossas ações.

Baseado no ensinamento do Sutra de Lótus, Tient’ai, um grande erudito budista chinês do século VI, desenvolveu um conceito que classifica toda e qualquer experiência experiência humana baseada em dez estados, ou “mundos”. Seu ensino dos “Dez Mundos” foi adotado e aprofundado por Nitiren Daishonin, que reiterou a natureza subjetiva e interior desses mundos que regem nossa vida. Ele afirmou: “Considerando a questão de onde estão o Inferno e o Buda, um sutra diz que o Inferno está debaixo da terra, enquanto outro diz que o Buda está no oeste. Entretanto, um pensamento mais cuidadoso esclarecerá que ambos existem em nós próprios.” (As Escrituras de Nitiren Daishonin, Volume 1)

Quais são os dez mundos

Os dez mundos que regem nossa vida são: Inferno, Fome, Animalidade, Ira, Tranquilidade, Alegria, Erudição, Absorção, Bodhisattva e Buda. Cada um desses mundos, ou estados, compõe nossa vida e podemos manifestar cada um deles ao longo dos dias de nossa existência.

Os Quatro Maus Caminhos

São considerados os Caminhos Inferiores de nossa vida: Inferno, Fome, Animalidade, Ira.

1. Inferno

Um estado de vida em que a pessoa não consegue discernir o que é correto e o que não é para sua vida, causando ações destrutivas para si e para as pessoas ao redor. É considerado o estado mais negativo da vida.

2. Fome

É um estado em que a pessoa é dominada pelos desejos de prosperidade, riqueza, ganância desenfreada e satisfação pessoal. Movida somente pelo pensamento “eu quero”, nunca ficando satisfeita e acaba entrando num looping eterno de desejos muitas vezes não concretizados.

3. Animalidade

Nesse estado, a pessoa vive com base na satisfação pessoa imediata e na autoconservação. Assim como os animais, elas vivem baseadas nos instintos e na realização dos desejos imediatos — as vontades.

4. Ira

É um estado constante em que a pessoa ignora a existência de seus semelhantes, desprezando-os com palavras e ações. Além disso, a pessoa não consegue compreender exatamente como as coisas são e reage de acordo com o que estiver sentindo no momento perante as outras pessoas e os revezes da vida.

Esses quatro caminhos impedem a pessoa de atingir a iluminação e conduzir uma vida de acordo com suas vontades e desejos, sendo levada a um mar de incessante sofrimento.

Os dois caminhos a seguir, Tranquilidade e Alegria, compõem os Seis Caminhos Inferiores, pois não existe um controle total pela própria vida e tudo depende de algo externo para que a pessoa ou mantenha-se num desses estados ou mude para algum estado de vida mais inferior que o atual.

5. Tranquilidade

É a própria serenidade. A pessoa nesse estado consegue controlar temporariamente seus impulsos negativos e, sendo racional, conduz uma vida pacífica e em harmonia com o ambiente e com as pessoas.

6. Alegria

A pessoa está nesse estado normalmente quando seus desejos temporários são atendidos ou quando algum sofrimento em sua vida é amenizado. Mesmo a pessoa sentindo um contentamento, trata-se também de um sentimento momentâneo, que não a conduzindo para a verdadeira felicidade.

Os próximos são considerados Os Quatro Nobres Caminhos que são:

7. Erudição

É quando a pessoa se empenha para atingir a estabilidade duradoura por meio da autorreforma e do desenvolvimento. Trata-se do estado no qual a pessoa dedica-se a criar uma vida melhor pelo aprendizado das ideias, pelo conhecimento e pelas experiências de seus predecessores e contemporâneos.

8. Absorção

Condição semelhante ao estado de Erudição, porém o que os diferencia é que o estado de Absorção busca a autorreforma através da observação direta da vida, ou seja, de todos os fenômenos da vida.

9. Bodhisttva

É a condição em que a pessoa ajuda seus semelhantes, seja por meio de palavras, incentivos, ações, orações etc. O indivíduo dotado desse estado vive com base na busca pelo seu desenvolvimento e das pessoas em sua vida e sociedade. É uma pessoa que empodera seu ambiente, trazendo positividade e mudanças boas.

10. Buda

Buda é o estado ideal, em que a pessoa tem total discernimento sobre sua vida e sabedoria para trilhar seus caminhos, baseada na autorreforma, no empoderamento e na positividade. É possível atingir o estado de Buda recitando o mantra nam-myoho-rengue-kyo e realizando pensamentos e ações positivas, bem como palavras. Toda negatividade é dissipada pela pessoa dotada desse estado e, além disso, é possível que ela contagie positivamente as pessoas a sua volta e seu ambiente externo.

Todos esses estados estão inerentes em nossa vida. E através da busca pelo desenvolvimento pessoal, pela autorreforma, pelas orações e pelas ações empoderadas, é possível atingir e manter sempre os estados de vida elevados, ou seja, manter-se com base nos Quatro Nobres Caminhos. Mesmo que vivamos numa sociedade repleta de ira e animalidade, em que “o mais forte vence” ou que “cada um fique no seu quadrado”, façamos a diferença sendo os agentes da mudança com base no estado de máxima alegria e felicidade absoluta: o estado de Buda.


Texto escrito por Bruno da Silva Melo da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]