Energia em Equilíbrio Espiritualidade

Beijo na boca: o que ele significa para o lado espiritual?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

O beijo é uma forma universal de demonstrar carinho, afeto e de se conectar a uma pessoa. A energia que cada um carrega é sentida de longe por pessoas mais sensíveis. Se os abraços misturam e entrelaçam corpos, imagina o que um beijo na boca pode causar?! Há quem trate este contato extremamente íntimo de forma impessoal e não dê tanta importância ao efeito que ele causa em nosso lado espiritual.

Fisiologicamente falando, é comprovado que um beijo na boca interfere no cérebro proporcionando bem-estar. Um estudo da neurociência constatou que o encontro bucal aumenta a produção de ocitocina, o mesmo hormônio que instiga vínculos entre o bebê e a mamãe. Pare para pensar, no nascimento e nos primeiros meses de vida, além do contato da amamentação, o bebê leva tudo o que toca à boca, para assim, conhecer melhor o mundo da forma que lhe cabe no momento – ou seja, começa as descobertas mais básicas da vida com as sensações que a boca encontra.

Casal de homem e mulher se beijando na boca. Ambos estão de capacete preto, óculos e sentados sobre uma moto.

O simples toque dos lábios, seja nas mãos, no rosto, na testa, na boca ou em qualquer parte do corpo, está carregado de sensações e significados. Quando beijamos alguém na testa, insinuamos carinho e cuidado. Quando damos o famoso “selinho” em alguém, expressamos de alguma forma o amor romântico mesclado em um carinho genuíno. Ao beijar o rosto, cumprimentamos alguém que chega da forma mais carinhosa possível: “Deixe-me tocar os lábios em seu rosto para que assim eu conheça um pouco mais do mundo que faz parte de você”.

A união de duas pessoas em um amor romântico faz com que os beijos na boca tenham carga emocional ainda maior. Não é mais um simples ato de carinho, mas sim um contato extremo onde cada detalhe do tempo em que o beijo é dado, é afirmado dentro de cada um. Nota-se o jeito de beijar e de segurar o rosto, o gosto que a boca do outro tem, os efeitos que o beijo causa no corpo, e esses são detalhes que marcam uma pessoa por muito tempo.

Casal de homem e mulher se beijando na boca dentro da água. Ambos estão em pé, com as pernas meio erguidas. O homem usa um chapéu panamá, calça dobrada e camiseta cinza. A mulher usa uma bermuda branca e uma camiseta salmão.

O beijo na boca e o lado espiritual

Trocamos energia com os ambientes que frequentamos e com as pessoas praticamente o tempo todo, por meio de diálogos, encontros e até mesmo esbarrando em alguém na rua. Cada um tem a sua energia, o seu equilíbrio energético e os seus próprios vínculos.

Durante um beijo na boca há uma grande troca e um vínculo energético, que fazem com que os parceiros permaneçam um no outro, e isso é algo muito grande! Por mais que o beijo seja tratado como algo, pode-se dizer que, “corriqueiro” e “comum”, cada vez que beijamos alguém, trocamos energia. Deixamos um pouquinho de nós e pegamos um pouquinho do outro.

Você também pode gostar

Quando os corpos se unem em um beijo, os “seres” se vinculam, mesmo que por alguns segundos. É como se num beijo, você abrisse uma parte de si mesmo para alguém entrar e fazer parte. É claro que não reparamos, mas as lembranças que temos de alguns beijos mais marcantes são resultados das trocas de energias mais fortes. Seja boa ou ruim, a memória traz imagem, sensações e muita das vezes, sentimentos genuínos.

Agora, para e reflita: você beija alguém em uma noite, dorme e acorda no dia seguinte super disposto; em outra noite, você faz o mesmo, mas acorda se sentindo pesado e sem ânimo. O que será que aconteceu? A gente te responde: Trocas de energias!

Casal de homens prontos para beijarem na boca. Só conseguimos visualizar o rosto de ambos. Usam barba e camisa, sendo uma azul e a outra vermelha.

O beijo como cura:

Além de trocar energia espiritual, sexual e ser uma “atividade” muito prazerosa, o beijo traz muitos benefícios ao nosso organismo e mente. Veja alguns a seguir:

Estresse:

Como citado anteriormente, um beijo na boca envia mensagens ao cérebro, que produz hormônios que provocam bem-estar. A neurocientista Wendy Hill realizou um estudo com pessoas que beijam constantemente e outras pessoas que não, e constatou que quem beija mais, possui o nível de cortisol (hormônio relacionado ao estresse) menor do que as que não beijam (ou seja, beijar alivia o estresse!).

Oxigênio no sangue:

Beijar na boca faz os batimentos cardíacos aumentarem, e como consequência provoca uma elevação na oxigenação sanguínea, melhorando os níveis benéficos à saúde.

Casal de mulher se preparando para o beijo na boca. A imagem está em preto e branco. Sómente o rosto de ambas é visto na foto.

Imunidade:

Cientistas descobriram que os beijos são responsáveis pela “troca de bactérias e de vírus” entre parceiros, que como consequência acelera na produção de anticorpos e aumentam a imunidade.

Relacionamentos:

Parceiros por muitas vezes, acabam se distanciando sem nenhum motivo aparente, e o beijo é como se fosse o início de um resgate. Beijar faz com que os corpos se reaproximem e claramente, faz com que a energia sexual seja resgatada para uma reconexão. Quando há amor, o beijo é o melhor início para a cura de desentendimentos, mágoas ou qualquer outro sentimento ruim.

Beijar na boca é uma grande troca de energia, além de movimentar 29 músculos faciais e de aliviar as tensões de um dia cheio. O beijo pode preencher o silêncio, demonstrar afeto e reconectar duas pessoas distantes. É comprovado que beijar só faz bem, quando consensual, claro. E como já diria Cazuza: “Se combina o beijo, já é meio caminho andado!”.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]