Comportamento Convivendo

Como lidar com uma decepção?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Ah, decepções… Quem nunca viu cair por terra algo que parecia que ia dar certo, não é mesmo? Mas o que é uma decepção? Como essa palavrinha tão angustiante pode ter significados diferentes para cada pessoa baseados em suas histórias de vida. Vamos unificar aqui uma definição a respeito desse substantivo cruel. Segundo o dicionário Oxford Languages da Língua Portuguesa, “decepção” é “sentimento de tristeza, descontentamento ou frustração pela ocorrência de fato inesperado, que representa um mal; desilusão, desapontamento”, certo? Lembrou-se de alguma coisa ao ler a definição? Pode ter certeza de que todo mundo vai se lembrar de algum episódio, sabe por quê?

“A decepção é inevitável na vida”, explica o psicanalista Giuliano Rocha Andrade, “porque a decepção é fruto da expectativa que criamos a respeito de alguma coisa, de algum acontecimento ou de alguém, e qual ser humano consegue viver sem criar expectativas? Ainda que tentemos evitá-las, é impossível… Refletir e se projetar no futuro é uma parte importante de quem somos, então quando nos projetamos no futuro, visualizamos ali algo bom e criamos expectativa de ver isso realizado, mas a realidade vai num caminho diverso, aí vem a decepção”. Se não ficou claro: não tem para onde fugir, uma hora ou outra você vai se decepcionar.

Então se decepcionar é algo inevitável, o que podemos fazer para lidar com uma decepção e evitar sucumbir a sentimentos depressivos, estacionando nessa decepção, o que impede de seguir em frente? É impossível apontar uma solução para contornar uma decepção, já que elas são tão diversas e nós, como seres humanos individuais, também somos tão diversos. Mas há algumas dicas que você pode seguir para minar o modo como as decepções atingem você. Confira!

Imagem de um rio e ao fundo o por do Sol. Em uma ponte está uma mulher sentada, com a cabeça baixa, ela está lidando com uma decepção.
Imagem de Sasin Tipchai por Pixabay

8 dicas para lidar com uma decepção

1. Equilíbrio

É preciso, antes de mais nada, encontrar um equilíbrio no modo como você vê a sua decepção. É claro que isso leva tempo e não acontece assim que você se decepciona, mas é importante inserir isso nas suas reflexões. “É difícil, no olho do furacão, por assim dizer, encontrar um modo de não subestimar a dor, não dando a ela a devida importância, mas também de não superestimar a dor, fazendo com que ela nos desvie do nosso caminho. É uma equação difícil, mas é preciso fazer contas e mais contas até chegar num resultado”, aconselha a psicóloga clínica Helena Martinelli.

2. O outro lado da história

Mais alguém está envolvido nessa decepção que você sofreu? Você já tentou entender o lado da pessoa antes de sair carregando mágoas e decepções? “A frustração muitas vezes é um sentimento egoísta”, opina o psicanalista Giuliano Rocha Andrade, “porque nos frustramos e nos decepcionamos ao ver que nossas expectativas não foram alcançadas, mas se a sua decepção envolver diretamente alguém, tente pensar no lado dela também. Sabe aquele relacionamento que começa bem, mas aí o trem descarrila? Em vez de apenas culpar a outra pessoa e se frustrar porque não deu certo, tenha empatia e se coloque no lugar dela. Isso até ajuda a diminuir a decepção, porque percebemos que lá do outro lado também tem uma pessoa decepcionada, então se ela não pode cobrar de nós a perfeição, que direito temos de cobra o mesmo dela?”.

3. Entender a raiz do problema

Você tem se decepcionado com frequência em sua vida e o tema dessas decepções se repetem? Amigos que somem, relações amorosas que fracassam, pessoas que se afastam, demissões de emprego, problemas para se dedicar ao estudo… Você precisa entender a raiz do seu problema para combatê-lo. “É comum vermos os problemas de movo pontual: ah, esse relacionamento deu errado por esse e esse motivo, tudo bem. Mas aí quando você analisa esse relacionamento que deu errado e os três anteriores a ele, percebe alguns padrões e comportamentos que você vem repetindo e que levam a essa decepção. Um exemplo: uma pessoa que sonha em se casar e ter filhos, mas começa a namorar parceiros que, depois de meses de relação, revelam que não querem filhos, aí vem o término, a decepção… Será que você se preocupa com os seus planos e expectativas antes de entrar nesses relacionamentos ou prefere jogar a culpa e a decepção no colo da outra pessoa? Investigar o problema é o primeiro passo para combatê-lo”, exemplifica o psicanalista.

4. Buscar psicoterapia

E combater o problema, como disse Rocha Andrade, muitas vezes é se ver diante de um terapeuta para falar sobre si mesmo. “O espaço da terapia é um espaço livre de julgamentos, com alguém que está dedicando 100% do tempo para dar ouvidos atentos para tudo aquilo que você queira dizer, então a psicoterapia é um espaço maravilhoso para desvendar os verdadeiros motivos por trás das suas decepções, se é que eles existem, e encontrar um modo de ficar em paz com eles”, sugere Martinelli.

Imagem de um homem em meio a uma floresta em pleno por do Sol. Ele está triste e decepcionado. Cobre o rosto com as duas mãos.
Imagem de StockSnap por Pixabay

5. Lembre-se das vitórias

“Dias de luta, dias de glória”, escreveu o poeta Chorão, líder da banda Charlie Brown Jr. Quando chegarem os dias de luta e tudo parecer negativo e envolto em pessimismo, lembre-se das suas vitórias e dos dias de glória, aqueles em que você conseguiu conquistar o que desejava. “A decepção tende a colocar um véu de desesperança em nossos olhos, então turva a nossa visão e nos impede de olhar para trás, para o passado, para aquela conquista que nos fez tão feliz há pouco tempo. Enfim, tente resgatar o seu sucesso também, então você entenderá que são ciclos: vitórias, derrotas, sucessos, fracassos; tudo isso faz parte da vida, e é saudável para o equilíbrio dela que faça”, opina o psicanalista.

6. Autoestima

Você está com a autoestima em dia? Tem encontrado equilíbrio quando o assunto é autoestima também? “Quando a nossa autoestima anda meio baixa, pode ser que acabemos aceitando que merecemos o pior mesmo e aí a decepção se instala e permanece. Por outro lado, se a autoestima está alta demais, isso pode causar um pouco de arrogância, então quando você vê a sua armadura perfurada, pode parecer até inacreditável: como assim uma pessoa como eu sendo derrotada? Os dois extremos devem ser evitados”, sugere Rocha Andrade.

7. Todo mundo passa por isso

Sabe quando a gente é criança e quer um brinquedo e nossos pais não dão? Decepção. Lembra-se de quando você era adolescente e odiava ser tratado mais como criança do que como adulto? Decepção. Ou seja, é inevitável se decepcionar. “Boa parte do sentimento de decepção vem da sensação de que somos fracassados, e isso machuca a nossa autoestima, porque nos diminui. Quando você entende que todo mundo se decepciona — da pessoa mais poderosa do mundo à mais simples nele —, você entende que não é menos por ter passado por uma decepção, então passa a aceitá-la como parte da vida, como uma etapa pela qual você até talvez precisasse passar para amadurecer determinados aspectos”, delibera a psicóloga clínica Helena Martinelli.

Imagem de uma jovem decepcionada em frente a um lindo rio olhando o por do sol.
Imagem de StockSnap por Pixabay
Você também pode gostar

8. Expectativa

Como explicado no início deste artigo pelo psicanalista Giuliano Rocha Andrade, boa parte das decepções vem das nossas expectativas. Talvez, então, o momento da decepção seja propício para uma reflexão, como sugere o especialista: “Por que não ‘aproveitar’ a decepção para fazer uma reflexão a respeito das suas expectativas que causaram aquela frustração? Repense os seus caminhos, repense o que você quer e adeque tudo isso à sua realidade, porque aquele que fica buscando objetivos inalcançáveis tende a se decepcionar mais. Se você sente que tem se decepcionado muito, cobre menos de si mesmo, e uma boa ideia é estabelecer objetivos, digamos, menores. Se em vez de ter a expectativa de encontrar a tampa perfeita para a sua panela, usando expressão coloquial, você se preocupar em encontrar alguém com quem possa construir um relacionamento gostoso, saudável e em que haja amor, talvez com o tempo você perceba que essa pessoa é a tampa da sua panela, mas essa descoberta só foi possível porque você domou as suas expectativas e as adequou a realidade. Pode parecer clichê, mas tire lições das derrotas e saiba se reinventar.”

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br