Saúde Integral

Conexão Cérebro-Intestino: Descubra a importância do órgão considerado o “segundo cérebro” do corpo humano

Doutora segurando ilustração de intestino
123RF/natalimis
Malu Brandão Moura

O intestino é um dos maiores e mais importantes órgãos do corpo humano. Ele tem neurônios e aloja diversas bactérias, a grande maioria delas tem papel importante no funcionamento do nosso organismo.

O sistema nervoso entérico (SNE), próprio deste órgão, coordena diversas tarefas e controla a extração da energia dos alimentos, independente do sistema nervoso central, embora comunique-se com este, além disto, os neurônios intestinais produzem serotonina (90% de toda a descarga do corpo) — hormônio do bem-estar. Essa substância é apenas uma das encarregadas em viabilizar a comunicação entre o intestino e o cérebro. Então, podemos concluir que o intestino controla muito do que fazemos e influencia no que pensamos.

Mulher sentada na cadeira da cozinha segurando um caderno e olhando para o lado pensativa
123RF/ Michael Simons

Diversas pesquisas da Federação Brasileira de Gastroenterologia (“FBG“), da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e diversos estudos internacionais, como o Projeto Microbioma Humano (EUA), têm mantido o foco em entender essa conexão intestino–cérebro. Este último projeto citado mapeou as bactérias que estão presentes no nosso organismo e buscou entender como a flora gera interferência na predisposição à doenças e tem capacidade para influenciar nosso comportamento e emoções.

Uma outra questão interessante é o fato de que, por razões hormonais, as mulheres estão mais sujeitas a problemas no abdômen do que os homens. A FBG constatou impacto na qualidade de vida da grande maioria das mulheres entrevistadas quando da ocorrência destes incômodos (prisão de ventre, inchaços, etc.), gerando variações no humor e perda na concentração, ou seja, alterações comportamentais.

Mulher sentindo dor na barriga
123RF/ stylephotographs

Outro ponto relevante está relacionado aos estados de ansiedade e depressão. Estudos apontam que pacientes com depressão apresentam desde alterações de apetite a problemas na flora intestinal, assim como aqueles com transtornos de ansiedade, então houve constatação da conexão cérebro–intestino.

Você também pode gostar

A boa notícia é que podemos prevenir e reverter desequilíbrios modulando a flora intestinal, melhorando o funcionamento do segundo cérebro com a alimentação, estilo de vida e cuidado com doenças preexistentes. Algumas dicas (consulte uma nutróloga ou nutricionista para questões relacionadas à alimentação): consumo de probióticos e prebióticos, diversificar e equilibrar a dieta, redução/controle do nível de estresse (exemplo: meditação, Yoga), dormir bem.

Sobre o autor

Malu Brandão Moura

Malu Brandão Moura

Administradora (UFBA) e contadora (Uneb) como formação, sempre atuei na área financeira/controladoria (desde 2006), perpassando por empresas de portes diversos, em sua maioria multinacionais, atingindo então o atual cargo como gestora. Durante todo esse tempo, como espírita praticante, palestrante e estudiosa das questões imateriais, apaixonei-me pelo universo espiritualista e busquei o autoconhecimento como aprimoramento pessoal e ferramenta para melhorar minhas relações interpessoais, exercendo a empatia e, consequentemente, a vontade de ajudar o próximo a desvendar seus processos existenciais. Debrucei-me, então, na transpessoalidade desde a vertente holística até a prática terapêutica, buscando compartilhar ferramentas aprendidas na formação em terapia transpessoal sistêmica (Núcleo Jordan Campos/Unibahia) e, assim, desbravar o universo transpessoal do indivíduo. Hoje, especialista em constelações familiares, sistêmicas e organizacionais e habilitada para atuar com terapia regressiva, energética (reikiana nível III nas linhas usui e tibetano), floralterapia e iridologia comportamental e clínica, busco o desenvolvimento como profissional, objetivando transformar a vida de outras pessoas, direcionando-a a uma existência mais leve e feliz.

Contatos

Email: [email protected]
Instagram: @terapeutaemacao