Comportamento

Dia Internacional da Paz – Você sabe qual é o impacto de suas escolhas para nutrição da paz?

Mulher branca de olhos fechados com vento no rosto.
sifotography / 123rf
Escrito por Anna Maria Oliveira

Paz, do latim pax, é definida como um estado de calma ou tranquilidade, ausência de perturbações. Derivada do latim pacem, absentia belli, significa ausência de violência ou guerra.

“Se quisermos ter paz na Terra, nossas lealdades devem transcender nossa raça, nossa tribo, nossa classe e nossa nação; e isso significa que nós devemos desenvolver uma perspectiva mundial.” – Martin Luther King

A experiência de paz começa com autopermissão de chegar à profundeza do próprio ser. A conexão com a essência divina, simples, amorosa, acolhedora e luminosa que pulsa em nós.

Tenho me perguntado sobre as aprendizagens que a pandemia me trouxe, uma delas é a profundidade da solitude e a apreciação da natureza.

O contato, a sensação, a vibração da energia vital no corpo… tornam o viver um acontecimento inigualável! Práticas de meditação e yoga me fortalecem e promovem experiências de paz profundas.

Paz é experiência, engajamento, comprometimento e responsabilidade com o bem-estar pessoal e coletivo. É companheira da respiração, sem ar não existe vida e sem paz interior não existe qualidade de vida.

A nova era está diante de nós, se fez presente com a chegada do coronavírus, o mundo mudou e convoca o engajamento consciente a favor da não violência em todos os setores da vida planetária.

Diariamente fazemos escolhas que impactam, profundamente, a experiência e a presença da paz em nossas vidas.

Gosto de observar como as pessoas escolhem legumes, frutas e verduras… no sacolão e na feira, a maneira como os alimentos são tocados, jogados por que “não servem”, “não estão bons”, a forma como são colocados no saquinho, caixa ou carrinho de compras… isso muitas vezes acaba “machucando” os alimentos, principalmente os mais delicados, isso quando não caem no chão e poucos são aqueles que pegam e colocam de volta no lugar, as vezes chutam ou passam por cima.

“Descartar é atitude fácil, mas escolher conscientemente é tarefa que demanda atenção, percepção e aprendizagem”

Se a seleção do alimento é feita com pressa, mecanicamente, sem a consciência de todo o processo que fez com que aquela maçã chegasse ali para que fosse escolhida, como deve ser a tomada de decisão em outras áreas da vida?

O que faço para vivenciar a paz?

O que aprendo comigo sobre paz?

Como a relação com outras pessoas me ensina sobre paz?

Como posso me tornar um ser mais pacífico?

São algumas perguntas recorrentes em minha vida!

Paz é sabedoria para: escolher, tocar, calar, falar, fazer, não fazer, agregar, separar, doar, receber ajuda, ser criativa.

A semente da paz está nos pequenos gestos e apresenta seus frutos em atitudes maduras.

Mulher branca fazendo símbolo da paz e amor.
Priscilla Du Preez / Unsplash

Desenvolver habilidades como empatia, cooperação, pensamento crítico, criatividade, liderança, resiliência e autoconhecimento é fundamental para que haja engajamento pacífico consciente em prol da dignidade humana, de fato e de direito.

Desejar a paz mundial implica em nutrir a sua paz interior, comprometer-se com ela e multiplicá-la diariamente num processo sustentado por si mesmo.

“Paz é mudar de dentro para fora, é tão legal” – Fernando, 7 anos (aluno de yoga lúdico na educação)

Partilho a lenda Paz Perfeita, que adoro, por ser lúdica, sensorial, imaginativa e reflexiva:

“Havia um rei que ofereceu um grande prêmio ao artista que fosse capaz de captar numa pintura a paz perfeita. Foram muitos os artistas que tentaram. O rei observou e admirou todas as pinturas, mas houve apenas duas de que ele realmente gostou e teve que escolher entre ambas. A primeira era um lago muito tranquilo. Esse lago era um espelho perfeito onde se refletiam umas plácidas montanhas que o rodeavam. Sobre elas encontrava-se um céu muito azul com tênues nuvens brancas. Todos os que olharam para essa pintura pensaram que ela refletia a paz perfeita.

A segunda pintura também tinha montanhas. Mas elas eram escabrosas e estavam despidas de vegetação. Sobre elas havia um céu tempestuoso do qual se precipitava um forte aguaceiro com faíscas e trovões. Montanha abaixo parecia retumbar uma espumosa torrente de água. Tudo isso se revelava nada pacífico, mas quando o rei observou mais atentamente, reparou que atrás da cascata havia um arbusto crescendo de uma fenda na rocha. Nesse arbusto encontrava-se um ninho. Ali, no meio do ruído da violenta camada de água, estava um passarinho placidamente sentado no seu ninho. Paz perfeita.

Qual pensas que foi a pintura ganhadora?

O rei escolheu a segunda. Sabes por quê? “Porque”, explicou o rei, “paz não significa estar num lugar sem ruídos, sem problemas, sem trabalho árduo ou sem dor. Paz significa que, apesar de se estar no meio de tudo isso, permanecemos calmos no nosso coração”. (autor desconhecido)

Você também pode gostar

Prática meditativa para te inspirar:

“Escolha um local tranquilo, agradável… separe folha de desenho… lápis, canetinhas coloridas ou outros materiais. Use roupa confortável… lembre-se.. esse momento é de pausa… relaxamento e autocuidado.

Sente-se em posição confortável… cuide de sua respiração, inspirando e expirando suave e profundamente… ao inspirar conte 4 segundos e ao expirar conte 8 segundos… devagar… Repita a prática respiratória… solte os músculos, sinta seu coração, sua energia vital circulando tranquilamente…

Sinta a paz crescendo dentro de você… a cada inspiração e expiração… um banho de paz invade todo o seu ser… é tão bom… sentir paz!

Imagine na tela de sua mente como seria a casa da paz interior… sua forma, portas, janelas, cores, ela tem um jardim? Crie a sua casa… do jeito que você quiser… Ela é sua… Sinta como é linda… iluminada… alegre e simples… Faça uma foto mental dela… Inspire e expire… suavemente… abra os olhos aos poucos e agora… traga a casa da paz… para o papel… desenhando como quiser… incluindo outros elementos…

Brinque com a sua casa da paz interior… conclua o exercício no seu tempo e ritmo… e lembre-se.. cuidar dessa casa depende apenas de você… deixe o desenho dela num lugar especial…”

Boas experiências!!!

Você pode ouvir o podcast dessa meditação aqui https://open.spotify.com/episode/6BuMFBS13bkOfZwXigp0Va?si=PW1GikmJTyKICurrJ0J5Hw&dl_branch=1

E seguir nosso perfil no instagram https://www.instagram.com/educacaoacademiaconfluencia/

Abraço carinhoso repleto de Paz!

Sobre o autor

Anna Maria Oliveira

Atuo como palestrante, consultora, professora formadora na abordagem meditação e yoga lúdico na educação, desenvolvida por mim. Graduada em cursos complementares, como arte contemporânea, xilogravura, educadora brincante, reiki tibetano, técnicas corporais ayurveda, instrutora de yoga na educação com crianças.

Vasta experiência em educação pública e no terceiro setor.

Realizo atendimento individualizado para profissionais da educação, utilizando a abordagem consultoria integrada experiencial.

Fundadora da Academia Confluência, escola de desenvolvimento humano para autogestão.

CONTATOS
E-mail: annaeduc@outlook.com
Site: academiaconfluencia.com.br
Facebook: academiaconfluencia
Instagram: @academiaconfluencia
Linkedin: Anna Maria de Oliveira