ESF Responde Nutrição

ESF Responde – Veganismo

Juliana Maciel
Escrito por Juliana Maciel
Recentemente, em nossa conta do Instagram (@eusemfronteiras), fizemos uma enquete perguntando sobre quais assuntos nossos leitores teriam interesse de conversar com nossos colunistas, abrindo um espaço bem bacana de perguntas enviadas.

Dessa vez, colocamos nas opções: Nutrição Vegana ou Nutrição Convencional.  A que venceu foi a primeira opção e, dentre as varias  perguntas que recebemos, selecionamos algumas que foram respondidas pela nossa colunista, Juliana Maciel.

Juliana é nutricionista (formada pelo Centro Universitário São Camilo). Acredita na conexão entre o corpo e a mente, e busca esse alinhamento através de uma alimentação natural, o mais orgânica possível e sem consumo de carnes. Ela também cursou Astrologia (Escola de Astrologia Gaia). Além disso, busca alternativas naturais ao remédio, e é pós-graduanda em Fitoterapia. Não contente, é atleta amadora de corrida de aventura, pratica Yoga, medita, pratica MTB, musculação e outros esportes esporadicamente.

Agora, vamos às respostas:

Pergunta 1

Sou vegetariana há 1 ano e 10 meses e há um tempo estou pensando em aderir o veganismo, mas não sei por onde começar. Quais dicas você daria para quem está nesse processo de transição?

Bom, vamos lá. Primeiro, liberte-se das crenças como “não vou ter proteína na dieta”, “não terei opção para comer”, “não consigo ficar sem lácteos e nem ovos”, “vou ficar fraca e com anemia”, entre outros. Você não precisa destas crenças para respaldar suas escolhas. Tenha o seu propósito. Algumas pessoas se tornam vegetarianas do dia para a noite, sem transição, apenas porque não vêm mais sentido em continuar a consumir derivados de animais. Em outras, este processo pode ser mais lento, por motivos internos e/ou simplesmente pelo prazer sensorial da comida. Também não dê ouvidos a pessoas que não são vegetarianas, elas são a maioria da população e, por falta de conhecimento, podem tentar convencê-la de que você é radical, ou mesmo dizer coisas do tipo “você espirrou, é porque não come carne”. De forma prática, seguem mais algumas dicas:

Aprenda a gostar da cozinha! Existe um mundo de possibilidades que o veganismo traz, basta você usar a criatividade e literalmente por a mão na massa.

Busque a motivação por pessoas! Conheça pessoas que pensam como você e estejam junto nesta caminhada.

Mantenha-se informada sobre o veganismo, temos no Brasil a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) com publicações frequentes sobre o benefício do veganismo, tanto a nível individual quanto a mundial. É uma organização apoiadora e densa em conteúdo, com probabilidade de trabalhos voluntários e ações ativistas.

Escolha restaurantes com antecedência, e, quando for com quem é onívoro, opte por um buffet!

Considere também uma adequação calórica, já que uma alimentação vegana saudável é densa em nutrientes, e pode ser que você precise de um volume maior de alimento no prato para suprir a demanda energética ideal ao seu metabolismo.

E não se sinta culpada quando tiver recaídas ao consumo dos derivados. Tenha a transição de forma leve e sem pressão, que venha ao encontro do seu estado natural de espírito!

Pergunta 2

Como carne animal até hoje, mas tenho o desejo de ser vegano. Quais as primeiras coisas que devo fazer?

Bom, vamos lá. Primeiro, abandone de vez a ideia de que dietas veganas não são suficientemente ótimas em proteína. Não existem estudos mostrando que veganos possuem déficit proteico. Enquanto carnes, ovos e leite possuem em sua composição gordura junto à proteína, as proteínas do reino vegetal possuem carboidratos, fibras e muitos nutrientes benéficos à saúde. Em seguida, até que ponto você justifica o prazer em comer carne sendo maior do que a vontade de contribuir para um mundo melhor? Estamos falando de combater a fome, contribuir para o reflorestamento, recuperar espécies em extinção, combater a escassez de água, contribuir para a sua saúde física e mental, combater o sofrimento e exploração animal… são tantos motivos que podem e devem ser maiores do que o apego ao ego e sentidos… Outra situação é entender o seu círculo social. Quantas pessoas ao seu redor não comem carne? Lembre-se que, para muitos, a ideia do veganismo ainda passa longe de ser uma realidade. Não se deixe influenciar por comentários maldosos e com pouco fundamento. Em seguida, informe-se. Veja documentários, bons livros e artigos, opiniões de especialistas e de quem já é vegetariano há um bom tempo. Identifique seu objetivo em se tornar vegetariano. Não há contraindicação para viver sem carne.

Pergunta 3

Muitos dizem que o veganismo é um estilo de vida caro e difícil de manter. Isso realmente é verdade ou é um mito alimentado por boa parte da sociedade?

Não é caro. Pelo contrário, pode ser bem mais barato! Estamos vivendo um momento belo de ascensão do veganismo no Brasil, e é natural que a gourmetização dos negócios torne a ida a um restaurante vegano mais cara. Embora tenhamos alguns restaurantes que já comercializem refeições a um custo muito acessível e dentro da realidade que se é comer uma comida vegetariana, ou seja, mais barata. Basta ver o exemplo do restaurante popular Bom Prato, em São Paulo, com pratos a R$1 que, inclusive, adotou o movimento Segunda sem Carne em alguns de seus restaurantes da rede. Pode ter certeza que a economia no custo da produção aumentou e muito com a exclusão da compra da carne neste dia! Outro problema está nos produtos veganos industrializados, os quais muitas vezes ainda são produzidos em baixa escala, o que torna a comercialização destes produtos menos atrativas ao bolso do consumidor final. Quanto maior o volume de produção dos produtos da organização, melhores serão os preços praticados no atacado e no varejo. De forma geral, 1 kilo de feijão é bem mais barato que 1 kilo de carne. Não é preciso malabarismo na hora das compras. O simples e o básico é o suficiente.

Pergunta 4

Um dos grandes questionamentos que existem quando falamos em veganismo é a saúde física. Muitas pessoas acreditam que por não consumir mais nada de origem animal isso é prejudicial. É indicado procurar um especialista para acompanhar esse processo? E que tipos de alimento da pirâmide alimentar são mais indicados para os veganos?

A fundamentação para acreditar que a falta de carne é prejudicial à saúde é cultural e não tem respaldo científico e epidemiológico que justifiquem que a falta de carne na alimentação é prejudicial. Digo isso até para populações específicas, como os atletas ou mesmo as gestantes. Inclusive, atualmente, há inúmeros atletas olímpicos veganos. O número cresce a cada ano. Como falar que, para este grupo seleto da sociedade, falta-lhes energia? Há de se entender que, por exemplo, a carência de ferro é um problema de saúde pública e não uma exclusividade de vegetarianos e veganos. Muito pelo contrário, muitos onívoros possuem deficiência de ferro, assim como muitos vegetarianos/veganos possuem seus estoques ótimos no sangue! É indicado procurar um especialista, mas não em caráter obrigatório. Como o processo de transição exige uma alteração completa no hábito alimentar, é preciso acompanhar os exames e adequar os alimentos de acordo a sua necessidade individual. Gostaria de indicar o Guia Alimentar de Dietas Vegetarianas para adultos elaborado pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB). Neste guia, são descritos de forma aprofundada os alimentos, nutrientes e necessidades tanto para ovolactovegetarianos quanto para vegetarianos estritos.

Pergunta 5

Olá! Minha dúvida é: como podemos consumir a vitamina B12 através da alimentação para que ela não fique baixa? E como fazer para aumentar seus níveis através da alimentação apenas e não por medicamentos ou suplementos.

A alimentação ovolactovegetariana fornece todos os nutrientes necessários, inclusive a vitamina B12 em quantidade adequada ao organismo. Já na alimentação vegetariana estrita é necessário obter a vitamina B12 por meio de alimentos enriquecidos ou suplementos. Hoje, no mercado, já vemos muitas opções enriquecidas de vitamina B12, como é o caso dos leites vegetais. Eu diria que a única desvantagem nutricional na dieta vegetariana estrita é a suplementação de vitamina B12, em contrapartida, há inúmeros benefícios na saúde em geral.

O que é o ESF Responde?

No propósito de continuar trazendo conteúdo de qualidade para a nossa caminhada rumo ao despertar de consciência e evolução pessoal, nós criamos este espaço em que nossos queridos amigos colunistas, que são profissionais qualificados, responderão a perguntas feitas por nossos leitores pelos Stories do Instagram, afinal a dúvida de um pode ser a duvida de muitos outros.

Essa ferramenta é muito interessante e permite uma interação e aproximação entre nós. Oba!

Participe, vote!
@eusemfronteiras

Ficaremos muito felizes em te encontrar por la!

Muita Paz e Luz a todos, Namastê🙏🏼


Confira também outro artigo desta autora. Acesse: Não é mais sobre um livro de nutrição , mas é sobre um livro que todos deveriam ler

Sobre o autor

Juliana Maciel

Juliana Maciel

Juliana é nutricionista (formada pelo Centro Universitário São Camilo). Acredita na conexão entre o corpo e a mente, e busca esse alinhamento através de uma alimentação natural, o mais orgânica possível e sem consumo de carnes. Ela também cursou Astrologia (Escola de Astrologia Gaia). Além disso, busca alternativas naturais ao remédio, e é pós-graduanda em Fitoterapia. Não contente, é atleta amadora de corrida de aventura, pratica Yoga, medita, pratica MTB, musculação e outros esportes esporadicamente.

A linha de trabalho da Juliana acredita na união entre o bem estar físico e mental. A sinergia entre o que sentimos e aparentamos deve estar sempre linkada a um propósito maior.

Email: [email protected]
Instagram: @julianamaciels