Comportamento Convivendo

Formas simples de manter os rios e praias limpos

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

As praias e os rios proporcionam muita diversão às pessoas durante o verão, e sabemos que, além dos lazeres que ambos proporcionam, eles são essenciais para a vida humana na terra. A água é nitidamente o principal e mais importante recurso do planeta, mas tanto os oceanos quanto a vida marinha estão constantemente ameaçados por conta da falta de cuidados básicos pelos seres humanos.

A poluição é o que mais coloca em perigo os mares e os rios, mas, se você for consciente e pensar em preservar o nosso meio ambiente, existem coisas bem fáceis a fazer para cuidar das nossas águas. Veja 10 dicas supersimples para manter os rios e mares limpos:

Imagem de várias garrafas plásticas contendo água para beber.
Imagem de Willfried Wende por Pixabay

1. Evite o consumo de água em garrafas plásticas

Praticamente todo mundo já comprou uma garrafinha de água, bebeu e a descartou em seguida. Imagine quantas pessoas fazem isso no mundo inteiro! Uma pesquisa feita pela Race for Water no ano de 2015 apontou que cerca de 250 milhões de toneladas de plástico são produzidas por ano, e que 35% desse material é usado apenas uma vez, sendo descartado logo após o consumo. Após o descarte, o mesmo estudo aponta que 10% dos plásticos descartados vão diretamente para o oceano – por mais que seja difícil de acreditar, boa parte desses resíduos é composta por essas garrafinhas de água corriqueiras que ficam por cerca de 15 minutos na sua mão.

Segundo uma pesquisa da Unifesp (Universidade Federal do Estado de São Paulo) realizada em 2013, uma garrafinha plástica demora no mínimo 100 anos para se decompor. Já pensou? A dica para evitar esse tipo de poluição é comprar uma garrafinha que não seja descartável – de aço inoxidável, de preferência. O que você acha? Além de ajudar o meio ambiente, você economiza dinheiro!

2. Pense bem antes de comer frutos do mar

A cada ano que passa, a demanda mundial de peixes cresce, o que faz com que alguns locais de pesca adotem práticas de trabalho insustentáveis. Como a maior preocupação de boa parte dos comerciantes é o dinheiro, algumas medidas desesperadoras são tomadas e afetam diretamente a vida marinha. Toda vez que você for comprar peixe ou frutos do mar, tenha total certeza de que esses animais foram criados ou pescados de maneira responsável e ambientalmente legal.

3. Não descarte medicamentos no vaso sanitário

Muitas pessoas acham que descartar remédios no vaso sanitário é a melhor forma de se desfazer desses produtos. Mas atenção: não é! A rede de esgoto pode em algum momento contaminar a água potável e, por isso, é bem importante que não sejam jogados produtos químicos nessa corrente de água. Quanto menos toxinas estiverem presentes na água, mais simples se torna sua limpeza.

Obs.: os medicamentos vencidos devem ser descartados nas farmácias!

Imagem de várias garrafas de óleo em uma prateleira.
Imagem de Jill Wellington por Pixabay

4. Não descarte óleo de cozinha e produtos de limpeza no ralo

Com certeza você sabe que a água e o óleo não se misturam, certo? Mas você também precisa saber que é muito difícil separar ambos. Se você jogar o óleo de cozinha ou qualquer outro produto químico em um ralo, em algum momento ele vai chegar ao local de abastecimento. Com isso, a água que você mesmo consome diariamente será contaminada – é o mesmo caso dos medicamentos no vaso sanitário.

Quer saber como descartar esses produtos? Leve o óleo de cozinha até um produtor de sabão ou entregue em algum posto de coleta. Produtos químicos também devem ser entregues em postos específicos.

5. Não jogue bitucas de cigarro no chão

Se você pensa que o cigarro prejudica somente os humanos, está muito enganado: qualquer tipo de cigarro também prejudica os oceanos!

Uma pesquisa feita pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em 2017 apontou que cerca de 1,6 bilhão de pessoas no mundo é fumante; segundo a ACT (Autoridade para as Condições de Trabalho), cada pessoa joga em média 7,7 bitucas de cigarro diariamente nas ruas. Ao todo, são aproximadamente 12,3 bilhões de bitucas jogadas no chão todos os dias. Assim como os plásticos, a maioria dessas guimbas chega às praias e ao mar. Os filtros contidos nos cigarros são compostos por inúmeras substâncias tóxicas e químicas que podem matar diversas vidas marinhas e de água doce. Se você for um fumante, a indicação é que pare de fumar. Se não conseguir parar agora, pelo menos jogue as bitucas no lixo, não no chão!

Obs.: apague completamente a bituca antes de jogá-la no lixo. Você pode descartá-la em uma bituqueira, em pontos coletores ou no lixo comum!

6. Comece a reciclar

Muitos pensam que só os “naturebas” de plantão reciclam, mas, na verdade, só os que se preocupam com o meio ambiente em que vivem e no qual seus filhos viverão adotam a reciclagem como modo de vida. Se você separar o seu próprio lixo, incentivar um amigo a fazer isso também e a partir do “boca a boca” influenciar outras pessoas a fazerem o mesmo, uma menor quantidade de matéria-prima será necessária para que as pessoas tenham alguns itens de consumo essencial.

Saiba que não é preciso muito esforço para reciclar, é bem simples: você separa o lixo seco do orgânico, óleo, produtos químicos, madeiras, metais e outros materiais e leva até um posto de coleta. Se existe coleta seletiva na rua onde você mora, sinalize os sacos para que os trabalhadores possam separar o seu lixo com mais facilidade!

Imagem de um trânsito de carros em uma cidade europeia.
Imagem de jwvein por Pixabay

7. Não ande tanto de carro

Um estudo chamado “Oceanic Sinks for Atmospheric CO2”, publicado no ano de 2002, aponta que de 25% a 30% do CO2 gerado pelos humanos é absorvido pelos oceanos. E não é simples assim! Essa absorção causa grandes danos, pois ocorre um fenômeno chamado “acidificação” das águas, que prejudica e põe em risco diversas espécies marinhas. Para reduzir esse fenômeno nos oceanos, devemos fazer o que já fazemos (assim esperamos) para reduzir as mudanças de clima: é preciso diminuir a emissão de dióxido de carbono.

Para diminuir essa emissão que polui tanto as nossas águas, você pode trocar o carro por bicicleta ou usar o transporte público da sua cidade. Não que seja necessário eliminar o carro da sua vida, mas, diminuindo o uso dele, você já contribuirá para a preservação dos oceanos. Além disso, reduzir o consumo de energia também é uma forma de emitir menos CO2.

8. Elimine os canudos plásticos da sua vida

Você já deve ter ouvido falar, seja nos jornais ou na televisão, que os animais mais afetados pelo consumo de canudos plásticos são as tartarugas marinhas. De acordo com uma pesquisa publicada pelo Global Change Biology no ano de 2015, cerca de 50% desses seres vivos morrem por ingerir algum tipo de lixo; em média, 90% do lixo que flutua neste exato momento nos oceanos é feito de plástico (lembre-se da garrafinha de água que você compra todos os dias e joga fora em seguida).

Em 2016, o Fórum Econômico Mundial de Davos afirmou que, se os humanos não diminuírem o consumo e, consecutivamente, o descarte de itens descartáveis, até o ano de 2050 os oceanos terão mais plástico do que peixes. Já pensou? E tem mais: é bem provável que 99% das aves marinhas também sejam prejudicadas por esse material, assim como as tartarugas.

A única dica é: seja consciente a respeito do uso do plástico! Prefira canudos reutilizáveis!

9. Atente-se aos produtos que você consume

Os microplásticos de determinados materiais podem chegar aos oceanos pelo esgoto, como por meio de alguns produtos de higiene e pasta de dente, por exemplo – assim como o famoso glíter. Não é impossível retirá-los das águas, mas uma pesquisa publicada em 2015 por alguns pesquisadores do Imperial College London, em conjunto com diversos peritos da Austrália, dos EUA, da Nova Zelândia e de outros países, afirma que existam entre 15 e 51 trilhões de partículas nocivas de microplástico atualmente nos mares. Sabe o que isso significa? Que esses produtos colocam em risco tanto os animais quanto os humanos, pois quando, por exemplo, um peixe ingere algo, o ser humano se alimenta do peixe e automaticamente consome o próprio lixo.

Para evitar tais danos, você pode prestar atenção na hora de comprar alguns produtos. Ao pegar a embalagem de algo que deseja, veja se a composição contém polietileno, polipropileno, metacrilato de polimetilo ou tereftalato de polietileno. Se houver, não compre de forma alguma!

Imagem de um garoto loiro andandoo em uma rua. Ele carrega em seu colo um filhote de um cachorro na cor bege claro.
Imagem de Helena Sushitskaya por Pixabay

10. Cuide corretamente do seu pet

Grande parte da população tem um animal doméstico, e não há problemas nisso! Mas, por conta disso, provavelmente você já causou algum mal aos oceanos e ainda não sabe. Se você tem um gato, saiba que diversos resíduos contidos nas caixas de areia são extremamente poluentes para a vida marinha. Por isso, não jogue a areia no vaso sanitário, pois, como você já sabe, esses resíduos chegam até a rede de abastecimento e, em seguida, vão para os rios e mares.

Descarte esse lixo de forma consciente, colocando-o em um saquinho. Na hora de comprar a ração, atente-se aos ingredientes e procure saber se a produção é feita com responsabilidade.

Você também pode gostar

Quer mais algumas dicas simples e caseiras para cuidar dos nossos oceanos? Atente-se:

– Evite o uso de pesticidas nas suas plantas;
– Amarre bem as sacolas plásticas com lixo antes de descartá-las;
– Não jogue nenhum plástico nos mares;
– Ao visitar praias ou rios, faça um mutirão de limpeza e recolha todos os lixos que puder;
– Use produtos biodegradáveis para a limpeza da casa;
– Não desperdice água;
– Incentive um amigo a cuidar do planeta.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]