Saúde Integral

Saiba por que comer alimentos orgânicos não é frescura

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Entre tanto avanço medicinal, tecnológico e de informação, infelizmente vejo um retrocesso em algumas áreas da nossa rotina, principalmente na alimentação. Por vivermos sempre tão atarefados e com uma vida pouco regrada, acabamos muitas vezes optando pelo prático e consumimos muita comida industrializada e qualquer coisa que conseguirmos fazer rapidamente ou já vier pronta. O problema é que, ao longo dos dias, isso vai nos deixando mais fracos, obesos e até mesmo doentes. A maioria das pessoas atribui isso ao estresse e à correria, mas dificilmente relacionam à alimentação.

Seríamos muito mais saudáveis se descascássemos mais do que desembrulhamos, ou seja, aumentássemos o consumo de frutas, verduras, legumes e grãos e diminuíssemos ao máximo os produtos industrializados. Indo além ainda, teríamos uma vida de uma qualidade gigantescamente melhor se além destas mudanças optássemos pelos alimentos orgânicos. Afinal, infelizmente, também partindo desse avanço nas outras áreas, os produtores muitas vezes precisam de quantidade de venda, de rapidez no crescimento e de manter seus produtos bem longe de pragas, o que os fazem colocar toneladas de agrotóxicos nos produtos. Quando comemos estes alimentos, os agrotóxicos, pesticidas e todas as toxinas passam automaticamente para o nosso organismo. Se você consome diversos produtos in natura, mas ainda não sente diferença na sua qualidade de vida, talvez esta seja a sua resposta.

Infelizmente, muitos ainda consideram os alimentos orgânicos um luxo ou uma frescura de quem pode pagar pelos preços que eles custam. Para quebrar esta ideia errônea, uma cadeia sueca de supermercados chamada Coop convidou uma família que partia deste princípio a ficar duas semanas se alimentando apenas de alimentos orgânicos. O resultado foi uma queda drástica de toxinas no organismo, aumento de energia e até mesmo redução do peso de alguns dos membros da família. Veja o resultado:

Além destes benefícios, saiba que os alimentos orgânicos, apesar de serem realmente um pouco mais caros que os demais, trazem uma gama de benefícios que, sem dúvida, será maior que o valor gasto: são mais nutritivos, mais saborosos, evitam problemas de saúde e ainda contribuem com o meio ambiente, pois também protegem o solo no qual são cultivados, proporcionando um número muito maior de colheitas. Também é uma forma de ajudar os pequenos agricultores e manter uma relação mais direta com o comprador, já que os intermediários tendem a ser cortados neste tipo de agricultura. Vale dizer também que o preço mais alto tem um motivo: são feitos com mais cuidado e em menor escala, o que diminui o lucro ao produtor. É o mesmo princípio de qualquer peça de moda exclusiva, fazendo um paralelo.

Existem formas de adotar a alimentação orgânica de forma gradativa e sem sentir muita diferença no bolso. Assim como em qualquer outro tipo de alimento, os orgânicos também tendem a ter variações de preço. Então, pesquise sempre, abuse das promoções e dê preferência aos produtos da época. Vale também pesquisar locais específicos para as compras. Hoje temos sites e feiras especializadas em produtos orgânicos que, por terem mais procura, conseguem oferecer preços mais atrativos.

Ter uma minihorta na sua casa também é uma opção. De acordo com o espaço que tiver, comece a produzir seus próprios alimentos e sempre separe um tempo do dia para fazer ao menos uma das refeições apenas com produtos frescos. Garanto que é satisfação plena, de seu paladar e da sua saúde!


Escrito por Roberta Lopes da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]