Autoconhecimento Meditação Saúde Integral

Yoga conduz ao autoconhecimento em cima ou fora do tapetinho

Pessoa meditando com tapetes de yoga dobrados na frente
traitov / Getty Images Pro / Canva
Escrito por Ale Fiori

Aprender com as experiências do cotidiano, dar atenção ao que realmente importa, praticar a empatia e a tolerância. Ademais, podemos classificar algumas atitudes no nosso dia a dia com o yoga. Sim, não é apenas a prática em cima do tapetinho, mas ações que nos tragam clareza e discernimento para alterar hábitos e até a visão do mundo.

Se levarmos a filosofia do yoga para a nossa rotina, vamos realizar essa prática milenar que busca equilibrar o corpo e a mente, cultivando virtudes relacionadas à paciência e à estabilidade. Esse é o processo de autoconhecimento.

Sobre o tapetinho, o processo é ainda mais profundo, centrado em sua respiração, percebendo como você respira, o que você ouve ou pensa enquanto respira, como seu corpo se move, onde você tem mais dificuldade ou facilidade e como sua energia flui. Quando algumas posturas são mais difíceis, elas mostram onde precisamos evoluir. Eu, por exemplo, tenho dificuldade com as posturas invertidas, o que me revelou o hábito de querer estar sempre no controle.

Pessoa desenrolando o tapete de yoga
Monoliza21 / Getty Images Pro / Canva

Ao virarmos de cabeça para baixo, nossa visão do mundo é completamente desfeita. Não sabemos onde é o lado direito ou o lado esquerdo, tudo muda, e precisamos nos adaptar. Há relatos de alunos que têm dificuldades com torções, o que revela também uma forma de ver as situações de outro ângulo. Há ainda alunos que sentem raiva ao fluir numa sequência de Vinyasa ou se inquietam quando precisam apenas relaxar em shavásana, a postura do cadáver no final da aula, comportamentos que desconhecíamos e até a nós mesmos.

O yoga mexe com o corpo, com a mente e com o espírito e é uma prática em que devemos encontrar ferramentas para controlar aquilo que nos incomoda no caminho da paz e da felicidade. Yoga não cura, mas nos ajuda a identificar o que precisamos desapegar, as qualidades que devemos cultivar, os defeitos que devemos aceitar e dificuldades que buscamos melhorar no longo caminho.

Você também pode gostar

É nosso autoestudo. Não é preciso decidir se deve seguir a filosofia dual ou não dual, se é vedanta ou tantra, novo ou tradicional… vá além disso: sinta o yoga em sua vida. Ao abrir os olhos, identifique seus padrões mentais e, aos poucos, tente se afastar dos hábitos que geram ansiedade, raiva e tristeza. Em cima ou fora do tapetinho, torne-se o agente de sua própria transformação, sem cobranças, apenas flua com a sua respiração.

Sobre o autor

Ale Fiori

Sou jornalista e instrutora de Yoga Integrativo (prática que aplica diferentes técnicas do Yoga, de acordo com as necessidades do aluno). Praticante de Vinyasa Yoga Flow, vejo na fluidez do movimento com a respiração o caminho principal para o autoconhecimento do corpo e da mente. Desde 2017, mantenho o canal “Yoga com Ale Fiori” no YouTube, com sequências terapêuticas e práticas rápidas para o dia a dia dos iniciantes. Também produzi uma série de relaxamentos e meditações guiadas no SoundCloud, inicialmente para os alunos do curso de Yogaterapia para Estresse e Ansiedade, no qual indicamos caminhos e ferramentas para o controle de situações aflitivas na rotina diária. Mantenho turmas online e presenciais em Brasília (DF). Lembro sempre que o Yoga não cura, mas ajuda a nos conhecer melhor, a lidar com as adversidades, a identificar o que devemos desapegar e quais são nossas qualidades que devemos cultivar.

Contatos:
Email: alefiori@gmail.com
Facebook: yogacomalefiori
Instagram: @alefiori.yoga
Youtube: Yoga com Ale Fiori
Site: satvikayoga.blogspot.com l soundcloud.com/alefioriyoga
Telegram: t.me/alefioriyoga