Arteterapia Saúde Integral

Então é Natal! Momento de luz e gratidão pelo renascimento de uma nova oportunidade de vida!

Celso de Godoy Junior

Com o início desta oficina terapêutica, buscamos resgatar as principais superações, aprendizagens e conquistas que cada pessoa adquiriu ao longo deste ano. Também ressaltando o grande apoio que a Arteterapia lhes beneficiou com o despertar do seu equilíbrio, amor-próprio e a infinita riqueza sentimental, as quais, quando acessadas, ajudaram no desbravar das suas experiências e desafios semanais, com ações de atenção, compreensão e paz a outras pessoas do seu convívio […].

Em seguida, fizemos a leitura do Mito de Eros e Psique.

Esta história relata a expressão do Amor de uma Mortal “Psique” e o Deus do Amor “Eros”.

Contarei o resumo desta linda história. Na Grécia antiga, Psique era uma mulher muito bonita, porém nenhum homem mortal despertava sua atração amorosa. Por toda esta fama que gerava nas pessoas, era cultuada como uma nova Deusa.

Porém, quando a Deusa Afrodite soube disso, ficou inconformada e com muita raiva, mandando o seu filho Eros torná-la eternamente infeliz.

“Arteterapia lhes beneficiou com o despertar do seu equilíbrio, amor-próprio e a infinita riqueza sentimental”

Assim, ele a obedeceu e foi atrás de Psique.

Chegando à casa dela, a encontrou dormindo na cama. Com isso, antes de jogar o feitiço da sua Mãe, ficou observando aquela mulher de corpo, rosto e alma tão lindos e atraentes e, num descuido, por tanto admirá-la, apaixonou-se perdidamente por ela.

Dessa forma, a levou até o seu palácio como sua esposa, sob a condição de que ela mantivesse os olhos vendados sem jamais ver seu rosto. Assim, Psique só se relacionava com Eros no escuro. Na claridade do Sol, ele se ausentava.

Assim, eles vivenciaram maravilhosos momentos de amor e desejos tão profundos.

Porém, quando Afrodite soube do ocorrido, ficou indignada pelo fato do seu filho ousar amar Psique, obrigando-o imediatamente a esquecê-la.

Não vendo outra saída, ele parte, deixando Psique desnorteada e infeliz.

A jovem, não vendo mais saída para sua situação e depois de procurar por Eros por todas as cidades, resolveu ir até o palácio da deusa para saber o que deveria fazer, a fim de reconquistar novamente o seu amor.

Afrodite a recebeu de maneira grosseira, a maltratando e querendo destruir sua beleza, impôs à jovem quatro tarefas, desafios impossíveis de serem realizados.

Porém, como Psique era forte e seu Amor por Eros era verdadeiro, ela aceitou e dedicou-se incessantemente a fazer cada desafio imposto por Afrodite.

Entretanto, por mais que se dedicasse, não conseguia terminá-los e, por inúmeras vezes, desmaiava de tanto cansaço e desilusão.

Contudo, nas vezes que se encontrava neste estado, chegavam insetos e forças da natureza para ajudá-la a terminar cada tarefa.

Psique sempre foi muito admirada por todos que estavam ao seu redor, pois, além da sua beleza, sempre cuidou muito bem da natureza, dos animais e das pessoas quando precisavam da sua ajuda. Assim, toda esta sua dignidade se transformou em bem a si própria.

“Psique sempre foi muito admirada por todos que estavam ao seu redor, pois, além da sua beleza, sempre cuidou muito bem da natureza, dos animais e das pessoas”

Após ter conseguido terminar o último desafio, ela se reencontrou com o seu Amado Eros e ele a levou até “Zeus”, o Pai dos Deuses, que reconheceu que o seu Amor era verdadeiro e aprovou o seu casamento com Eros, transformando-a em uma Deusa.

Assim, finalmente, tudo se resolveu: Eros e Psique, ou seja, o Amor e a Alma – permaneceram juntos por toda a eternidade e tiveram um lindo filho chamado “Prazer”.

Com o término da história, nos organizamos para construir uma bandeira brasileira, símbolo de estado de brilhantismo pessoal e busca da união com os seus entes queridos.

Dessa forma, depois que recortaram o retângulo verde, o losango amarelo e o círculo azul com o arco branco, cada uma tirou o molde das suas mãos em cartolina, representando:

Na mão esquerda, escreveram o que desejam conquistar em suas novas oportunidades de vida.

E, na mão direita, o que podem fazer para que isso aconteça.

Nesses instantes, o ambiente ficou repleto de equilíbrio, onde cada participante se concentrou e buscou elevar profundamente a sua atenção em sua vida, em sua saúde, em seu amor, seus familiares e desejos afetivos que tanto buscam almejar.

Por exemplo, buscando o fortalecimento da sua fé/paz familiar, esperança/meditação, doação de amor/atenção, conversa/passeios e o resgate de momentos e experiências que unam os seus familiares, assim como a troca dos seus sentimentos amorosos.

Em seguida, fizeram a confecção de vários origamis de estrelas, nomeando-as com desejos de proteção em sua jornada, aos novos caminhos e conquistas a serem realizados futuramente.

Terminados estes trabalhos artísticos, nos organizamos e montamos detalhadamente e com grande convicção cada parte, sonho a se realizar na formação deste símbolo, bandeira de amor, respeito e união fraternal.

Acompanhem nas fotos a maravilhosa Arte que construímos entre papéis, cores, luzes e muitas pitadas de afeto e acolhimento à vida.

Para finalizar este encontro, nos acomodamos nos assentos e fizemos uma relaxante e iluminada meditação.

De olhos fechados e concentrados na purificação e no fortalecimento da respiração, buscamos nos atentar aos valores e às reflexões deste lindo pensamento:

Chorei e sorri

Chorei quando me lembrei das crianças desamparadas e que passam fome na África.

Sorri ao saber que existem tantas pessoas que arriscam a própria vida para ajudá-las.

Chorei ao ver muitos terem coragem de abandonar um animal.

Sorri quando soube que há pessoas de bom coração e que os adotam.

Chorei quando vi uma mulher espancando uma criança.

Sorri e apreciei uma mãe educar o seu filho.

Chorei quando vi um menino usando um estilingue.

Sorri ao saber que alguém deu um prato de comida a quem tinha fome.

Chorei ao ver irmãos e parentes brigando.

Sorri ao ver alguém lhes dando atenção e compreensão.

Marilene Grabler

A vida é feita de escolhas que podem te fazer sorrir ou chorar. Acredite na vida, acredite na escolha do amor. E tenha a certeza de que, com ele, o hoje será iluminado e tudo em seu devido tempo vai melhorar.


Referências Bibliográficas

BERNARDO, P. P. A prática da arteterapia – correlações entre temas e recursos. Vol I: Temas centrais em Arteterapia. São Paulo: Ed. do Autor, 2008.

CURY, A. Nunca desista de seus sonhos. Rio de Janeiro. Sextante, 2015.

SARAIVA, A. 25 verbos para construir sua vida. São Paulo. Planeta Brasil, 2016.

Sobre o autor

Celso de Godoy Junior

Celso de Godoy Junior

Atua há mais de seis anos nas áreas da Educação, Escritor e Terapeuta com foco em práticas resignificativas ao resgate da qualidade de vida pessoal, familiar, profissional e social. Além disso, também trabalha desde o início do ano de 2017, como Professor de Graduação de Pedagogia e Pós em Arteterapia e Psicopedagogia.

Paralelo as suas inúmeras experiências socialmente e em Escolas do Estado, Município e os múltiplos conflitos dos alunos, a falta de interesse nos estudos, desrespeito aos professores e demais desmotivações entre ambas as partes, realiza desde meados de 2018, um Projeto com Palestras Educacionais a Instituições do Ensino Básico, Superior e Empresas. Orientando cada professor, cuidadores e funcionários do meio corporativo, a maior conscientização em suas reações e ações positivas, capacitando-os sucessivamente para lidar com emoções perturbadoras, conseguirem manter relacionamentos saudáveis e resultados globais em suas experiências de vida.

Telefone e WhatsApp: 11 99604-7018
Facebook: Celso G. Jr
E-mail: [email protected]

Ateliê terapêutico: em Bragança Paulista-SP