Linguagem do Corpo Saúde Integral

O que a meditação pode trazer para o seu corpo

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Que a meditação é benéfica à saúde muitos de nós já sabemos ou imaginamos. Mas, você sabe do que ela é realmente capaz?

Você sabia que, muitas vezes, o descanso da mente proporcionado pela meditação é maior e mais benéfico do que o sono profundo? A meditação, por si só, faz a limpeza da mente e a calmaria da alma. Em seu livro, Cristina Cairo afirma os benefícios da meditação e nos faz entender que a prática da mesma pode nos fazer alcançar um estado de espírito desejado por todos nós humanos; a paz.

Meditação segundo Cristina Cairo

“A Bíblia diz: “Fique em silêncio, sinta a Minha presença e saiba que eu sou Deus.” Somente através da meditação é que conseguiremos alcançar esse estado de espírito.

Fisicamente somos uma ínfima partícula do Universo, porém possuímos em nosso ser a totalidade e a unidade com a força da natureza, cuja realidade ultrapassa nossas próprias crenças. Nossa cultura nos impôs limites roubando-nos, teoricamente, o direito de conhecermos mais sobre nós mesmos, levando-nos a acreditar que viemos do pó e ao pó voltaremos.

Tudo o que aprendemos sobre a vida, até hoje, não nos permitiu compreender e solucionar determinados problemas que nos trazem tanta infelicidade.

O homem, na eterna busca da verdade, criou, ao longo do tempo, um número incalculável de religiões, seitas e filosofias apoiadas, basicamente, nos mesmos conhecimentos, porém, adaptadas ao sabor e interesses peculiares das novas gerações. Até guitarras e outros instrumentos musicais fazem parte dos cultos religiosos. E há os que confundem a Sutra do Lótus com a sutra desenvolvida por algum monge ou mestre. Outros glorificam os deuses da natureza, evocando seus poderes.

Mas o quanto isso tudo ajuda alguém em sua iluminação depende exclusivamente da dedicação do discípulo e não da orientação dos dogmas criados por aqueles que acreditam ser os verdadeiros donos da Verdade Divina.

Durante meus estudos e pesquisas sobre seitas, religiões, filosofias e psicologia, pude observar o pouco interesse que há sobre o autoconhecimento, assunto raramente abordado.

As pessoas, céticas quanto aos resultados do autoconhecimento, se limitam a responder com evasivas quando questionadas: “talvez”, “é possível”, “é coisa do destino”, “é missão”, “é carma”, “é conflito entre o id e o superego“, etc.

Com essas respostas convencionais o indivíduo simplesmente está revelando o seu total desconhecimento de que o pensamento gera emoção, que gera o comportamento, que gera a felicidade ou o infortúnio.

Daí, a pergunta: por que as técnicas do autoconhecimento não são ensinadas com profundidade?

Porque, como já citei, a nossa própria cultura nos leva a ter uma compreensão estreita da meditação, com explicações vagas e às vezes demasiadamente complexas.

Quando alguém se propõe a tornar clara essa questão, imediatamente um exército de opositores aparece com o propósito de derrubar as teses apresentadas.

E o mais constrangedor disso é a certeza de que esses mesmos opositores agem dessa forma baseados apenas em leituras e meditações superficiais, sem jamais terem obtido, uma única vez, os resultados benéficos que a meditação proporciona, não só no plano físico como no mental.

Enquanto o homem ocidental é imediatista, e muitas vezes até comodista, julgando Deus pelo bem e pelo mal que há na terra, o oriental, pacientemente, analisa as causas e os efeitos físicos e espirituais. Sabe que Deus não é o responsável pelos fenômenos e sim o homem, que julga a tudo e a todos a seu modo.

Na Bíblia está escrito: “Ao Filho confiou todo o julgamento”. Encontramos também, de Jesus, o seguinte: “Não julgueis porque com o juízo com que julgardes, sereis julgado”. O bem e o mal são, na verdade, gerados pelos nossos pensamentos, palavras e ações.

Por mais que preguem em nossos ouvidos, estamos sempre em busca de respostas e vivendo insatisfeitos com nossos conhecimentos.

É claro que existem pessoas satisfeitas com suas religiões, mas com certeza é porque são dedicadas em seus credos e, por isso, geram para si um destino feliz. Entretanto, tudo aquilo que não sabem explicar sobre o mundo ou sobre as doenças, logo atribuem aos desígnios de Deus e acreditam que os problemas surgem apenas para a elevação da alma.

Sem dúvida, toda dificuldade que atravessamos nos faz crescer espiritualmente e compreender melhor a vida, sem que isso signifique que tais sofrimentos sejam enviados por Deus.

Daí a importância de as pessoas, independentemente de suas crenças, se dedicarem aos estudos do autoconhecimento.

Descobririam que Deus apenas realiza o que o homem semeia com seus pensamentos e palavras, sendo as ações a consequência de um espírito indisciplinado ou não.

Quando se tem realmente fé e se comporta conforme os princípios de seu dogma ou religião, sua vida tende a melhorar, mas mesmo assim continua na ignorância por não perceber que foi diretamente responsável pelas graças recebidas.

O homem que não exercita a meditação não encontra as respostas que tanto procura, o que o leva a atribuir culpas e responsabilidades a terceiros, simplesmente por desconhecer seu próprio poder interior, isto é, o poder de um verdadeiro filho de Deus… ou da lei cósmica.

Ao praticar a meditação, todo o conhecimento obtido até então torna-se pequeno e a verdadeira sabedoria do Universo começa a fluir gerando sensações que somente serão conhecidas por quem a pratica. Os grandes avatares meditavam buscando seus conhecimentos também através do Cosmo. Sabiam que a humanidade necessitava ouvir o que eles sabiam, mas o homem que não meditava não compreendia o que eles diziam.

Enquanto o ser humano não se dedicar à meditação, não conseguirá praticar a sabedoria dos mestres. Qualquer ensinamento acaba se tornando incompreensível, utópico, com teorias impraticáveis para o seu cotidiano e por captar informações superficiais através da razão.

shutterstock_246299698-2

Meditar é mergulhar em seu espírito, rejeitando, por alguns instantes, a sua própria razão. É tranquilizar os pensamentos e o coração até desapegar-se da terra e de seu próprio corpo. O cérebro passa a trabalhar em várias frequências, sendo a primeira etapa conhecida como alfa – a primeira letra grega -, que representa, também, o Princípio: Deus é o alfa e o ômega de todas as coisas. Significa, especialmente, mente serena, livre de apegos, quando determinadas glândulas passam a atuar como catalisadoras de energias sutis.

Uma dessas glândulas, ativadas durante a meditação ou oração, é a glândula pineal (corpúsculo oval, do tamanho de uma ervilha, situado no mesencéfalo), que tem funções secretórias e sensoriais.

A pineal é responsável, também, pelas percepções e sensações mais elevadas e intuitivas do ser humano. A pineal é controlada pelo pensamento.

Ao participar do I Congresso Brasileiro de Medicina Complementar e do IV Congresso Brasileiro de Medicina Biomolecular, realizados nos dias 23, 24 e 25 de novembro de 2000, no Hilton Hotel, em São Paulo, quando tive a honra de proferir uma palestra sobre a linguagem do corpo, pude constatar, com alegria, a posição que os médicos – da medicina convencional – vêm adotando no sentido de resgatar o conhecimento holístico, aplicando-o em suas áreas de trabalho, tanto no que diz respeito à saúde física, quanto à mental.

É importante ressaltar o que afirma o professor doutor Sérgio Felipe de Oliveira, catedrático com cadeira em Neurologia, sobre a glândula pineal: “As funções da glândula pineal não são meramente um mito, mas responsáveis pela percepção de outras dimensões”, explica.

Ensina o doutor Sérgio Felipe de Oliveira que o sistema nervoso controla a pineal, mas é através do ectoplasma (forças sutis) que é realizado um link entre mitocôndrias e pineal, dando energia ao corpo. Explica, também, que é através dessa glândula que se produzem os transes de possessão, as alucinações, as percepções extra-sensoriais e a elevação da alma durante uma meditação.

Acrescenta a redescoberta de que “há comunicação entre a pineal e mundos sutis, e aos estados alterados psicológicos (transe) e a fenômenos não-materiais”.

Por tudo isso, podemos constatar que estamos no limiar da Verdade Única, quando a ciência e a religião provarão, juntas, a existência de nossa força mental e que o pensamento é uma energia vibratória que, por isso, devemos aprender a direcioná-lo corretamente, através de conhecimentos das leis universais, abolidas, há muito, de nossa educação.

Quanto mais nos aprofundarmos em nós mesmos, seja através do silêncio, da oração ou da meditação, mais romperemos a parede da consciência materialista que nos impede de entender as razões de nossa existência neste planeta.

Para meditar não há necessidade de fazer parte de uma seita ou religião, pois o ato de sublimar os pensamentos nunca foi propriedade de nenhuma doutrina específica. É uma atitude natural e intuitiva, de busca interna para a evolução e compreensão de si mesmo.

Portanto, caro leitor, se você pretende conhecer mais profundamente e aplicar os diversos métodos de meditação em sua casa, vai encontrar, ao final deste volume, indicações de várias escolas de Yoga, relaxamento, etc.

Se você já é praticante, parabéns! Continue se dedicando cada vez mais para o aperfeiçoamento de sua própria técnica até atingir a verdadeira iluminação.

Acredite! Sakiamuni não era budista. Ele sintetizou todo o seu conhecimento e encontrou o equilíbrio com o próprio esforço, até tornar-se Buda. Meditar não significa fugir do mundo e de todos os problemas que nos atingem. Não é desfazer-se de seus bens materiais vivendo como um asceta.

Meditar significa abrir as portas da sabedoria e aplicá-la em sua vida, promovendo mudanças em seu ambiente, em seu corpo e em sua saúde, entendendo que todos os problemas são projeções de uma mente desinformada quanto à lei natural de causa e efeito.

Quando alguém abandona seus bens materiais e passa a viver uma vida contemplativa, ou dedicar-se, exclusivamente, a trabalhos filantrópicos, das duas uma: ou desistiu de lutar neste mundo competitivo, fugindo inconscientemente das frustrações, ou realmente alcançou um grau de evolução em alto nível a ponto de transformar seus valores.

A paz de espírito e a tranquilidade dos pensamentos elevados modelam o nosso corpo e nos tornam saudáveis e jovens.

Eis porque a meditação deveria fazer parte dos nossos hábitos diários e não apenas uma opção de atividade desportiva”.

imagem 3

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]