Autoconhecimento

Os 8 principais gatilhos de depressão entre os jovens

Garota triste usando blusa vermelha
Tima Miroshnichenko / Pexels
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Você já deve ter ouvido que a depressão é o mal do século, mas a forma como isso afeta a nossa sociedade de maneira prática às vezes é desconhecida. Entre os grupos que mais sofrem com essa doença, estão os jovens, que vivem o auge dessa nossa sociedade acelerada e, muitas vezes, cruel.

Para se ter uma ideia do alcance dessa doença, uma pesquisa da Universidade de Calgary (Canadá), publicada em 2021, mostrou que 1 em cada 5 jovens tem experimentado sintomas de ansiedade clinicamente elevados, enquanto 1 em cada 4 tem passado por sintomas de depressão clinicamente elevados.

Se 25% dos jovens da nossa sociedade sofrem com depressão, entender as causas dessa doença é essencial para que encontremos uma ou mais soluções. Dessa forma, preparamos este artigo com 8 gatilhos de depressão em jovens, para que você possa ajudar caso conheça algum jovem.

1. Isolamento

Uma pesquisa publicada no “The Journal of Clinical Psychiatric” em 2018 mostrou que jovens entre os 20 e 29 anos foram os que mais afirmavam sofrer com a solidão durante seu dia a dia, superando todas as faixas etárias até os 90 anos de idade.

Uma das pesquisadoras afirmou que isso geralmente acontece porque os jovens dessa faixa etária precisam conciliar momentos de muito estresse e pressões, incluindo estabelecer uma carreira, encontrar um parceiro romântico, manter-se conectado às redes sociais, e por aí vai, o que acentua a sensação de estar sozinho e pode causar a depressão.

Jovem sozinha em um vestiário. Fotografia em preto e branco.
Tima Miroshnichenko / Pexels

2. Ansiedade com a carreira

Se você é jovem, sabe muito bem do que estamos falando, mas se a sua juventude já ficou para trás, você certamente consegue se lembrar dos momentos de angústia quando pensava com o que ia trabalhar e o que ia fazer da sua vida.

Estabelecer uma carreira e ter estabilidade profissional e financeira são conquistas que vêm acontecendo de maneira cada vez mais tardia. Se nas gerações anteriores, aos 30 anos um jovem já estava casado, com filhos, com uma carreira estável e um imóvel em seu nome, hoje as coisas são muito mais incertas do que isso.

3. ecessidade de aceitação

Jovens querem participar de grupos, querem ser notados, ser aceitos, ser admirados. E isso tudo pode se tornar uma bola de neve bastante angustiante quando os jovens não conseguem perceber o valor que têm, a não ser que esse valor seja afirmado por alguém “de fora”.

Quatro amigas reunidas tirando  uma selfie
Hannah Nelson / Pexels

Isso é algo pelo qual quase todos os jovens passam, até mesmo aqueles que são mais “populares”. Apesar de parecer secundário, pode estimular sentimentos como tristeza, desilusão, baixa autoestima, entre muitos outros.

4. Problemas de autoestima

Na era dos corpos perfeitos dos digitais influencers e dos mil e um especialistas de comentários de redes sociais, a autoestima é uma das mais afetadas na vida dos jovens, que estão constantemente se comparando e encontrando insatisfações em suas vidas, especialmente por causa do próximo tópico: o uso de redes sociais.

5. Uso de redes sociais

Os jovens dessa geração estão precisando enfrentar um desafio que não foi enfrentando por nenhuma geração anterior: o uso de redes sociais 24h por dia, em que há informação e estímulos sem fim, gerando, muitas vezes, comparações, insatisfações e ansiedade.

A verdade é que há muitas maneiras de lidar de maneira saudável com as redes sociais (e é claro que é possível também não estar nelas), então cada jovem deveria encontrar a melhor maneira de usá-las, mas, infelizmente, o que vemos é que muitos ainda a usam de maneira tóxica e irresponsável, o que pode ser gatilho para problemas de autoestima, aceitação, entre muitos outros.

Tela de um celular com ícones de redes sociais.
Tima Miroshnichenko / Pexels

6. Rotinas desequilibradas

Rotinas de trabalho cansativas, mais de um emprego, estudo, vida social, necessidade de encontrar um parceiro, vida familiar, necessidade de estabilidade financeira são algumas das inúmeras preocupações com as quais os jovens convivem de uma vez só. Dessa forma, manter o foco pode ser um desafio praticamente impossível.

Com tanta coisa acontecendo e precisando ser resolvida ao mesmo tempo, a rotina dos jovens do século XXI pode ficar bastante desequilibrada. E sabemos que sedentarismo, baixa qualidade do sono e pouco tempo de lazer são alguns dos principais causadores de depressão.

7. Problemas amorosos

Relacionamentos que acabam frustrados, paixões e desejos não correspondidos, traições e, atualmente, os crushes. Entre os 15 e os 35 anos, vivemos isso tudo da maneira mais intensa possível, muitas vezes sem nem mesmo termos tempo suficiente para digerir o que está acontecendo.

Então, a verdade é que as frustrações da vida amorosa podem causar muitos problemas psicológicos e emocionais nos jovens, que, como dissemos, já sofrem com um acúmulo enorme de responsabilidades e preocupações em outras esferas da vida.

8. Falta de autoconhecimento

Aquele que conhece suas vontades, sua personalidade, seus desejos e seus sonhos consegue viver uma vida mais harmoniosa e equilibrada, porque, ao menos, tem alguma noção de quem é, do que faz mal e do que é preciso fazer para conseguir conquistar o que deseja. Por isso muitos jovens sofrem, ou seja, por não estimularem sua busca por autoconhecimento.

Quando incentivamos nossa busca por autoconhecimento, estamos nos amando e cuidando de nós mesmos, para que possamos entender quem somos, o que nos faz bem e qual seria a melhor forma de viver. Por isso a importância de práticas como terapia e tempo de reflexão consigo mesmo.

Você também pode gostar

Nunca foi tão difícil ser jovem no mundo quanto tem sido atualmente nesses tempos em que as responsabilidades, as frustrações, as velocidades e as tarefas se acumulam e exigem respostas imediatas de pessoas ainda tão imaturas e que estão apenas começando a vida. Entender os gatilhos de depressão entre os jovens é essencial para ajudá-los ou para se ajudar.

ATENÇÃO: Se você desconfia que está com depressão, marque uma consulta com um psiquiatra ou procure auxílio psicológico. Essa doença tem cura e, em breve, você estará bem!

Quer fazer uma consulta online?

Está procurando por auxílio profissional? Encontre psicólogos on-line na Terapize!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br