Alimentação consciente Nutrição

Preserve seu cérebro evitando alguns alimentos

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
A frase “você é o que come” tornou se praticamente um slogan entre os defensores da boa saúde e qualidade de vida. E, realmente, a alimentação é o que determina o nosso desenvolvimento físico, além de mental, e deve ser levada tão a sério quanto qualquer compromisso pessoal ou profissional que você tenha.

Comer não pode ser encarado apenas como um meio de matar a fome.
O que comemos é de extrema importância para a manutenção de nossa saúde. Engana-se quem acredita que apenas o corpo sofre com agressões severas em caso de má alimentação e que o simples fato de colocar exercícios na rotina já é o suficiente para ficar tranquilo. Na verdade, existem certos alimentos que podem resultar em danos sérios ao nosso cérebro. Portanto, é necessário equilíbrio com aquilo que mandamos pra dentro, para assim ajudarmos na prevenção de doenças e transtornos psicológicos. Veja quais alimentos evitar para que a massa cinzenta funcione melhor.

Cuidado com o abuso de álcool

Quando se fala em bebida alcoólica e quais estragos ela causa no organismo, lembramos imediatamente do fígado, que é quem se encarrega de metabolizar o líquido até que ele seja eliminado com a ajuda de outros órgãos. Porém, as consequências do álcool no cérebro são inconfortáveis e podem levar o indivíduo a problemas de memória e impacto no balanceamento cerebral. Limite é a palavra-chave nessa situação. Um ou dois drinques por semana estão liberados, mas com muita cautela.

A pressa é uma amiga da junk food

Às, vezes você está correndo, atrasado para uma reunião ou para voltar ao trabalho, e com a “desculpa” da falta de tempo, entra em um restaurante fast food mais próximo para saciar a fome. Aqui, o redobramento de atenção é obrigatório; já que a junk food é considerada um veneno entre os especialistas. De acordo com estudos realizados na Universidade de Montreal, esse tipo de comida pode desencadear sintomas similares ao de ansiedade e depressão. Como são produzidos com quantidade exorbitante de gorduras, uma dieta feita a base destes produtos é porta de entrada para outros problemas como pressão arterial, diabetes, complicações no sistema cardíaco e obesidade, só para citar alguns. Não caia no inimigo da pressa. Se programe, se organize, mas opte por um prato saudável e garanta um dia mais leve e produtivo.

Preste atenção nas frituras

Pegando carona na junk food, as frituras são lobos que se escondem na pele de cordeiro. Comparações à parte, a verdade é que esses produtos contêm em sua composição uma série de corantes, aditivos artificiais para dar sabor, conservantes que os deixam com aspecto agradável e uma porção de elementos químicos que só fazem deles um vilão de mão cheia. As frituras destroem pouco a pouco as células nervosas do cérebro, afetam a função cognitiva, causa hiperatividade tanto em adultos, quanto em crianças, dentre outros transtornos.

A polêmica gordura trans

Muito tem se falado sobre a gordura trans. De fato, ela pode causar problemas relacionados ao coração, colesterol e obesidade. Mas, ao falarmos do cérebro, uma de suas maiores facetas é afetar a qualidade de reflexo e resposta da pessoa. Ou seja, acontecem pequenos relapsos, deixando a pessoa em estado de confusão. As gorduras trans comprometem o funcionamento das artérias cerebrais e também oferecem riscos de AVC e outros distúrbios.

Pegue leve no sal

A ingestão de sódio faz muito mal para o coração e a pressão arterial e prejudica a pressão sanguínea. Até aqui, essas informações são de conhecimento popular. Sabendo disso, alguns especialistas realizaram pesquisas que sugeriram que os efeitos do sal podem afetar a nossa capacidade de pensar, além de prejudicar a função cognitiva do cérebro. Prefira pequenas porções diárias de sal e você também pode trocar o sal refinado de mesa por uma versão mais saudável, como o sal rosa do Himalaia.

A doce inocência do açúcar
Comer bem faz parte de todo um processo para a conservação de uma vida em ordem, não apenas na questão da aparência física.
Em contrapartida, outra substância difícil de ser retirada do cardápio é o açúcar. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que, de toda a nossa ingestão calórica diária, apenas 5% deste número seja reservado para o açúcar. Embora saibamos de seus efeitos em nosso organismo, seu consumo no mundo inteiro é enorme, principalmente nos Estados Unidos, onde um cidadão americano ingere mais do que o dobro do percentual citado pela OMS. O fato é que essa sensação doce pode acarretar em disfunções cognitivas, já que os níveis de insulina no cérebro passam a reduzir e prejudicam a memória e as habilidades em aprender. O humor também é alterado, pois alimentos repletos de açúcar e carboidratos “desconfiguram” os neurotransmissores. E, devido ao aumento de serotonina, sintomas como irritabilidade, cansaço e confusão mental podem ocasionar crises de ansiedade e depressão.

Muita gente se preocupa com a parte da vaidade e deixa de lado o interior. Embora saibamos que para nos mantermos saudáveis é preciso que haja a inclusão de alimentos saudáveis e exercícios regulares no cotidiano, não deixe de lado a consulta médica. Isso é o que determinará o melhor para você.


Escrito por Juliana Alves de Souza da equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]