Alimentação consciente Mindful Eating Nutrição

Saiba como controlar os gatilhos da fome na quarentena com o Mindful Eating

Mesa com pessoas comendo coisas saudáveis.
gstockstudio / 123RF
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

A pandemia da Covid-19 provocou o distanciamento social, necessário para a preservação da vida e para evitar o contágio da doença em ritmo e proporções incontroláveis, as pessoas foram obrigadas a um período de quarentena.

Todas as atividades fora de casa, com exceção de algumas essenciais aos cuidados para a resistência e a sobrevivência à doença, foram paralisadas.

As pessoas foram cerceadas de sua liberdade, de seu direito de ir e vir, das relações interpessoais estabelecidas em todos os âmbitos da vida cotidiana — na escola, no trabalho, na igreja, no clube, na academia, etc. O contato com o mundo externo é por meio da tecnologia de comunicação disponível e se percebeu o quanto ela é insuficiente para romper a solidão e o distanciamento. Todos gostam de contato físico, de estar junto, de ver ao vivo, de se divertir.

Os noticiários vão sinalizando o monitoramento da doença e trazendo a angústia, a ansiedade e o estresse. Vamos tomando contato com pessoas que conhecemos ou não e que sucumbiram à doença. Defrontamos a dura realidade de que o processo de restabelecimento tende a ser longo e árduo.

Esse cenário vai provocando descrença, desesperança, fadiga, irritabilidade, dores crônicas, agitação mental, transtornos do sono, instabilidade emocional e compulsão alimentar.

Por mais que a mídia tente trazer conforto às pessoas, orientação sobre como se manter mental e fisicamente saudável durante a quarentena, ainda há pessoas que não conseguem superar a tristeza pelo isolamento e a falta de acolhimento. Algumas passaram pela realidade de ter perdido entes queridos.

Silhueta de um homem olhando pela janela.
Jesse Yelin / Pexels

Uma das causas do ganho de peso é a compulsão alimentar, substitutiva da carência emocional. Motivo até de piadinhas na internet sobre o antes e o depois da quarentena, comer se tornou um meio de saciar a necessidade de proteção, de curar de alguma forma, as dores emocionais, de se distrair. Concomitante a isso, a vida acabou se tornando mais sedentária.

A ingestão de alimentos funciona como uma válvula de escape para lidar com as adversidades e incertezas do momento de pandemia e de distanciamento social. Para muitas pessoas, comer representa ter prazer e felicidade.

Os gatilhos da fome

Não há nada de errado em buscar prazer ou conforto na comida. O problema é quando essa situação se torna corriqueira e se perde o controle da frequência e da quantidade na ingestão de alimentos.

Quando a pessoa tem uma consciência corporal apurada, ela é capaz de diferenciar o que é um gatilho físico da fome, quando o organismo precisa do alimento, de um gatilho emocional da fome, que algumas pessoas não conseguem diferenciar e confundem sensações de ansiedade, de frustração, de tristeza, de raiva, de vazio, com a sensação de fome.

Imagine uma pessoa que acabou de almoçar e já sente uma necessidade de comer alguma coisa e pior, sente que deve comer até se sentir empanturrada. Esse é um gatilho emocional da fome.

O que é o comer consciente

Comer consciente é ter a noção exata de que a alimentação é fundamental para manter o corpo e a mente em funcionamento, pois envolve os nutrientes e as substâncias que o organismo precisa para viver, sem desequilíbrio na quantidade, no tipo de alimentos e na frequência da ingestão.

Significa comer com atenção plena para obter prazer e saciedade, usufruindo do momento, para transformar a relação pessoal com a comida e com a forma como a pessoa se alimenta.

Tudo o que é diferente de comer para satisfazer fisicamente o organismo e se tornar um ato destinado a diminuir as tensões e insatisfações emocionais, deixa de ser consciente, da mesma forma que se houver descontrole na ingestão de alimentos.

Mulher comendo um hambúrguer com carne e rúcula.
Szabo Viktor / Unsplash

As dietas restritivas não são eficazes quando se trata da ingestão descontrolada de alimentos decorrente de questões emocionais.

O controle dos gatilhos emocionais da fome e a prática do comer consciente

O autoconhecimento é o facilitador da aquisição do equilíbrio na alimentação e do controle dos gatilhos emocionais da fome.

O comer consciente deve ser praticado, é um exercício de autoconhecimento e pode ser realizado, principalmente durante a quarentena. Acompanhe e pratique os passos a seguir:

  • Desligue-se da televisão, do rádio e do celular ao iniciar a refeição.
  • Prepare-se para comer, observe os alimentos.
  • Esteja confortável à mesa, porém não de forma relaxada, comer consciente é um trabalho a ser feito com atenção e amor.
  • Utilize os talheres adequadamente. Não vale substituir o garfo pela colher para agilizar a ingestão da comida, excluir a faca ou algo semelhante.
  • Coma devagar, saboreando os alimentos, sentindo o aroma, observando as cores.
  • Pense nos alimentos do ponto de vista da origem, de como eles podem ter sido processados, de como são produzidos, de como chegam até à sua mesa.
  • Analise quais as sensações desse momento para você, quais são os seus sentimentos, a gratidão, a alegria, a satisfação, o conforto.
  • Evite pensar sobre as calorias, os nutrientes e a composição dos alimentos, não é o momento de estresse sobre se são mais ou menos impactantes na massa corpórea, essa etapa faz parte da compra dos alimentos ou da preparação do cardápio.
  • Tente perceber o seu grau de saciedade na refeição, ela deve ser suficiente. Evite pensar no que pode comer depois.
  • Conclua a refeição agradecendo e refletindo sobre a oportunidade de tê-la à mesa.

A quarentena trouxe muitos transtornos para a vida das pessoas, mas ela pode ser o momento de transformação que todos precisavam nas suas vidas. Uma dessas transformações pode ser a relação com a comida. O mindful eating é um instrumento para essa mudança.

Você também pode gostar

Praticar o Mindful Eating é estar presente ao comer, explorar as sensações que a comida proporciona, cultivar estados mentais positivos que nos apoiam a ter alegria e entusiasmo para encarar os desafios. Esse ato permite a concentração no momento e o desligamento do que é aflitivo e causa desequilíbrio emocional. É individual, portanto pode ser feito sem companhia.

O Mindful Eating e a quarentena podem ser aliados, porque durante esse período, a prática diária, em todas as refeições, do comer consciente, pode ajudar a ter resiliência e motivação para lidar com esse momento difícil. Reflita sobre essa proposta e pratique durante um período de pelo menos 21 dias. Constate os resultados!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]