Autoconhecimento Comportamento

Virada de Chave – Transição de Carreira

Carol Fonda
Escrito por Carol Fonda
Há quase 6 anos iniciei minha trajetória espiritual e comecei a me autoconhecer de verdade, entender quem eu sou enquanto alma, além dos papéis. Eu, que sempre amei estudar, desta vez eu queria um assunto mais pessoal: eu mesma. Para estudar a pessoa mais importante da minha vida, eu, sabia que precisava mergulhar em mim. No final de 2014, tomei a decisão de fazer um retiro de Ano Novo e de silêncio. Foi ali que tudo começou a mudar na minha vida, porque foi a partir dali que eu passei a ser uma pessoa melhor, não para os outros, mas para mim, pois aqueles três dias inteiros de silêncio me fizeram me voltar ao meu eu interior, questionando valores, crenças e o que de fato eu queria para mim. Naqueles dias de profundo silêncio, eu aprendi que todas as respostas estão dentro de mim, não no mundo.

Quem eu era? Recém-formada em marketing, empolgada com o início de carreira, mas ao mesmo tempo insegura, algo ali dentro dizia que ainda não era aquilo, que eu ainda não tinha me encontrado – e já era a minha segunda formação, então tinha que dar certo. E deu. Deu certo no tempo que tinha que dar. Como tudo chega ao fim, este ciclo também se encerrou e se iniciou um novo movimento em minha vida, que conto para vocês em detalhes no texto abaixo:

Em 2017, olhei em volta e vi uma vida feliz: uma carreira estável, praticava meditação, aula de “Um curso em milagres”, vida emocional, carreira e espiritual “perfeitas”, mas algo dentro de mim gritava. Eu queria fazer algo pelo mundo, pelas pessoas. Não podia ser só aquilo a vida. Eu queria inspirar o mundo. Eu queria mais!

Mulher trabalhando

Marketing não fazia mais nenhum sentido. Eu queria algo que brilhasse os meus olhos. Eu queria ajudar as pessoas, então mais uma vez eu comecei um processo de autoconhecimento com muitos cursos, com muito carinho e acolhimento por mim mesma, respeitando cada fase e tudo de novo que estava vindo, entre elas o Hatha Yoga.

Quando tomei a decisão de mudar de novo de carreira, o yoga foi o primeiro a aparecer na minha vida. Minha primeira aula foi maravilhosa e tive a sensação de flutuar e estar em outra dimensão. No final da aula, a professora disse que eu levava jeito e que poderia seguir este caminho, então comecei a trilhar ali um estudo do yoga paralelamente ao meu trabalho na agência de marketing, mas no fundo uma voz dizia que não era o yoga, não como profissão (pelo menos não com adultos), que aquilo seria apenas um hobby.

Em 2017, minha mãe pediu para eu apresentar uma palestra sobre marketing para aos alunos de sétimo ano dela. Eu me empolguei tanto que eu não criei só uma palestra. Nós criamos um projeto! Digo “nós” porque tenho certeza de que as mãos de Deus estavam trabalhando comigo. Eu criei este projeto em pouco tempo e de forma muito fácil, como se alguém fosse me falando o conteúdo, e foi então que nasceu o Projeto Ubuntu Om, a palestra virou oficina e foi um sucesso. Amei trabalhar com os jovens! Ali eu me encontrei e senti que estava fazendo algo de bom pelo mundo, mas não sabia como ia dar sequência, porém sabia que era o que eu queria.

Permaneci paralelamente na agência de marketing e tocando o Projeto Ubuntu Om, fora os retiros, as aulas de Hatha Yoga, as aulas de meditação, UCEM, cursos de autoconhecimento, coaching… Eu sabia o que eu queria, mas não sabia como realizar, não sabia como organizar tudo nem como seriam exatamente esses planos. E de verdade eu nem sabia se era isso mesmo, afinal eu estava tão bem na agência, na minha zona de conforto. Para que promover uma reviravolta na vida?!

Você também pode gostar de:

Em maio de 2018, então, eu descobri que existia yoga para crianças, e essa ideia me fascinou. Era isso, mas ao mesmo tempo é difícil desapegar do que já temos e desapegar de novo da carreira que é certa. Várias dúvidas surgem, mas coloquei as caraminholas de lado e me matriculei no curso de formação de yoga para crianças sem muita expectativa. Comecei estudar, conciliando com o trabalho e seguindo a vida dia a dia, afinal levaria cerca de um ano para a minha formação e eu precisava ter paciência.

Como tudo na vida está conectado e é perfeito, em dezembro de 2018 participei do Ritual do Desapego de final de ano do meu querido professor que todos vocês já conhecem, Marcos Adriano. Como funciona? Pegamos um objeto do qual gostamos muito e desapegamos dele no dia do Ritual, entregando-o para outra pessoa, com a simbologia de abrir caminho no próximo ano para algo novo que queiramos muito.

Quando eu pensei no objeto que eu iria desapegar, minha pergunta para mim mesma foi: “O que eu quero em 2019?”. E eu queria ser uma semeadora. Desde sempre eu sei que quero inspirar o mundo e tinha descoberto que gostava de trabalhar com jovens e crianças. Queria que o Projeto Ubuntu Om desse certo e queria terminar minha formação de yoga para crianças e, de alguma forma, reunir tudo isso e transformar em algo maior. Esse era o meu maior desejo: sair do mundo corporativo, trabalhar, descansar, significar minha vida, inspirar o mundo, ajudar pessoas, ser uma semeadora do bem.

Então do que eu poderia desapegar? E a resposta veio: do meu primeiro mat (meu primeiro tapetinho de yoga). Não foi fácil, eu confesso, porque não era só um objeto, não era só um bem material do qual eu estava desapegando. Era uma história. Ele foi comprado em uma viagem e tinha um alto valor emocional para mim, mas eu desapeguei com um sentimento de amor muito grande, de gratidão por tudo o que eu já tinha vivido até ali e torcendo para que aquele item transformasse positivamente a vida da outra pessoa, como transformou a minha.

Eu abri o caminho para o novo, desapeguei para abrir espaço para algo novo e abundante na minha vida, mas como foi 2019? Vida normal, mês a mês na agência de marketing, dias felizes e dias tristes na zoninha de conforto boa-boa, pensando se valia mesmo a pena mudar novamente de carreira, afinal ali estava tão fácil, então para que sair, né? Mas fui respeitando as minhas vontades, altos e baixos, e deixando o flow da vida agir. Ao mesmo tempo em que fui estudando para terminar meu curso de formação, eu tinha um plano: paralelamente tocar os dois, mas a cada dia estava mais difícil ir para a agência, porque eu não aguentava mais; estava muito pesado, doloroso, era um sacrifício, não dava mais, até que tomei uma decisão: renunciar, dizer adeus. Eu não sabia o que ia fazer, mas sabia que não queria mais estar ali.

Eu não segui o plano. Ainda não tinha terminado o curso de formação, estava sem rumo e precisava de uma direção, então falei com Jesus, pedi uma resposta, fiz uma mentalização e abri o livro “Um Curso Em Milagres”. A resposta veio clara, translúcida, então eu entendi perfeitamente. Foi maravilhoso, como se Jesus falasse ao meu coração.

Mulher praticando yoga

Eu obedeci e simplesmente entreguei nas mãos dEle, pois Ele disse que ia cuidar de tudo. Aos poucos as ideias foram vindo, pessoas foram se conectando comigo e de repente uma pessoa que eu nem conhecia começava a falar de yoga para crianças comigo. Tudo foi acontecendo naturalmente, num fluxo leve e fácil. Em pouco tempo consegui terminar a formação e tudo foi fluindo naturalmente. O resultado? Hoje tenho parceria com dois espaços e estou dando aulas de yoga para crianças, somando ensinamentos do Projeto Ubuntu Om a outras ideias que nascem a cada dia, dando sequência a um lindo trabalho que me realiza, me faz feliz e vem ao encontro do meu desejo de ser uma semeadora.

Eu tenho uma gratidão enorme ao meu processo, ao Ritual do Desapego de 2018, ao Marcos Adriano, ao Raphael Ramos, que me incentivou muito neste processo e acreditou em mim, gratidão ao Eu Sem Fronteiras, que acompanhou essa mudança e me acolheu com muito carinho, ao meu maravilhoso irmão Peter Fonda, que tem os conselhos de um monge, apesar de parecer que ele nem está me ouvindo, mas diz as coisas certas em essência, gratidão à minha mãe Super Ana Vieira, por me apoiar em cada decisão, segurar minha mão e ir junto, ao meu pai Reinado Fonda, pela dádiva do bem mais precioso que eu podia ter a vida, ao Arcanjo Miguel, por me proteger todos os dias, ao Mestre Jesus, por conduzir meu caminho pelo amor e aquecer o meu coração, e ao Supremo por me dar a Luz nesta dimensão e neste mundo.

Eu não sei se daqui a um ano ou a dez anos tudo vai mudar de novo, mas sei que hoje me sinto feliz e realizada. Hoje eu estou introdutora de yoga para crianças. Hoje eu me sinto plena fora da Matrix, me sinto uma semeadora e o meu conselho a qualquer pessoa que esteja passando por este processo é: tenha paciência e fé, pois vai dar certo do jeito que tiver que ser. É Deus que nos mostra o caminho certo, e aceitar isso torna o caminhar mais leve, seguindo o caminho do amor.

Gratidão eterna a todos que fizeram parte desta trajetória comigo.

Sobre o autor

Carol Fonda

Carol Fonda

Carol Fonda está sempre em construção, pois é uma caixinha de criatividade, sempre tem uma ideia nova, um projeto novo, gosta de sair do óbvio.

Adora fazer planos e montar estratégias, ama os números com a mesma intensidade que ama as palavras, enxerga o mundo e as situações de forma sistêmica, ama estar com a família, viajar e assistir filmes, se liga em arquitetura, fotografia e música clássica.

Instrutora certificada de yoga para crianças, aluna de raja yoga pela Brahma Kumaris, aluna de hatha yoga pelo SVCC e aluna de Um Curso em Milagres com Marcos Adriano Infantozzi.

Sejam todos bem-vindos e gratidão por estarem aqui!

Contato:
Facebook: /CarolFonda
Instagram: @carolinefonda | @holy_yoga_para_criancas
E-mail: [email protected]