Autoconhecimento Tarot

A Imperatriz: conheça o significado dessa carta e como ler em seu tarô

A importância das cartas do tarô reside em sua capacidade de acessar camadas profundas da consciência humana, possibilitando uma compreensão mais ampla das situações. A carta A Imperatriz é considerada uma das mais ricas no tarô. Quer saber mais sobre o que representa a carta e como agem seus elementos? Confira tudo!

Entre os 22 Arcanos Maiores do tarô, A Imperatriz é a terceira carta (ou lâmina) dos arcanos maiores. Ela carrega a energia da manifestação e da realização após a união dos arcanos anteriores, formando uma tríada arquetípica.

São vários os seus significados. A Imperatriz representa fertilidade, criatividade e abundância. Ela simboliza a capacidade de criar e nutrir novas ideias, projetos, relacionamentos e oportunidades, tanto que, na maioria dos tarôs, representa a mãe que nutre e acolhe.

A cor mais associada ao arcano é o verde, por remeter à natureza e à abundância. É claro que você vai encontrar outras cores, como o amarelo, que representa o intelecto; o azul, que simboliza a introspecção e a feminilidade; e o vermelho; símbolo de poder. Tudo isso representando a grandeza e a realeza d’A Imperatriz, mascabe ao verde a representatividade da energia vital e a capacidade de nutrir e sustentar que só cabem a este Arcano Maior.

Na maioria dos baralhos, esta carta também é conhecida como “The Empress” (em inglês) e “L’imperatrice”, no tradicional tarô de Marselha (em francês). Independentemente da nomenclatura, o essencial significado da carta é sempre o mesmo, como veremos a seguir.

Te convidamos a continuar a leitura e mergulhar na aura de mistério dessa carta tão importante no tarô. Aprenda seu significado, quais elementos a compõem e outras curiosidades que a envolvem!

Significado dos elementos da carta A Imperatriz

A análise a seguir é com base do Tarô de Rider-Waite, um dos baralhos mais tradicionais e que traz elementos importantes para o significado geral da carta. Confira!

Ilustração da carta A Imperatriz do tarot, em tons associados ao vermelho, ao rosa e ao amarelo.
Sketchify / Carmet Latoza
  • Túnica: sua veste é em tom azul-claro, com estampas da fruta romã, que simboliza fertilidade e abundância. A gola da túnica está em amarelo, demonstrando seu poder intelectual em harmonia com o amarelo de seu cetro e coroa.
  • Cabelos: volume e altura aos ombros. Seus cabelos demonstram encantamento na medida certa, não escondendo suas vestes e em harmonia com sua feição, demonstrando uma mulher forte, admirável, com aura tranquila e independência, mas sem perder sua feminilidade.
  • Coroa: usa uma coroa em 3 tons de cores: o branco representado nas 12 (1 + 2 = 3) estrelas em conexão com os signos astrológicos; amarelo representando a sua realeza em conexão com o cetro e a gola de sua túnica e o verde do ramo de folhas representando sua conexão com a mãe natureza.
  • Cetro: segurado pela mão direita – a mão de poder de ação, erguido aos céus em conexão com a espiritualidade, no formato de bola branca em sua ponta, para expressar a integridade espiritual de seu poder e detalhes em amarelo logo abaixo da bola, que complementa essa integridade junto à matéria.
  • Mão esquerda: apoiada na coxa esquerda simboliza ser uma pessoa acessível e acolhedora como uma mãe que dá colo ao seu filho.
  • Símbolo de Vênus: mais abaixo do trono, vemos um coração com o símbolo do planeta Vênus, com amarelo em seu centro confirmando a conexão d’A Imperatriz ao planeta do amor, da harmonia, do luxo, da beleza e da fertilidade.
  • Natureza: e ao seu redor, a Mãe Terra devidamente expressa em tons de verde nas árvores, o rio, o chão de terra e galhos secos mostrando uma natureza viva e encantadora como A Imperatriz.

Similaridades e diferenças d’A Imperatriz em diferentes baralhos

Além do baralho Rider-Waite, criado em 1910, por William Rider, existem outras versões, nas quais alguns detalhes mudam. Elas todas mostram o cetro e/ou coroa como referência ao poder do arcano e elementos e cores da natureza como referência à conexão com a Mãe Natureza. Um ponto muito interessante, em que diferem algumas cartas, é quanto à gestação d’A Imperatriz. Para representar o processo de fertilidade e crescimento, alguns baralhos trazem a imagem d’A Imperatriz grávida. Já na versão New Vision Waite, ela aparece de costas, sentada em seu trono e com todos os elementos da versão Rider-Waite. O que difere nessa nova versão é o surgimento de duas crianças, menino e menina – masculino e feminino, e o cisne branco entre eles, significado a pureza da criança.

Tarô Mitológico

Criado em meados de 1980, por Liz Greene e Juliette Sharman-Burke (astróloga e taróloga, respectivamente), traz A Imperatriz representada por Deméter. É uma mulher grávida, com fartos cabelos acobreados em pé, no meio de um campo de trigo que representa fartura, abundância e fertilidade – é a deusa da agricultura. Seu vestido em tom avermelhado combina com seu cabelo e tem estampas floridas nas cores amarelo, azul e verde (folhas). Em seu pescoço, um colar com 12 pedras preciosas simboliza os signos do Zodíaco e, como Deméter, rege o ciclo ordenado das estações e todas as leis do cosmos. Em sua cabeça, a coroa no formato de castelos e torres representando seu domínio sobre a edificação de relacionamentos estáveis e a estabilidade material. A Imperatriz aparece abraçada com ramos de trigo sendo colhidos de seu vasto plantio – tudo que ela planta dá frutos e colhe. Por fim, o destaque da paisagem ao fundo está a cascata de água do rio indicando o fluxo dos sentimentos e a fertilidade, pois ela, Deméter, é quem preside os ritos de casamento e abençoa os frutos de todas as uniões.

Tarô de Marselha

Existem diversos modelos do tarô Marselha, com pouquíssimas variações de figuras, detalhes e cores. Na tradicional carta A Imperatriz, em sua vestimenta, o azul é predominante, simbolizando sua introspecção e ponderação, enquanto o vermelho na parte baixa de sua veste refere-se à sexualidade feminina. Os detalhes em amarelo se harmonizam com o colar, o cetro, a coroa e o brasão, à sua direita, simbolizando realização e poder. Ela está sentada em seu trono que se confunde com asas, mais um significado de poder material unido ao poder espiritual. E por falar em espiritualidade, a águia do brasão representa autoridade moral e espiritualidade, com suas asas apontadas para cima. Por fim, aparece uma planta, a baixo e à direita d’A Imperatriz, mostrando nesse baralho muito mais poder centrado nela do que com a natureza, como em outros baralhos.

Tarô Egípcio

Essa versão traz A Imperatriz no centro da carta, simbolizando-a ao centro do sol, sentada sobre uma pedra cúbica com cores amarela, mais ao centro (ouro), azul nas laterais (sabedoria) e branca (espiritualidade). Sua roupa verde e seus seios nus trazem o singelo significado da sedução, da fertilidade e do acolhimento. Mais uma vez, como observado no arcano do baralho Rider-Waite que o cabelo d’A Imperatriz aparece na altura dos ombros; no baralho egípcio, o cabelo é liso e na cor preta, o mais próximo possível das características do povo egípcio. Em seu braço direito está o cetro (ou báculo do poder) e braceletes (nos dois braços) como adornos de sua vaidade. Já a mão esquerda está erguida, tentando alcançar a pomba (ou águia, remetendo às asas da deusa Ísis), que representa o Espírito Divino. Sua coroa em azul com a figura de uma serpente (Uraeus) símbolo de soberania e invencibilidade. Acima da coroa estão, novamente, as 12 estrelas dos signos zodiacais (ou os ciclos da natureza). À direita, uma taça simbolizando ser receptor da vida, enquanto à esquerda e acima aparece uma serpente – símbolo da mestria divina. Abaixo, a Lua em quarto Crescente simboliza a fertilidade e o crescimento, e o número 3, que é a numeração da carta e a representação filho – fruto da relação pai-mãe; 1+2. Ao lado do 3, a letra hebraica Ghimel e os símbolos astrológicos Júpiter e Sagitário. Os tons de rosa remetem a amor e afeto.

The Wild Wood Tarot

Nesse tarot, inspirado na mitologia céltica e mergulhado na sabedoria xamânica, A Imperatriz é representada pela Mulher Verde, cujo principal elemento é o Fogo – o poder de manifestação e da magia ligados à mulher e à mãe natureza. Sua forma sensual remete à sedução da mulher em plena execução de sua magia diante do caldeirão, com veste em tom vermelho e adornos em ouro amarelo. Seu cabelo e sua manta são a própria natureza representada por galhos e muitas folhas num tom de verde-vivo, significando vitalidade e fertilidade de sua Imperatriz. Perceba a sutil conexão com as extremidades de seu rosto (cantos da boca, olhos e centro da testa). E suas mãos estão a raposa como animal de poder, representando esperteza e agilidade; e uma árvore como figura elemental da terra, simbolizando o poder da natureza sob a autoridade da Mulher Verde, A Imperatriz deste baralho.

Tarô Alquímico

Nesse tarô de Robert Place, a carta é denominada The Empress e é representada pela figura feminina completamente nua como a natureza em si, numa belíssima paisagem transmitindo doçura e arte aos olhos de quem vê. Ela está abraçada a uma árvore, expressando a máxima alquímica de as mulheres serem como árvores, pois delas se geram frutos. Bem, os frutos desta conexão mulher-natureza estão representados na figura da criança e da árvore frutífera atrás dela, parecendo ser uma laranjeira ou macieira. A Imperatriz tem cabelos loiros esvoaçantes e um pouco abaixo do ombro em relação aos outros baralhos; mesmo assim, o significado de leveza e independência que a altura do cabelo representa continua sendo o mesmo. Sua mão esquerda segura os cabelos enquanto aprecia a paisagem e a criança ao seu lado. Sua coroa é prata (dignidade real) e pontiaguda, evidenciando a relevância do poder d’A Imperatriz.

Como A Imperatriz te ajuda a desenvolver seus dons espirituais?

A Imperatriz traz a motivação para cocriar o próprio mundo. Traz o despertar criativo que o ser vivente tem dentro de si. Em todas as lâminas, ela nos impele a progredir e evoluir. No mundo material, progredimos. No mundo espiritual, evoluímos. Em ambos os aspectos, o crescimento e a expansão são necessários para dar significado ao nosso viver. Por ela representar a nutrição e o florescimento, ela encoraja a se conectar com nossa intuição e confiar na sabedoria interior. No quesito criatividade, ajuda a expressar a espiritualidade de forma única através das artes, da música, da escrita, da criação dos filhos (e animais), entre outras formas de expressar a arte humana e divina. E um lugar maravilhoso para desenvolver os dons é estar em meio à natureza, apreciando a beleza natural, os ciclos das estações e aprofundando a conexão com os elementais e animais da natureza.

A energia d’A Imperatriz e a força interior

Neste arcano, a energia que aparece é mais feminina; isso não significa que se dirige somente aos homens, nada disso! É a energia Yng da mãe que acolhe, intui e cria um ser. Tudo que ela toca, cria, cresce e floresce. É a alegria pura da manifestação e da realização das coisas. A força interior que ela traz é a ambição da alegria de viver. Com ela, podemos sentir motivação e alegria para transformar sonhos em realidade. Ela compele a agir, a ambicionar, a buscar sucesso e realização e a manifestar o amor – sem amor, nada frutifica. Por outro lado, na polaridade negativa, a energia d’A Imperatriz pode tornar uma pessoa ciumenta, possessiva e gananciosa.

A Imperatriz na astrologia

Este arcano está relacionado ao planeta Vênus e à energia feminina, à beleza, ao amor, às artes, ao luxo e à fertilidade. Vênus é o planeta regente do signo de Touro e até tem uma influência significativa em Libra. Touro, um signo mais terreno e sensual, ligado à estabilidade, aos prazeres e à apreciação estética. Já Libra está conectad a a assuntos de relacionamento e de justiça.

Você também pode gostar:

Com tantos significados, vemos à riqueza que o arcano A Imperatriz expressa na jornada d’O Louco viajante. Seu simbolismo remete a parte essencial da vida, que é a expansão de tudo. Além disso, traz a importância do cuidado ao longo da jornada até obter os resultados. Para ela, trajetória é mais importante que a largada e a linha de chegada. De que vale a pena chegar ao sucesso sem apreciar a trajetória construída? Portanto, quando essa carta aparece como um conselho ou numa leitura mais aprofundada, ela aconselha a dar mais cor e vida, bem como a expandir seus potenciais e talentos para aquilo que precisa.

Artigo escrito em parceria com a numeróloga e taróloga Liggia Ramos, colunista do Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br