Categoria - Iridologia

Nós, do site EuSemFronteiras, estamos de olho em técnicas diferentes para o diagnóstico e tratamento de doenças! E um bom exemplo disso é a iridologia, que é a ciência que estuda a íris, membrana de forma arredondada que faz parte do globo ocular e dá cor aos olhos. A função da íris é controlar a incidência de luz para que os olhos não sejam sobrecarregados. A iridologia ocidental foi criada no século 19 pelo médico homeopata Ignaz Von Peczely. Tudo começou quando o médico ainda era criança e viu que uma coruja machucada tinha uma mancha preta que desapareceu após o ferimento cicatrizar.

Mas estudar a íris para identificar doenças é algo presente há milhares de anos, principalmente em regiões com tradição em técnicas alternativas de medicina, como a Grécia e a China. Na Grécia, o médico Hipócrates examinava a íris, principalmente a coloração para identificar possíveis problemas de saúde. Nos países asiáticos, o conceito de associar alterações oculares com problemas nos demais órgãos também é algo antigo e vem desde o antigo Tibete, estendendo-se até a China e Índia.

Para a iridologia, os olhos são divididos em 5 áreas, chamadas de zonas concêntricas: a pálpebra representa o baço e músculos, o branco do olho é o coração e sangue, o branco da íris é o pulmão, coração e sangue, a íris é o fígado e músculos e a pupila representa os ossos e articulações.

Na consulta, o profissional realiza uma série de perguntas sobre os hábitos de vida, histórico clínico e psicológico do paciente. O diagnóstico da iridologia é feito por meio de uma câmera com alta resolução, que capta imagens das fibras e coloração da íris. De acordo com a iridologia, a íris está branca quando a pessoa tem uma doença aguda e preta quando a doença é crônica.