Espiritualidade Mantras

Mantras e Sons do Zodíaco

“O sussurro que não repete o nome de Deus é sussurro perdido” Kabir

“En’ archên en no lógus – No proncípio era verbo, e o verbo estava com Deus, e o verbo era Deus.” João 1:1

A palavra mantra é de origem sânscrita, pertence ao gênero masculino e significa controle da mente, arquitetamento ou instrumento para silenciar o pensamento. Dessa forma, obtemos resultados significantes quando meditamos com os mantras e em nossa busca de iluminação, plenitude suprema, nirvana, ou em outros nomes para outras culturas e tribos, sempre com essa consciência de poder e cura por eles.

“Mantras” tupi, executados com batida dos calcanhares, significado e chakras em que atuam:

Ü = força – muladhara
U = poder – swadshitana
O = vontade – manipura
A = amor – anahata
E = criatividade – vishuda
I = visão clara – ajna
(silencio) – conexão com Deus – sahashara

Entoar o mantra aum na nota lá – em harmonia com o som do planeta terra.

Mantras:

KI – entoado em Si – efeito calmante
– entoado em ré – estimulante
– entoado em mi – criatividade
MA – entoado em fá – afetividade e amor
RAMA – entoado em sol – saúde, proteção a doenças
EIM – entoado em dó – efeito calmante

Diversos mantras que devem ser entoados na nota lá – em harmonia com o som do planeta terra.

Com efeito curativo, direcionar intenção e energia para as partes a trabalhar:

A – atua nos pulmões
E – atua na garganta e pescoço
I – atua na cabeça / rins e saúde geral
O – atua no coração
U – atua no abdômen

Nas esferas ao redor, admiráveis harmonias de sons são geradas eternamente, e dessa mesma fonte, todas as coisas foram criadas.

Desde os antigos egípcios, de quem os gregos aprenderam muitos dos conceitos matemáticos, astrológicos, astronômicos e musicais; até hoje persiste a crença no Princípio Harmônico universal como a fonte da vida. Platão chamou esse Princípio o Único que se expande, a Flor da Vida. Segundo essa sabedoria milenar, cada sistema estelar tem sua própria oitava musical que vibra em sintonia com todas as demais oitavas dos diversos sistemas solares do nosso universo e dos multiversos.

Assim, cada planeta é considerado um ser vivo único, e inteligente, que interage energeticamente entre si e tem um som, um tom, e uma vibração diferentes, mas que é parte integrante de determinada oitava estelar.

Todos os sons, tons e vibrações dos planetas juntos constituem a música das esferas. Segundo a astrologia solar, os signos do zodíaco, esse círculo imaginário desenhado nos céus, estariam relacionados com os planetas do nosso sistema solar através de oitavas, formando a sinfonia das esferas e constelações, e tudo isso agiria diretamente sobre os corpos humanos e o psiquismo.

Pitágoras desenvolveu a teoria dessa correspondência abrangendo toda a escala musical e os planetas na matemática e na relatividade das distâncias. Ptolomeu e Johannes Kepler trabalharam com os zodíacos tonais. Eles consideravam importante para o autoconhecimento e a saúde física, mental e espiritual conhecer o tom e o som pessoal, assim como cada órgão do corpo físico tem um som e uma respectiva ressonância cósmica. Rudolf Steiner, como educador, também criou um zodíaco tonal, com a particularidade de ser baseado nos intervalos de quinta na escala musical.
É significativo nos ensinamentos antroposóficos conhecer esse sistema e a correspondência de cada sonoridade e tonalidade, com os órgãos que compõem os sistemas que constituem nosso organismo.

Sathya Sai Baba, no seu Programa de Educação em Valores Humanos, tem no canto conjunto um importante instrumento pedagógico de harmonização individual e de grupos. A música ajuda a aproximar as pessoas e facilita a superação de diferenças interpessoais, inseguranças e limitações autoimpostas. Essa técnica pedagógica também faz aflorar alegria, descontração e solidariedade.

Para os orientais, principalmente para os hindus e tibetanos, o som, o canto devocional e mântrico tem enorme importância na educação e formação do ser integral. Além de ter poder de cura dos níveis físico, mental, intelectual, psíquico e espiritual do ser humano.

A educação musical refina o corpo emocional, educa e sutiliza os sentidos e aproxima da beleza, além de ensinar a linguagem silenciosa da alma. Os hindus enfatizam a importância do “sabda”, o som sagrado que brota do silêncio profundo do universo, promovendo a manifestação de tudo que existe. Para muitos, essas correspondências devem parecer arbitrárias, porém essas associações podem se tornar instrumentos importantes para a compreensão de níveis de realidade que ultrapassam o mundo tangível e objetivo.

Pessoa meditando em um quarto escuro. No fundo, há luzes azuis
Foto autoral de Bruna OM

Elas abrem portais através dos quais podemos contemplar e compreender a experiência humana, com sabedoria, amor, leveza e alegria. Algumas se baseiam na escala cromática, e as estâncias zodiacais começando pelo dó central. Assim o dó torna-se Áries, o dó sustenido Touro, sucessivamente. Todos, porém, afirmam que na hora em que nascemos, as estrelas, constelações e planetas, que se encontram em determinada posição e conjunção no nosso sistema solar, formam o diapasão universal daquele “momentum cósmico”. E esse se torna o nosso diapasão, o som interior, e a tonalidade, ritmo e ressonância que oferecemos ao mundo. Os tons, ritmos, melodias e harmonias dos corpos celestes, a partir daí, passam a ecoar em nossas células. A nossa energia individual se relaciona com as energias das pessoas, da natureza e do universo, e com elas vibra em ressonância harmônica ou desarmônica. Cada planeta e cada signo tem sua própria vibração e é portador de uma energia específica que vibra no tom musical a ele relacionado.

Nosso mapa astral pode ser descrito como uma composição musical não apenas solar, mas sideral, se levarmos em conta a astrologia védica. No mapa astrológico, as notas dissonantes indicam as áreas que precisamos harmonizar para que tons e planetas desarmônicos entrem em sintonia, e nossa consonância com a música das esferas seja a melhor possível, e desse modo possamos manifestar a plenitude dos nossos talentos. É importante salientar que, embora algumas notas destoem quando tocadas juntas, nos cabe encontrar os tons e semitons que nos tragam harmonia, buscando acordes que ajustem por meio de combinações tonais as defasagens e dissonâncias. Afinal as dissonâncias e seus harmônicos criam novas consonâncias. O mesmo acontece no relacionamento entre pessoas.

Isso é feito mais facilmente quando conhecemos o nosso mapa zodiacal e tonal, segundo Steiner e Pitágoras. A busca da identidade individual é uma constante entre todas as raças e culturas, por exemplo: entre tribos africanas, existe a exaltação do que chamam “A Canção dos Homens”. Quando uma mulher engravida, ela se isola e medita para poder ouvir a música do seu feto, e entrar em sintonia com ele através dessa canção.

Quando o bebê nasce, a mãe, com as mulheres da tribo, canta essa canção, saudando sua chegada ao planeta. Quando ele (ela) entra na puberdade, ouve sua canção para marcar a nova etapa de vida e direcionar suas ações para o Bem. Por ocasião do seu casamento, a canção também é cantada celebrando a formação da nova família, e quando o indivíduo erra e infringe leis, os membros da tribo cantam a sua canção para lembrá-lo qual a conduta correta, e finalmente, quando chega a hora da sua morte, toda a tribo canta em conjunto a canção, celebrando a sua volta para a fonte original. Esse conhecimento parece permear as culturas dos povos. Os índios fazem uma leitura orgânica dos céus, condicionam a vida à correlação entre o universo e a Terra, e identificam a forma de suas constelações com a fauna da região que habitam. O plantio e a colheita podem ser intensificados pela comunhão com o som, daí os cantos e danças louvando a Mãe Terra e o poder que emana e se origina dos céus.

No antigo Egito, quando a estrela alfa da constelação do Cão se posicionava de determinada maneira, significava que as cheias do Nilo estavam próximas, e as terras seriam fertilizadas, garantindo abundância e preservação da vida. Na Índia acredita-se que cada planeta tem sua música, um mantra, e uma sílaba “bija” “semente”. Entoar essa silaba, semente e o nome do planeta em sânscrito, nove vezes promove a sintonia entre a energia individual e a cósmica, realizando curas. O número 9 é para os hindus o número do Deus manifestado e em ação, daí ser indicado cantar nove vezes. Como lidar com o padrão de energia presente em nosso mapa astrológico? Como fazer uso do livre-arbítrio para, conscientemente descobrir modos de utilizar construtivamente, a energia dos signos e nosso som e tom pessoais? A astrologia é uma ciência inspirada que permite leituras exotéricas e esotéricas, e unida ao conhecimento musical, pode ser de grande valia no processo de autodescoberta. Não se trata de adivinhação ou vaticínio, como vulgarmente é considerado esse conhecimento milenar, mas de busca de autoconhecimento e de comunhão com o cosmo, para poder desenvolver potencialidades pessoais e aparar arestas negativas da personalidade.
A oposição ao nosso signo no zodíaco é a distância de 180 graus que separa um planeta do outro.

Todos nós já nos deparamos com pessoas que parecem estar em total oposição a nós, e a tendência é nos afastarmos dela. Porém, o caminho do amor universal é o da harmonia, por isso, é preciso encontrar um meio de ajustar dissonâncias entre nossos tons vibracionais, e deixar fluir a melodia do encontro fraterno. O trabalho da harmonia interior e exterior nos oferece o caminho das transformações fundamentais. A música ensina como transmutar energias destoantes em todos os níveis de relações. A fusão harmônica proporciona unidade na diversidade tonal e vibracional. Por isso é importante ativar corretamente os sons harmônicos que irão atuar no nosso campo energético. Os sons influenciam fortemente nossos estados físicos, emocionais e mentais.

Há uma relação sinérgica entre planeta e signo, e segundo Alice Bailey, o regente esotérico do Sol e do ascendente indicam o propósito da vida subjetiva de cada um. Por outro lado, os regentes mundanos do Sol e do ascendente descrevem o que fazemos no mundo exterior e o tipo de dificuldades a serem enfrentadas no ambiente em que vivemos. Existem alguns planetas exaltados em nosso mapa, eles são sempre poderosos, mas nem sempre é fácil lidar com eles. A integração dos opostos polares da roda zodiacal é importante para transcender limitações do ego. Temos no zodíaco doze signos e seis polaridades. Harmonizar os opostos polares facilita o equilíbrio das tendências da personalidade. Nosso corpo vibracional e emocional é musical. Até os sete anos, forma-se a base do corpo musical, e o desenvolvimento psicomotor se estrutura na harmonia da percepção rítmica e tonal.

A voz é o instrumento que traduz nosso tom, nossa marca, e revela os estados emocionais. O chakra laríngeo, afinado com o chakra cardíaco, incrementa a criatividade, a autoconfiança, a coragem, a intuição e a abertura para transformações fundamentais. Os sons dos chakras, quando entoados, alinham e ampliam o âmbito de ressonância, de captação e transmissão de energias no nosso campo energético, assim como o propósito e intensidade das nossas intenções mentais. Quando entoamos os sons correspondentes aos nossos chakras, alinhamos nossa vibração com o universo e transcendemos o reino do tempo, do espaço e da matéria. Hoje sabemos que a saúde é estabelecida pela integração entre os diferentes sistemas que compõem nosso organismo e está intimamente relacionada ao equilíbrio dos chakras, nossa anatomia sutil. Os sons da nossa anatomia vibracional a partir do chakra raiz são: Lam-Vam-Ram-Yam-Ham-Om-Aum. Se pararmos para nos ouvir, escutaremos uma orquestra interior.

Sabemos que qualquer forma de som é poderosa fonte de energia. Seja pela emissão da voz humana, seja através de instrumentos musicais naturais ou eletrônicos, o som é sempre criador e renovador.

O som é também poderoso meio de aprendizado, o que se aprende cantando é mais facilmente assimilado. O som é também importante condutor de emoções positivas ou destrutivas. Isso porque os sons agem diretamente na complexidade do nosso universo interior, e influenciam o corpo emocional e o corpo físico diretamente. Portanto, é importante escolher o que ouvir, quer sejam palavras, quer sejam músicas. As músicas e as palavras de má qualidade produzem energia de baixa frequência. Por outro lado, através da boa música e de palavras amorosas e sábias, desenvolvemos sentimentos puros e criamos um campo energético propício para relacionamentos harmoniosos e parcerias profícuas. O som da música de qualidade superior tem frequência elevada, por isso, desenvolve a intuição, e ativa a inspiração e a criatividade a serviço do Bem. Sob a ação frequencial da música de qualidade superior, a concentração mental acontece sem esforço, assim como o relaxamento do corpo e das tensões emocionais. A música de baixa qualidade é prejudicial, porque produz excitação muscular e mental, ativando instintos inferiores e emoções perturbadoras.

Você também pode gostar:

A vibração do som modifica os padrões das ondas cerebrais, dos cristais do sangue, da organização celular, e atua também na percepção, nas funções orgânicas e nos estados psicoespirituais. Temos que estar atentos as nossas reações aos sons para aproveitarmos seus efeitos benéficos, assim como evitarmos seus efeitos nocivos. É enriquecedor e aconselhável ouvir os sons mântricos de todas as religiões, assim como orações e demais expressões do sagrado nas diferentes culturas. Esse conhecimento educa a mente e nos aproxima da sabedoria da alma. Os sons sagrados dos mantras e orações de todas as tradições espirituais são elos entre o corpo, a mente e o espírito, a matéria e a Luz, e produzem efeitos pacificadores, curadores e curativos. Som é poder, é a vida manifestada vibrando, ressoando, reverberando, e se expandindo em diferentes formatos e maneiras. Das trevas à Luz, do Som à Forma.

Sobre o autor

Bruna Mac The Wall

Graduada em Hotelaria e Turismo pela Anhembi Morumbi, especializada em Lazer e Bem- Estar, Pós Graduada em Naturopatia pela Humaniversidade, com cursos de extensão em Terapias Vibracionais Bioenergéticas EMF e Sound Healing.

O autoconhecimento pela troca de energia no trabalho com outro ser humano, de fato faz nossa sabedoria expandir, a medida que nos colocamos como observadores quânticos onde a resposta para tudo está em todas as coisas ao nosso redor.

A proposta de escrever e expandir é uma forma de tornar aspirações e experiências disponíveis a outros seres humanos que estão dispostos a compartilhar também a medida que estão abertos a novos insights e conhecimento, possibilitando essa troca.

Atuo com atendimentos individuais com massoterapia ( Shiatsu, Thai Massagem , Ayurvedica, Thiyur, Detox ) , acupuntura ( com e sem agulhas) , consultas Florais e Fitoterápicas, sessões individuais e coletivas de Sound Healing, Bioenergética, Yoga, Meditação, eventos de Bem - Estar em espaços e empresas, Retiros Detox Zen.

Atuo também com consultoria de Spas e Resorts , Social Mídia, Foto/ Vídeo/ DJ.

Linha de Produtos Naturais Orgânicos, Saboaria e Cosmética Natural.

Email: brumacthewall@outlook.com
Whatsapp (11) 99250-7525
Páginas:
Facebook: bruna.sol.7
Instagram: @ b.omeditacao