Budismo Espiritualidade

Meditação budista

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Meditação consiste na atividade de interiorizar seu pensamento a fim de desconcentrar sua mente daquilo que está acostumada, com as visões, sons e sensações do mundo externo, do dia a dia. Com a prática, busca-se maior autoconhecimento e controle do corpo e da mente.

Aquele que medita passa a controlar respiração, movimentos do corpo e consequentemente a relaxar e compreender melhor seus pensamentos, o raciocínio e subconsciente.

Existem algumas vertentes da meditação. A prática é milenar e original da Índia. Pode estar associada a religiões como o budismo, que teve sua prática iniciada pela figura do Buda Shakyamuni, o qual disseminou a meditação como filosofia e atividade ligada a religião.

Atualmente, não é necessariamente espiritual ou atrelada a religiosidade, é comum também como simples prática de autoconhecimento e relaxamento, até mesmo como tratamento médico alternativo.

Preceitos da meditação budista

shutterstock_177304088A meditação budista busca atingir o estado conhecido como Nirvana. A Nirvana é considerada um estado de paz prolongado em que a consciência do corpo é intensa e duradoura. A filosofia budista ainda associa a prática à libertação e paz ao ser humano.

Os praticantes desta vertente da meditação a levam como um estilo de vida mais do que como um simples momento de paz.

O budismo dita a meditação com metodologias como:

– Vipassana:

O método Vipassana é a meditação focada na consciência realista, ou seja, tem como principal objetivo livrar o ser humano das visões acostumadas e iludidas da rotina comum. O desenvolvimento deste tipo de meditação permite que o indivíduo tenha uma noção mais realista e esclarecida sobre a natureza e comportamento humanos.

Sua prática inclui desapego às coisas materiais e às pessoas, com conhecimento mais profundo da vivência e experiência.

– Smatha:

A corrente Smatha de meditação também envolve o afastamento das distrações comuns do dia a dia em prol de maior concentração no ser. Desenvolve-se o controle das sensações com foco no fortalecimento da compaixão e eliminação de sentimentos ruins em relação aos outros.

Prática budista

A prática em si envolve a realização de posições como aquela denominada lótus. Nesta posição a pessoa deve permanecer sentada com as pernas cruzadas, coluna ereta e ombros voltados para trás. Os músculos devem estar relaxados, os olhos preferencialmente fechados e as mãos viradas para cima apoiadas nos joelhos.

Durante a meditação, a respiração é um dos fatores mais importantes para que a interiorização seja efetivada. O fluxo de energias depende da respiração regrada e controlada para que os chácaras se equilibrem.

Para isso, anteriormente à meditação, os praticantes fazem uma sequência inicial para que a respiração entre em ritmo adequado. Ela funciona da seguinte maneira:

– Inspirar (puxar o ar) ao mesmo tempo em que a mão direita tapa a narina esquerda. Em seguida expirar (soltar o ar) esticando os dedos da mão esquerda que está sobre os joelho.

– Esta sequência deve se repetir com a troca de mãos. Ou seja, a próxima inspiração será pela narina esquerda com a mão esquerda tapando a outra narina, enquanto a expiração será feita com os dedos da outra mão sendo esticados.

Este procedimento funciona como uma limpeza de energia, eliminando tudo aquilo que é ruim de dentro do corpo.

O local adequado para a prática deve estar em silêncio e paz. A meditação pode ser feita no chão ou em bases de madeira, preferencialmente em cima de uma almofada.

Benefícios

A meditação não tem contraindicações. Como dito, é uma prática de relaxamento que pode ser feita por qualquer um, basta vontade e desempenho em tirar alguns minutos de seu dia para se conhecer melhor.

Aquele que opta por inserir a meditação em sua rotina só percebe benefícios.

Ter um momento para olhar para si e esclarecer suas visões, livrando-se de pensamento enraizados pelo que vivemos no “mundo externo” faz com que o estresse, a ansiedade e do descontrole sejam diminuídos, trazendo apenas mais autoconfiança, autoestima e bem-estar.

É sempre tempo para iniciar. Tente começar a meditar, comece aos poucos, as práticas não precisam ser de longa duração. Ao longo do tempo se tornará um refúgio prazerosos e uma atividade costumeira e de bem.


Texto escrito por Júlia Zayas da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sua opinião é bem-vinda, sempre que colocada com a educação e o respeito que todos merecem. Os comentários deixados neste artigo são de exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]