Saúde Integral Saúde Mental

O que é ansiolítico? Tudo sobre seus efeitos e opções naturais

Você provavelmente conhece alguém com dificuldade para dormir ou que tem ansiedade. Nestes casos, é comum optar pelo uso de ansiolítico. Os ansiolíticos são medicamentos amplamente utilizados em todo o mundo, bem testados por décadas de uso em milhões de pessoas e geralmente considerados eficazes e seguros.

Inclusive, a busca por informações sobre ansiolíticos aumentou mais de 100% durante a pandemia. Foi o que mostrou um levantamento da plataforma Consulta Remédios divulgado em junho de 2021. Para essa constatação, a análise foi feita no período entre agosto de 2019 e fevereiro de 2020 (antes da chegada do novo coronavírus), em comparação ao intervalo entre agosto de 2020 a fevereiro de 2021.

Neste artigo, vamos ver o que é um ansiolítico, no contexto de quais terapias ele é prescrito, quais consequências pode ter na tensão psicológica e na qualidade de vida de quem o toma e por que é importante respeitar as instruções do médico sobre dosagem, horários e métodos de uso.

O que é ansiolítico?

Os ansiolíticos, também chamados de tranquilizantes, são ingredientes ativos que são prescritos principalmente para prevenir convulsões e mitigar sintomas de ansiedade e angústia, e em certas ocasiões também para sintomas causados por transtornos de humor.

Embora existam vários tipos de ansiolíticos, alguns deles produzem um efeito sedativo, de modo que às vezes também são administrados como auxiliares do sono. Alguns dos ansiolíticos mais conhecidos são o Lorazepam e o Diazepam.

Essas substâncias funcionam como um depressor do sistema nervoso, reduzindo as funções e o ritmo, estando relacionadas à medula espinhal e ao cérebro, ao cerebelo e ao tronco encefálico. Levando isso em consideração, deve-se notar que o consumo de ansiolíticos reduz a ansiedade, mas também outras funções essenciais no corpo, como a coordenação de movimentos ou a reação a determinados estímulos.

Quando tomar ansiolítico?

Os ansiolíticos são medicamentos muito populares no mundo ocidental e são mais utilizados no tratamento das seguintes patologias:

  • Distúrbio de ansiedade generalizada;
  • Ataques de pânico, com ou sem agorafobia;
  • Fobias específicas (como aracnofobia ou fobia social);
  • Transtorno obsessivo-compulsivo;
  • Transtorno de estresse pós-traumático;

Mas é importante ressaltar que só podem ser tomados com prescrição médica.

Efeitos do ansiolítico

Na presença de ansiedade, estresse, fadiga no controle ou no manejo das atividades diárias normais com sensação de opressão, confusão, dificuldade para dormir e irritabilidade, a primeira reação muitas vezes visa reduzir os sintomas e, portanto, procurar algo que possa reduzir o estado de tensão e ativação. Logo, a administração de ansiolíticos torna-se uma das soluções mais utilizadas e procuradas pelos próprios indivíduos, mas deve ser prescrita por um médico.

A ingestão desses medicamentos é funcional no restabelecimento de um estado ótimo de funcionamento, melhorando a qualidade do sono e a recuperação energética, reduzindo o estado de ativação e alerta tanto física quanto cognitivamente, melhorando a qualidade de vida dos indivíduos que apresentam desconforto ou vivenciam momentos complexos.

Estão entre os medicamentos mais prescritos, porém muitas vezes pouco associados a um controle real dos efeitos colaterais no paciente e com apoios diversos, como o apoio psicológico.

De fato, além de atuar sobre o sintoma, permite ao indivíduo adquirir ferramentas e estratégias para reduzir a ativação e controlar a causa desencadeante, os pensamentos e comportamentos disfuncionais e, portanto, melhorar a qualidade de vida, levando, ao longo do tempo, à redução e à eliminação da droga.

Efeitos colaterais

Os ansiolíticos podem causar diversos efeitos colaterais, mesmo se tomados nas doses e nos métodos indicados. Estes geralmente incluem: confusão mental, sonolência, amnésia, fadiga, sedação excessiva, alterações no ciclo sono-vigília, declínio no desempenho cognitivo e físico.

Se tomados em grandes doses, os ansiolíticos podem até levar a crises psicóticas transitórias, caracterizadas por delírios e alucinações de vários tipos (auditivos, visuais ou olfativos).

A dependência psicofísica, que pode levar a sintomas de abstinência e dependência, está entre os efeitos indesejáveis decorrentes do uso dessa classe particular de drogas.

Para evitar o aparecimento de quaisquer efeitos colaterais, a administração de ansiolíticos deve ser avaliada com base na história clínica do paciente, bem como a dosagem e a possível suspensão do tratamento, que deve ser sempre gradual e sob rigorosa supervisão médica, a fim de evitar uma possível crise de abstinência ou a chamada “síndrome de abstinência”.

Em casos raros, podem ocorrer efeitos colaterais bastante graves, como:

  • Paralisia do sono;
  • Mudanças de humor;
  • Comportamentos anormais;
  • Pensamentos suicidas;
  • Agravamento de estados depressivos;
  • Urticária e dermatite esfoliativa.
Pessoa selecionando pílulas de remédio para ansiedade para ingerir.
gianni31 joker / Shutterstock

Os ansiolíticos curam a ansiedade?

O consumo de ansiolíticos gera um grande debate sobre se é um tratamento curativo ou não. A realidade é que eles não curam o transtorno de ansiedade.

Eles apenas aliviam os sintomas ou até os eliminam, mas apenas temporariamente, enquanto os efeitos do medicamento são mantidos. Em nenhum caso se pode esperar que um ansiolítico acabe com um problema que gera ansiedade ou saiba quando ele precisa surtir efeito.

Diante disso, pode-se afirmar que os ansiolíticos são eficazes, porém temporários. Às vezes, são prescritos para que um paciente assuma o controle sobre seus sintomas diante de uma situação, ajudando a desbloquear a mente nos casos nos quais a ansiedade pode atuar como uma barreira.

Mas, uma vez que você aprende a administrar a situação e controlar a ansiedade, os medicamentos são retirados, porque não são mais necessários.

Ansiolíticos mais usados

Como explicado, os ansiolíticos são usados no controle da ansiedade e da insônia. Em geral, são drogas psicoativas que atuam no cérebro e na medula espinhal. No entanto, dependendo dos efeitos que geram, podemos distinguir os seguintes tipos:

As principais classes de medicamentos ansiolíticos são:

  • Benzodiazepínicos;
  • GABAérgicos não benzodiazepínicos;
  • Azapironi;
  • Antidepressivos ISRS (inibidores seletivos da recaptação da serotonina).

Os princípios ativos pertencentes aos dois primeiros grupos (benzodiazepínicos, não benzodiazepínicos GABAérgicos) atuam todos, embora de forma ligeiramente diferente, ligando-se aos receptores do ácido gama-aminobutírico (GABA), um neurotransmissor que tem a função de diminuir o nível da atividade das células nervosas — potencializando sua ação inibitória.

Substâncias pertencentes aos outros dois grupos (azapironas e antidepressivos ISRS) interferem em outro sistema neurotransmissor: o da serotonina.
Os medicamentos ansiolíticos mais utilizados são os benzodiazepínicos (Tavor, Xanax, Rivotril, Valium, Ansiolin, Lexotan,Prazene, Control, Lorans etc.).

Existem também alguns derivados de benzodiazepinas (Dalmadorm, Felison, Halcion, Minias, Roipnol etc.) e outras drogas que, apesar de terem uma composição diferente das benzodiazepinas, têm um efeito sedativo (Nottem, Stilnox, Buspar etc.).

De qualquer forma, lembre-se de que é importante ir a um profissional para adaptar o tipo de tratamento mais adequado às necessidades e aos desconfortos de cada pessoa.

Ansiolíticos naturais e fitoterápicos

Quando os transtornos de ansiedade e/ou insônia são leves e você não quer recorrer imediatamente ao tratamento farmacológico, pode tentar aproveitar as propriedades calmantes de algumas plantas e extratos vegetais, em uso há décadas na tradição popular e na medicina natural.

Entre os remédios fitoterápicos úteis para combater a ansiedade e a insônia (com eficácia variável de pessoa para pessoa), podemos incluir extratos de: passiflora (Passiflora incarnata), valeriana (Valeriana officinalis), escolzia (Eschscholtzia californica), erva-cidreira (Melissa officinalis).

O seu farmacêutico poderá indicar o mais adequado para cada caso individual e os métodos de administração corretos, dependendo das formulações (comprimidos, gotas, saquetas ou preparações para perfusão).

Tomar estes remédios naturais na forma de chás e infusões pode ser particularmente eficaz se o momento da sua preparação for estruturado como uma espécie de “ritual” em que, por meio de gestos simples e lentos que interrompem a rotina, tempo e atenção são dedicados a si mesmos, criando um espaço de reflexão e relaxamento.

Uma música de fundo tranquila e agradável pode facilitar ainda mais a remoção de pensamentos negativos e tensões psicológicas, amplificando o efeito antiansiedade e calmante dos ingredientes ativos da planta.

Você também pode gostar

Por fim, seria útil associar a terapia psicológica à terapia farmacológica, principalmente nos casos mais graves de transtorno de ansiedade e estresse, a fim de atuar em várias frentes e ajudar o indivíduo a atingir um nível de autonomia e eficácia no controle da ativação, melhorar o bem-estar e a qualidade de vida e reduzir a dependência de uma droga.

Conteúdos relacionados sobre ansiedade:

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br