Espiritualidade Filosofia Religiões

A Grande Fraternidade Branca

Imagem de fundo preto e em destaque os traços e a sombra de um anjo celestial, representando a grande fraternidade branca.
Pete Linforth / Pixabay
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Você já deve ter recebido por WhatsApp, ou de alguma outra forma, um vídeo, um texto ou uma mensagem para se unir à energia de luz e criar uma vibração de cura, de transformação e de evolução do plano terrestre. Se você não ouviu ou viu o termo a Grande Fraternidade Branca, você já teve informação sobre seres iluminados chamados de anjos, arcanjos e mestres. E já viu alguém recorrer, principalmente, a um anjo da guarda para proteger alguém.

A Grande Fraternidade Branca é uma estrutura hierárquica celestial, conhecida também como Irmandade de Luz, e atua para a evolução dos seres vivos na Terra. Representa o governo oculto do Universo e prevalece sobre todas as coisas e todos os seres para que se cumpra o Plano Divino.

É composta pelos Elohim, Arcanjos, Anjos, Santos e Sábios Mestres Ascensos, todos seres etéreos, já ascensionados na Luz (chama Universal e Divina), que formam os exércitos de Deus para libertar a Terra das trevas e trazer evolução espiritual. Estão ligados à Unidade, ao Indivisível do Universo infinito.

Os Mestres Ascensos são as pessoas que realizaram grandes obras espirituais no mundo, de várias etnias e de alto grau espiritual, que lutam para que as almas encontrem o caminho da Luz.

Imagem de fundo do pôr do sol em uma praia e em destaque várias pedras de diversos tamanhos empilhadas uma sobre a outra, representando o feng shui.
PIRO4D / Pixabay

Entre eles estão aqueles chamados de Mestres não Ascensos, que poderiam se elevar, porém continuam neste plano, com poderes psíquicos elevados, para concluir sua missão, formando uma ligação com o plano cósmico.

Os seres que formam a Grande Fraternidade Branca estão em vários mundos, diversas dimensões e vários planos, evoluindo conforme os seus processos, mas seguindo no Caminho da Luz e cumprindo as mais variadas tarefas e missões. Alguns estão no plano do Puro Espírito, outros no da alma, outros no mental, no astral e outros no físico. Todos trabalhando para que a Humanidade assimile os princípios da vida universal e uma dimensão mental e energética mais elevada do que a atual.

A Fraternidade Branca tem como objetivo manter a chama do amor, do poder e da sabedoria de Deus (Chama Trina) acesa na Terra. Ela se conecta pelo chakra do coração para ensinar os mistérios do Criador no nosso planeta e no Universo, de modo que o ser humano atinja níveis mais elevados de consciência, de sentimento, expanda as suas potencialidades e se torne mestre de si. Convido você a conhecer um pouco mais sobre o assunto a partir da leitura deste artigo e refletir sobre o que essa fraternidade representa para nós, seres humanos!

Imagem de fundo do universo e em destaque as mãos recebendo a energia que vem do sol e do próprio universo.
Gerd Altmann / Pixabay

Como se iniciou a Grande Fraternidade Branca?

A Grande Fraternidade Branca foi formada quando o planeta Terra passava por grandes dificuldades, inclusive para se manter em órbita. Há cerca de 300 milhões de anos, existiram na Terra as duas primeiras raças-raiz, não materializadas.

O ser humano surgiu apenas na terceira raça, conhecida como Lemuriana, há cerca de 18 milhões de anos, e vivia sob a dominação e a violência de seres extraterrestres, principalmente os Exilados de Capela. Assim, o Homem perdeu a consciência da Unidade e da frequência vibracional, entrando em decadência e se tornando o que conhecemos atualmente como “homem das cavernas”. Ficariam à sua própria sorte e literalmente na escuridão.

Sanat Kumara, regente do planeta Vênus, experiente na recuperação de mundos, se voluntariou junto ao Conselho Superior para recuperar a Terra e torná-la possível à evolução humana. Deixou o seu planeta, acompanhado pela esposa e por 144 mil seres de lá, que se prontificaram a apoiar a missão. Vieram à Terra para construir a cidade sagrada chamada Shamballa, onde hoje é o Deserto de Gobi, de onde cuidaria da Terra.

Há 16 milhões de anos, Sanat Kumara trouxe sua própria luz e preparou seres iluminados para a recuperação da Terra, a Grande Fraternidade Branca. A cor, síntese de todas as demais, é sinônimo de aceitação e união dos povos para a causa.

Ele invocou a Chama Trina (azul – Poder; dourada – Sabedoria; e rosa – Amor), frequência vibracional que impressa no coração de cada ser humano fez com que o planeta voltasse a brilhar e iniciasse o seu processo evolutivo. Atualmente Shamballa está no plano etéreo. Contudo focaliza a Vontade, a Sabedoria e o Amor que guiam a Humanidade para a ascensão.

Imagem de fundo do céu, encoberto com muitas nuvens e em destaque um anjo branco com suas asas grandes e abertas. Ele está em pouso sobre as nuvens olhando para a terra.
Pete Linforth / Pixabay

Mais informações sobre a Grande Fraternidade Branca

Com o objetivo de fazer evoluir a Humanidade, a Grande Fraternidade Branca apoiou escolas de mistérios em Atlântida e na Lemúria para que todos que desejassem tivessem acesso às verdades espirituais que nelas eram ensinadas. Da mesma forma ocorreu com a escola de Pitágoras, com a de Hermes Trismegisto e com a de Qumran, todas dispersadas ou destruídas.

Os discípulos dessas escolas e de outras com a mesma característica continuam sendo preparados, entre as encarnações, durante o sono para alcançarem o conhecimento do Eu Divino.

Ao longo do tempo, a Grande Fraternidade Branca fundou, pelos Mestres Ascensos, outras escolas, como a Rosacruz (entre 1607 e 1616), a Escola de Teosofia (1875), a Agni Yoga (1920), o Movimento EU SOU (1930), a Ponte para a Liberdade (1951) e a The Summit Lighthouse (1958), com ensinamentos que podem ser aprendidos, mesmo na ausência desses Mestres.

Também foram criadas pelos Mestres Ascensos da Grande Fraternidade Branca escolas para não iniciados, que são as oito religiões de maior representatividade no mundo: o Budismo, o Cristianismo, o Confucionismo, o Hinduísmo, o Islamismo, o Judaísmo, o Taoísmo e o Zoroastrismo.

Cada uma está relacionada a uma das oito qualidades da mente de Deus, os oito raios da consciência divina, também associados aos oito chakras: da coroa, do coração, da terceira visão, da base da espinha, do plexo solar, da garganta, da alma e da câmara secreta do coração.

A existência da Grande Fraternidade Branca foi conhecida a partir do trabalho de Helena Blavatsky, que viajou pelo mundo para buscar conhecimentos espirituais, chegando ao Tibete, levada por El Morya Khan (Mestre Ascensionado), onde teve acesso a uma sabedoria muito antiga. Quando voltou ao Ocidente, passou a divulgá-la.

Imagem de fundo preto com o reflexo de uma luz branca muito forte. Em destaque um anjo de costas com as suas asas grandes e abertas.
Dieter_G / Pixabay

Como estudar sobre a Grande Fraternidade Branca?

Para saber mais sobre a Grande Fraternidade Branca, está disponível o site http://www.grandefraternidadebranca.com.br/index2.htm, um grupo de estudos virtual, de Ensinamentos dos Mestres Ascensos da Grande Fraternidade Branca, chamado EU SOU LUZ.

Concluindo, podemos refletir sobre o fato de que não estamos sozinhos e há muito a ser desvendado pela Humanidade, que precisa atingir uma outra dimensão de consciência mais espiritualizada e próxima do Eu Divino.

Você também pode gostar

Felizmente podemos contar com Mestres Ascensionados da Grande Fraternidade Branca, organização hierárquica de seres etéreos iluminados que nos guiam e ensinam a trilhar o Caminho da Luz, com consciência universal elevada e amorosa.

Seja pela religião, por uma filosofia, conhecendo uma escola de Mestre Ascensionado ou por meio da leitura, acesse as informações sobre os mistérios que intrigam a Humanidade. Existe um bom motivo para eles estarem entre nós!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]