Linguagem do Corpo Saúde Integral

Dores na lombar? Fique atento às finanças!

Mulher com dor na lombar sentada na cama
Kitzcorner / Getty Images Pro / Canva
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Boa parte da população sofre com dores na lombar, e as causas são várias – má postura, genética, idade, ou outros fatores físicos que acabam causando desconfortos e problemas na coluna. Sabemos que existem dores que quase nos incapacitam, fazendo com que recorramos à automedicação, negligenciando completamente a nossa saúde. Quem nunca dormiu mal e acordou com dor nas costas, que atire a primeira pedra!

Logicamente, quando sentimos qualquer tipo de dor, é indicado que busquemos auxílio médico. Mas você sabia que muitas questões físicas podem resultar de fatores psicológicos? Quando não cuidamos da nossa mente e do nosso eu como deveríamos, o nosso corpo “fala” mais alto, e as doenças psicossomáticas surgem. Elas se originam a partir de problemas ou desequilíbrios emocionais, e não têm a ver diretamente com patologias diagnosticáveis.

Segundo Cristina Cairo, psicóloga e educadora física, as dores na lombar podem ser consequência de determinados problemas da mente ou indício de que algo em nossa saúde emocional está errado. Continue lendo e aprofunde-se no assunto!

Sinais do corpo

Você já deve ter ouvido em algum lugar aquele famoso ditado: “Quando a boca cala, o corpo fala”. E essa é uma grande verdade! O nosso organismo pode nos alertar de que os nossos sentimentos estão em desordem. Muitas vezes, vivemos situações que nos causam emoções negativas e, em vez de externá-las, acabamos internalizando-as e prejudicando nossa saúde emocional. Sabe aquelas pessoas que sentem dores constantemente, vão ao médico, mas nunca descobrem doença alguma? É bem provável que elas estejam sofrendo com as descargas emocionais que têm pesado no corpo físico.

Mulher sofrendo com dor nas costas
Aleksandrdavydovphotos / Canva

Mas com isso, você pode se questionar: “Como vou entender ou diagnosticar o que tenho, se minhas dores não podem ser detalhadas por um médico?”. E nós responderemos a essa pergunta, que tende a fazer parte da mente de muitas pessoas que buscam por respostas: com base em seus estudos, Cristina Cairo publicou em 1999 um livro chamado “Linguagem do Corpo”, em que nos fala sobre esse assunto de maneira simples, direta e clara!

No livro, Cristina afirma que as dores que acometem a lombar são desencadeadas por questões emocionais e psicológicas, que resultam em contraturas musculares, tensões e outros problemas que raramente se findam com a ingestão de remédios. Ela ainda ressalta que a área das costas é a que mais sofre com desequilíbrios mentais, emocionais e psicológicos.

Atentando-se um pouco mais às questões ligadas à relação mente-corpo, nossas emoções e sentimentos podem causar dores e desconfortos nos músculos, ossos, articulações… e o curioso desse fato é que problemas causados por estresse ou ansiedade podem alterar estruturas que, aos poucos, dão origem a alterações significantes capazes de prejudicar a qualidade de vida de um indivíduo.

Como questões emocionais causam dores na lombar?

Muitas pessoas não acreditam, mas a saúde emocional reflete, e muito, nas vértebras lombares. A nossa coluna vertebral não é somente uma estrutura que suporta o nosso físico, ela também suporta nossas emoções! Essa parte do corpo humano é vista como um pilar. Afinal, protege e cobre o sistema nervoso. E a partir disso, é fácil compreender como a nossa vida sentimental é, de certa forma, “descarregada” na estrutura que nos mantém de pé, firmes ou não para seguir em frente.

Mulher sentindo dores na lombar
Syda Production / Canva

Quando sentimos qualquer tipo de dor física, recorremos a medicamentos. Mas, conforme já foi falado aqui, as dores causadas pelo nosso psicológico não são curadas com remédios. Muito pelo contrário: por mais que um remédio nos proporcione um alívio momentâneo, o real foco do problema não é uma doença patológica, e sim questões emocionais. Desse jeito, o sintoma de que nossa mente não está bem é automaticamente abafado, o que pode alimentar o nosso desequilíbrio.

Para Cristina Cairo, pessoas que sofrem com dores na lombar vivem em meio a contradições na vida sentimental e se comportam como se fossem carentes de amor – mas, ao mesmo tempo, privam-se de viver relações amorosas, pelo fato de que não querem abrir mão da própria individualidade. Toda a indecisão que paira sobre essa confusão acaba dando início a desequilíbrios que “pesam” na região da coluna. É como se fosse mais um peso que um indivíduo decide carregar por não querer escolher trabalhar ou resolver suas próprias questões pessoais.

Já por uma outra interpretação, problemas com dinheiro, ansiedade sobre carreira profissional, tensões relacionadas com o prazer sexual e as incertezas de vínculos amorosos fazem com que uma pessoa perca a sua flexibilidade do ser, causando, assim, dores e desconfortos na lombar. Em alguns casos, a inflexibilidade da coluna pode ser explicada pela inflexibilidade da vida emocional. Sabe aquelas pessoas que nunca dão o braço a torcer em suas relações e mais complicam do que resolvem uma situação? Geralmente essas são as que mais sofrem com dores nessa região.

A relação entre ansiedade, tristeza e preocupação com dores na lombar

Homem se levantando da cama sentindo dor na lombar
LightFieldStudios / Getty Images / Canva

Independentemente da causa, a dor é uma reação do corpo, um experimento emocional, sensitivo e uma sensação que o sistema nervoso humano transmite ao corpo. Como ela está ligada ao nosso sistema nervoso, doenças psicológicas como ansiedade e depressão podem promover desequilíbrios na química do cérebro, facilitando, assim, um aumento significativo na dor – que fica mais evidente nas costas.

Na verdade, qualquer tipo de desequilíbrio emocional – como estresse, tristeza, medo ou dúvida – pode causar dor nas costas. Pare e atente-se ao seu redor por instantes. Repare que pessoas estressadas tensionam os ombros e sempre estão com dor nas costas. A correria da vida rotineira provoca inúmeros problemas em quem não para um pouquinho para cuidar da mente.

Como tratar e evitar as dores na lombar causadas por emoções?

O primeiro passo para tratar doenças causadas por problemas psicológicos é buscar ajuda profissional – neste caso, um psicólogo. Há quem pense que fazer terapia é besteira, há quem se envergonhe de admitir que necessita desse auxílio, mas cuidar e prezar saúde da sua mente nunca será vergonhoso!

Para acabar com as dores na lombar que são consequência das suas emoções, faça terapia! Fique frente a frente com questões da sua vida que necessitem de resolução. Encarar o que te machuca fará você superar seus obstáculos e retirar todo o peso que atualmente está sobre as suas costas. Pare de tentar associar os seus incômodos a outras pessoas. Assuma suas falhas, lide com elas e liberte-se! Ninguém precisa carregar um mundo nas costas, todos nós somos humanos e sofremos com o que acontece ao nosso redor.

Mulher idosa sentada no sofá com dor na coluna
PORNCHAI SODA / Getty Images Pro / Canva

Cuide mais da sua mente, tire um tempo para você e reflita sobre sua saúde psicológica! Se as suas dores na lombar são constantes, analise o que precisa ser resolvido nas suas emoções. Lembre daquela coisinha que às vezes faz você perder o sono e resolva! Abra-se com o seu psicólogo e olhe mais para quem você é.

Formas caseiras de cuidar de dores na lombar

Em primeiro lugar, você precisa descobrir o que está causando suas dores na lombar. Se elas forem emocionais, atente-se a três dicas para cuidar de tais desconfortos em casa.

  • Compressa quente

O calor é uma temperatura que faz muito bem aos músculos das costas. Faça uma compressa morna e coloque sobre a região lombar que está doendo. Deixe agir por aproximadamente 15 minutos. Se a compressa esfriar, troque-a.

  • Massagem com cidreira

Mergulhe 150 g de folhas de erva-cidreira em um litro de álcool a 46%. Use um recipiente com tampa, pois a mistura deve permanecer fechada. Deixe em infusão por 8 dias, coe e dilua o líquido em 1/4 de água. Passe nas costas e massageie o local da dor até que a pele esquente.

  • Faça exercícios leves
Pessoas caminhando no parque
ERDAL ISLAK / Getty Images / Canva

A prática de exercícios promove o fortalecimento muscular e reduz, no decorrer dos dias, as dores da lombar. Opte por caminhadas curtas ou um passeio leve de bicicleta.

Reiki e as dores na lombar

Sabia que o Reiki pode ser aplicado em pessoas com dores nas costas e que ele promove uma melhora significativa neste incômodo? A energia dessa prática promove ao organismo uma liberação de substâncias como endorfina e encefalina, que agem como analgésicos e anti-inflamatórios naturais, pois proporcionam sensações positivas, como bem-estar, prazer e relaxamento. Assim, a musculatura relaxa e as dores diminuem – as energias do Reiki quebram os bloqueios existentes no organismo, fazendo com que o sangue flua de forma livre.

Você também pode gostar

Além dessa parte física, o Reiki ajuda a tratar as doenças emocionais, que aqui são o foco da dor. Ele troca as energias negativas por positivas e ajuda uma pessoa a equilibrar-se novamente, por meio de vibrações e pela sua carga energética.

Agora você já sabe que, além de fatores físicos, as suas emoções também podem ser as causadoras das dores na lombar. Foque um pouco mais as confusões que você tem ignorado no seu ser e resolva tudo que estiver pendente. Como afirma Cristina Cairo, é imprescindível analisar o que acarreta todo esse desequilíbrio, para que a sua mente não descarregue os seus sentimentos na sua região lombar. Se as dores persistirem, não hesite em consultar um médico.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]