Linguagem do Corpo Saúde Integral

Livre-se do orgulho e dê adeus a enxaqueca e dor de cabeça!

Mulher com as0 mãos na cabeça sentindo dor forte
maridav/123RF
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Em algum momento da sua vida você já teve uma dor de cabeça para a qual tomou um analgésico, comprado na farmácia, sem prescrição médica, com base numa propaganda da TV ou na indicação do próprio farmacêutico. Esse é um comportamento corriqueiro entre a maioria das pessoas, porque todos desejam resolver rapidamente o desconforto da dor e atender aos muitos afazeres cotidianos.

Também é possível que você seja de um grupo de 10% da população mundial que tem uma dor de cabeça muito forte, para a qual o mesmo analgésico não surte o efeito desejado e ela pode estar acompanhada de náusea, tontura, fadiga ou vômito. Ela é conhecida como enxaqueca.

Tanto a dor de cabeça, também chamada de cefaleia, quanto a enxaqueca acomete homens, mulheres e crianças nas mais variadas idades. Saiba mais sobre esse assunto do ponto de vista fisiológico e emocional.

Mulher sentada em um sofá com as mãos cobrindo o rosto
Ivan Aleksic/Unsplash

Em se tratando de psicanálise, Cristina Cairo afirma em seu livro que pessoas vítimas de enxaqueca são donas de um orgulho muito forte, e não se soltam com facilidade por temerem um possível domínio proveniente de pessoas à sua volta.

Enxaqueca e dor de cabeça segundo Cristina Cairo:

Os indivíduos que sofrem de enxaqueca têm um orgulho muito forte e não permitem que pessoas autoritárias mandem em sua vida ou controlem seus passos. Resistem a tudo e a todos que, conforme eles acreditam, queiram invadir seu espaço vital. São pessoas que não relaxam aos prazeres, pois receiam serem dominados de alguma forma. Normalmente têm medo do sexo ou de suas consequências, devido a limitações morais, familiares, etc.

Se você se identifica nesta situação, solte-se e deixe seu coração “falar”. Não use a razão constantemente, pois devemos equilibrar os dois hemisférios cerebrais (razão e emoção), para evitarmos esses conflitos internos e suas somatizações. Suavize seus pensamentos.

Será que alguém ou alguma situação contrariou você? Ou talvez você tenha se sentido desconsiderado(a) por alguém um tanto importante de quem você esperava maior consideração.

Mulher sentada no chão ao lado da parede com a mão na cabeça
Carolina Heza/Unsplah

Seja o que for, pense sobre a sua própria conduta e veja o quanto você está sendo inflexível consigo mesmo(a) e com os outros. Aceite docilmente o que aconteceu e se proponha a mudar o seu caminho através de seus ideais e você verá como a dor desaparecerá. Acredite que qualquer dor de cabeça é sinal de um orgulho muito forte, conforme já expliquei, e para acabar com ela é preciso modificar os seus pensamentos exatamente no momento da dor. Tudo é uma questão de exercício e flexibilidade. Tente, pelo menos uma vez, acabar com a dor sem o auxílio de remédios. Esqueça o medo e apenas reconheça o que ou quem contrariou você e desarme-se procurando uma boa maneira de mudar sua vida para melhor.

Você também pode gostar

A paciência e a coragem com você mesmo acabarão com uma simples dor de cabeça ou com a enxaqueca.

Veja alegrias em ambientes que você não gosta de frequentar e não resista à contrariedade que o fez entrar neste ambiente. Experimente se soltar e se divertir mais, em vez de negar e criticar as opiniões diversas das suas. Lembre-se de que sua carência e seu desejo de receber amor e carinho aumentam quanto maior for a sua inflexibilidade e o seu orgulho. OK?

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]