Autoconhecimento Espiritualidade Tarot

O Carro: conheça o significado dessa carta e como ler em seu tarô

Seja no tarô tradicional ou em suas variações, que vão desde o mitológico até o alquímico, o Carro é um elemento que se destaca pela sua grande significância. Relacionado ao triunfo, essa carta possui uma série de características poderosas que devem ser interpretadas com atenção. Veja tudo sobre ela e faça leituras cada vez melhores!

Entre os 22 Arcanos Maiores do tarô, O Carro é a 7° lâmina (ou carta) dos arcanos maiores e carrega o simbolismo do triunfo, do comando em direção a um caminho de conquista e evolução. Um arcano muito forte por simplesmente remeter o poder do controle e direção de sua jornada, mostrando que é possível direcionar as situações com determinação e vontade.

É associado ao sucesso e a espiritualidade pois o comando não vem somente da ação física e sim, do autoconhecimento que gera motivação da alma, pois tudo é mental e tem uma intenção primordial – anterior a fisicalidade. Através dessa determinação interior (o desejo que impulsiona) com determinação e direção, é possível superar obstáculos e alcançar a vitória.

Seus principais significados são: comando, determinação, confiança, merecimento, esforço, evolução, espiritualidade, avanço, progresso, propósito, objetivos, caminhos, jornada, projeção, oportunidade, racional, sabedoria, direcionamento, foco, autocontrole.

Já o sentido oposto são: conflitos, descontrole, obsessão, impulsividade, egoísmo, estagnação, passividade, manipulação, desequilíbrio mental, medo, inseguranças, agressividade, alienação e esgotamento.

Com respeito as cores, o azul e o amarelo são as cores que mais se destacam na maioria dos baralhos. Ambas as cores, remetem ao intelecto, à introspecção e a sutileza espiritual. Enquanto o amarelo representa poder por reluzir a riqueza, o azul a inspiração e a consciência.

Quanto ao nome da carta, além de ser conhecida como O Carro, também é conhecida como A Carruagem, The Triumph ou The Chariot (em inglês) e Le Chariot nos baralhos em francês. Independentemente da nomenclatura, o essencial significado da carta é sempre o mesmo como veremos a seguir.

Te convidamos a continuar a leitura e mergulhar na aura de mistério dessa carta tão importante no tarô. Aprenda seu significado, quais elementos a compõem e outras curiosidades que a envolvem!

Significado dos elementos da carta O Carro

A análise a seguir é com base do Tarô de Rider-Waite, um dos baralhos mais tradicionais e traz elementos importantes para o significado geral da carta. Confira!

Representação da carta "O Carro" do Tarot de Marselha.
Sketchify / anlomaja / Canva Pro
  • Condutor: vemos um belo jovem que pode ser um guerreiro ou um príncipe da realiza vestido de sua armadura e coroa. Parece estar em pé na carruagem com os braços apoiados na carruagem e somente a mão direita que segura um cetro. O condutor é de pele clara com cabelos loiros e volumosos (o volume do cabelo ou cabelos ondulados e cacheados denotam flexibilidade e acessibilidade).
  • Armadura: a cor dominante da armadura é azul, porém, podemos perceber que parte da armadura nos braços são prata (ferro) simbolizando proteção e comando interior. Os detalhes em amarelo reluzem poder e materialidade através do símbolo quadrado – elemento terra. Nos ombros, duas meias-luas em amarelo que significam a capacidade de carregar seus sentimentos e motivações internas, os quais, lhe dão poder para obter as conquistas – novas jornadas. E o cinto em amarelo, posicionado meio caído para o lado esquerdo representa a necessidade do equilíbrio da ação (razão/direita) em direção aos sentimentos (o sentir/esquerda).
  • Cetro: representa poder e controle e sua ponta forma uma espécie de flecha (triangulo para cima) ou uma forma da chama de uma vela (o fogo da vida).
  • Coroa: decorada com folhas de louro (símbolo da vitória), quatro triângulos em amarelo (o poder manifestado) e uma grande estrela dele 8 pontas simbolizando o triunfo e a evolução espiritual.
  • Carruagem: o carro possui um toldo com cortinas em azul e diversas estrelas em branco podendo representar um céu estrelado demonstrando sua invencibilidade. E um símbolo de asas com círculo amarelo ao centro, fazendo referência ao ponto central de toda jornada: o caminho do Logos. Por fim, um brasão fazendo referência a um dos símbolos maçônicos o qual o criador do baralho, Arthur Edward Waite fazia parte.
  • Esfinges: uma branca e uma negra representando a dualidade e forças opostas mostrando o livre-arbítrio de tomar as rédeas e o controle destas forças seguir, ou seja, deve conhecer a si mesmo para saber aonde se quer chegar.
  • Paisagem: ao fundo, um rio e uma cidade indicando que o jovem condutor está abandonando as coisas mudanças em busca de uma nova jornada de descobertas e autoconhecimento.

Similaridades e diferenças do papa em diferentes baralhos

Além do baralho Rider-Waite, criado em 1910, por Arthur Edward Waite e William Rider, existem outras versões, nas quais alguns detalhes mudam. Em sua maioria, as similaridades da lâmina O Carro são o veículo de condução (jornada da vida), os animais (o instinto, a dualidade e a força) que puxam a carruagem, o simbolismo da vitória (a motivação), a mensagem ou elemento que traduzem o movimento (o progresso). A mensagem é a capacidade de assumir o controle e direcionar o objetivo para o sucesso através da determinação, da vontade e do equilíbrio das forças. Quanto as diferenças, um exemplo de diferença está entre o baralho original Rider-Waite com a nova versão New Vision Waite (lançado em 2003) onde mostra um cenário da Carruagem chegando a cidade, sendo recebido por um público festejando sua volta e sua vitória, pois, vemos duas pessoas acorrentadas a carruagem. Essa carta traz um olhar muito profundo sobre – o que de fato é uma vitória? Revela que, numa determinada época da história humana, pessoas eram capturadas ou eram consideradas como um “prêmio”. Perceba que temos um homem de pele escura (que olha para frente como se estivesse encarando a nós com olhar de total desafio) e uma mulher de pele clara, ambos representam a dualidade masculino e feminino; o branco e preto; a liberdade e escravidão. Um arcano com uma mensagem muito peculiar!

Tarô mitológico

Criado em meados de 1980, por Liz Greene e Juliette Sharman-Burke (astróloga e taróloga, respectivamente), este baralho se refere a sétima lâmina com um jovem e poderoso guerreiro (Ares – deus da guerra) dirigindo um carro de guerra. Veste uma armadura e capacete que pode ser de ouro ou bronze (metal muito usado na época) e sua roupa na cor vermelho (ação, impulsividade). À frente da carruagem, um escudo e uma lança. O jovem segura com firmeza as rédeas de dois cavalos, um preto e um branco (os potenciais do bem e do mal contidos no instinto), que parecem querer seguir em direções opostas. O cenário é uma estrada poeirenta e um deserto atrás. No céu, avistamos nuvens negras no horizonte aparecendo ser uma ameaçam uma tempestade.

Tarô de Marselha

Existem diversos modelos do tarô Marselha com pouquíssimas variações de figuras, detalhes e cores. Na tradicional carta, aparece um jovem conquistador coroado (note a cor amarela) parece estar em pé na carruagem em forma de um quadrado ou cudo, representando a materialidade. Sua vestimenta é uma armadura nas cores azul (proteção na região do peito), vermelho e amarelo (cores do poder e da realeza). Com a mão direita, o jovem segura seu cetro ou bastão do poder, enquanto a mão esquerda está na cintura, mostrando equilíbrio entre o poder/razão e emoção. Se olhar bem para a expressão do rosto do conquistador, perceberá uma feição jovem e serena. Os Cavalos estão em direções opostas e representam as contradições – passividade e agressividade. Repare nas expressões dos cavalos: o azul olha com desdém para o cavalo vermelho, mostrando resistência e contrariedade. A carruagem tem um toldo com tecido branco e 4 pilares que também dividem e harmonizam as cores vermelho e azul como os cavalos. Por fim, na ombreira da armadura do conquistador, aparecem imagens de rostos com feições distintas (como os cavalos) olhando para cima – representação de Urim e Tumim, oráculos divinatório.

Tarô Egípcio

Essa versão de tarot e em todas as cartas, há uma divisão em 3 partes: superior (plano espiritual), central (plano mental) e inferior (plano material) e os simbolismos que cada carta carrega estão relacionados aos eventos e personagens e deuses da cultura egípcia. O carro neste baralho é chamado de O Triunfo e mostra a determinação da Alma (o condutor) a percorrer os caminhos que levam ao seu objetivo. No plano superior sempre será encontrado símbolos dos Espíritos Planetários Olímpicos, letra do Alfabeto dos Magos e Ideogramas. Às vezes, aparece um quarto elemento que, na carta O Triunfo, aparecem asas e um círculo ao meio – simbolizando o deus Sol RA – O Carro do Sol. Na parte central, um guerreiro que está de pé no seu carro de guerra que tem um formato cúbico com 4 pilares que representam os 4 elementos, os quais, os guerreiro domina e se desenvolve (evolução). Na sua mão direita, uma espada e na sua mão esquerda, o báculo do poder. Ele veste uma couraça que o torna poderoso formando um trio de poder e vitória. Na sua cabeça, coroa referente ao baixo Egito, como sinal de poder e domínio das coisas materiais enquanto tem a proteção e o poder do deus RA (asas acima). E no plano inferior, nas águas da vida, duas esfinges, branca (está na cor verde) e negra que puxam o seu carro, simbolizando as forças masculinas e femininas, o bem e o mal. Por fim, os símbolos astrológicos Netuno e Peixes e a letra hebraica Zain.

The Wild Wood Tarot

Nesse tarot, inspirado na mitologia céltica e mergulhado na sabedoria xamânica O Carro é O Arqueiro (The Archer em inglês), que segura seu arco e flecha apontando para algum alvo. Ele está pronto, em posição de ataque em posse de seu principal instrumento, arco e flecha, que remetem ao dinamismo, energia, velocidade, luta e conflito. Junto ao arqueiro, vemos lobos – animal de poder, força e caça. Ambos estão concentrados em atingir o alvo, ou melhor dizendo, o objetivo.

Tarô Alquímico

Nesse tarô de Robert Place, a carta é denominada The Chariot (em inglês), onde vemos as costas da carruagem nos dando a sensação de poder acompanhar o jovem guerreiro coroado (ou príncipe) indo a um destino, guiando seus cavalos. Essa carta traz um belíssimo movimento. Te convido a fechar os olhos e imaginar viajando junto com o guerreiro. Sentirá uma sensação de poder, desejo, vontade e curiosidade que esse arcano nos faz sentir. Todo o cenário emana lucidez. Ao horizonte, um campo a ser explorado; a carruagem parece estar flutuando no ar, mas não de forma desordenada, muito pelo contrário! De forma muito determinada pois o guerreiro segura firme as rédeas de seus cavalos mostrando estar no comando da situação. Por mais que os cavalos estejam em direções opostas (um claro outro escuro; um na direção à direita e outro à esquerda), a direção que o carro segue é a do olhar do guerreio, ou seja, quem escolhe o caminho a seguir é o condutor. Sendo assim, pela posição do corpo do jovem guerreiro, ele tomou a decisão de seguir à esquerda. Na parte de cima, vemos uma roda que lembra uma roda astrológica, é a representação do principal objetivo. Como o baralho fala da alquimia, o sol é o fogo, a vitalidade, o ponto central do objetivo a ser conquista e os símbolos alquímicos: Sal (abaixo da roda e acima do cavalo vermelho); Enxofre (à esquerda da roda e acima do cavalo branco); e Mercúrio (à direita da roda e abaixo do carro) – elementos do princípio alquímico Corpo, Alma, Espírito.

Como O Carro te ajuda a desenvolver seus dons espirituais?

Eis um arcano que tem um potencial espiritual enorme para ser desenvolvido como: autocontrole e disciplina, essenciais para aprender a dominar as emoções e impulsos, permitindo que a mente permaneça tranquila e focada durante práticas espirituais. Equilíbrio interior por ajudar a equilibrar e comandar forças opostas e complementares como vida material e o espiritual; o físico e o emocional. Ter determinação e foco no desenvolvimento espiritual e a progressão espiritual associada ao movimento, ou seja, o desejo e a vontade de continuar avançando na jornada espiritual e do autoconhecimento.

A energia do O Carro e a força interior

Como vimos, todos os baralhos mencionados remetem o despertar da força interior pela determinação, autoconfiança e coragem. Ela simboliza a capacidade de assumir o controle da vida e direcioná-la em direção aos objetivos desejados. É ser inabalável para seguir em frente apesar dos desafios que possam surgir no caminho, a autoconfiança necessária para seguir adiante, a coragem para avançar em direção ao desconhecido, enfrentando medos e incertezas com bravura. A se arriscar e sair da zona de conforto para alcançar um crescimento pessoal e espiritual. E por fim o empoderamento. O carro é um arquétipo que transmite poder e conquista. Desperta um sentimento de empoderamento incentivando a ser protagonista de sua própria história.

O Carro na astrologia

Cada baralho traz sua correlação astrológica. Nas descrições dos baralhos acima, vimos que no tarot egípcio se faz referência ao planeta Netuno e Peixes. Já em outras referências, a carta O Carro tem uma correspondência astrológica com o signo de Câncer. Essa correlação se dá principalmente pelo fato de que Câncer é regido pela Lua que desempenha um papel nas emoções e intuição. Enquanto câncer é conhecido por sua natureza emocional e intuitiva, o arcano O Carro, muitas vezes, representa a importância de equilibrar e lidar com as emoções para seguir com seus planos e objetivos. Além disso, ambos destacam a força interior e a capacidade de superar desafios com determinação e coragem. Outra similaridade entre o arcano com o signo está na valorização da segurança e a proteção.

Você também pode gostar:

O Carro é um lembrete poderoso de que temos o poder de influenciar nosso próprio destino. Esse arcano nos convida a ser protagonistas de nossas vidas, tomando decisões mais conscientes, enfrentar os desafios de frente, sempre buscando viver as experiência e progredir com elas. Nos instiga a desenvolver propósito e criar uma missão em nossas vidas. E desperta dons, virtudes, talentos e habilidades que todos nós temos.

Artigo escrito em parceria com a numeróloga e taróloga Liggia Ramos, colunista do Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br