Espiritualidade Hinduísmo

Shiva: O Todo Poderoso

Estátua do Deus Shiva.
Jayakumar Radhakrishnan / 123rf
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Se você sabe um pouco sobre o hinduísmo, deve conhecer Shiva, um dos deuses mais relevantes e importantes dessa religião. Seu nome quer dizer “O Auspicioso” em sânscrito, que pode ser descrito como “aquele que é esperançoso e que promove a esperança”. Esse deus também é conhecido como “Shankara”, “Shambu” e “Mahadeva” que significam, respectivamente, “Beneficente”, “Benigno” e “Grande Deus”. Shiva possui associação direta à criatividade, a tudo o que é fértil e ao tempo. Ele é tido como uma divindade tranquila, capaz de contagiar tudo o que está à sua volta com uma paz evidente e afastar qualquer sentimento negativo que possa se achegar. Continue lendo este artigo e saiba tudo sobre esse deus que é considerado um dos criadores do Yoga!

A história de Shiva

Segundo tradições indianas, Shiva era um deus que aparecia na Terra como um ser humano — mais precisamente como um sábio praticante de Yoga intitulado “Yogi”. Como Shiva era extremamente sábio, sua inteligência causou incômodo ao rei das trevas, que decidiu armar uma armadilha para matá-lo: foi enviado à terra uma cobra, mas Shiva domou-a e começou a usá-la como um enfeite em seu próprio pescoço. Diante desse plano falho, o demônio que queria destruir Shiva tentou matá-lo novamente: enviou um tigre. Dessa vez, Shiva não conseguiu domar o animal e teve que matá-lo, decidindo em seguida usar a pele da fera como vestimenta.

As primeiras menções a esse deus são datadas de por volta do ano 4.000 c.C., no período Neolítico — mas naquela época ele era intitulado “Pashupati”, que significa “animais” (pashu) e “senhor” (pati). Tal nomeação se devia ao fato de que ele era habilidoso com os “monstros” que viviam no seu interior e de que aceitava e lidava com todas as suas feras para evoluir em todos os aspectos possíveis.

Os poderes de Shiva

Shiva tem o poder de disseminar e de destruir, porém ele não pode ser considerado literalmente como um deus devastador, pois ele age devastando e desintegrando tudo o que é velho, para que seja possível edificar o que é novo. A partir dessa visão, ele é considerado um grande restaurador, responsável por revigorar forças que já se perderam, transmutando tudo o que há ao seu redor. Ele possui o poder de restauração, de renovar e de fortalecer.

Estátua de Shiva.
Julie Ricard / Unsplash

Esse deus ainda é a representatividade de quem conseguiu vencer as suas feras interiores e aprendeu a lidar com elas, sendo incentivo àqueles que buscam equilibrar os seus sentimentos para ter uma vida plena. Dono de uma personalidade serena e positiva, Shiva também propaga a sua generosidade a quem se dispõe a se aproximar dele.

Símbolos e representações de Shiva

Shiva é representado como um homem que possui quatro braços e que está sentado em posição de lótus. Dois de seus braços estão sobre as suas pernas e os outros dois possuem fortes simbolismos que ressaltam os seus poderes: a mão direita aberta simboliza as bênçãos oferecidas, enquanto a esquerda carrega um tridente.

Intitulado como “Trishula”, o tridente representa a arma usada para destruir a ignorância do ser humano, assim como o terceiro olho do deus, que está presente no meio de sua testa, indica o poder de abrir a mente à sabedoria e de acabar com a ignorância.

A serpente que fica em volta do pescoço de Shiva representa o domínio da morte, além de simbolizar o kundalini, que nada mais é do que uma energia presente na coluna, de acordo com a prática de Yoga, e que, quando despertada, é capaz de fazer o alinhamento dos chakras.

Na cabeça de Shiva ainda há um fluir de águas que representa o rio Ganges, que, segundo histórias, era um rio extremamente violento capaz de arruinar a Terra por causa da sua força. Desse modo, o deus aceitou que o rio fosse de encontro à sua cabeça antes de seguir o fluxo das águas, com o objetivo de diminuir o impacto e não destruir as nações.

Outro símbolo que carrega grande importância é o ligam, que simboliza o pênis. Assim, ele simboliza o meio de criação e da força masculina diante do Universo. De contrapartida, a base do ligam representa o órgão genital feminino, a vagina, dando a entender que a criação só se torna possível com a união de ambos os gêneros.

Por que Shiva é azul?

Estátua de Deus Shiva com pôr-do-sol ao fundo.
Harikrishnan Mangayil / Pixabay

De forma direta e clara, a cor azul de Shiva é baseada no veneno que o deus ingeriu com o intuito de salvar o mundo. A lenda hinduísta afirma que, no início de tudo, havia um oceano composto apenas por leite chamado de Kshira Sagara. Naquele tempo, a Terra era habitada por deuses e demônios, que descobriram que no fundo desse oceano, havia um néctar intitulado amrita, que continha um poder que podia promover a imortalidade. Mas aí criou-se um questionamento: “Como ter acesso à fonte da vida eterna?”. A forma para obtê-la foi muito criativa!

Deuses e demônios separaram a montanha Mandara, amarraram nela com uma corda, uma serpente chamada Vasuki. O intuito dessa amarra era que um redemoinho se criasse a fim de fazer o líquido se “mexer” e vir à superfície, para que fosse possível pegá-lo.

Na prática dessa ideia, os deuses seguravam, puxavam e mexiam a corda e, em seguida, os demônios. E assim seguiram, até que as águas revelassem o néctar. No meio de toda a movimentação, o oceano trouxe à superfície um veneno extremamente mortal — halahala —, que estava exatamente do lado do néctar, amrita. Para proteger o néctar do veneno, Shiva engoliu a substância que causaria sua morte, mas sua mulher, Parvati, apertou o pescoço do deus, fazendo com que o veneno não fluísse sobre o seu corpo. Mas mesmo assim, o poder do veneno fez com que Shiva ficasse com a sua garganta queimada, o que deu a ele o tom azul.

Em diversas representações de Shiva, ele é inteiramente azul, mas alguns o apresentam na coloração branca.

Você também pode gostar

Curiosidades sobre Shiva

Shiva é um deus adorado principalmente na Índia e conta com inúmeras curiosidades. Conheça algumas:

— Shiva faz parte de uma Trindade chamada Trimûrti, composta por Vishnu, o deus que preserva os seres; Brahma, o deus que criou tudo; e Shiva, o deus da destruição e da regeneração das forças e corpos celestiais;

— A lenda afirma que Shiva não era um marido presente e que sua mulher, Parvati, ao se sentir muito sozinha, acabou deixando a higiene de lado. Com esse descuido, toda a sujeira acumulada sem seu corpo ficou evidente, o que fez com que Parvati moldasse o seu próprio filho a partir dela, chamando-o de Ganesha;

— O terceiro olho de Shiva tem o poder de captar tudo o que não é sensorial. Enquanto todos temos olhos que olham o que é externo, esse terceiro olho enxerga a parte interna dos seres;

— Shiva também é conhecido como o deus da dança e suas coreografias representam aspectos da sua natureza, como a devastação, a criação e a proteção;

— Entre os meses de março e fevereiro, devotos do hinduísmo celebram o Maha Shivaratri, que significa “Grande Noite de Shiva” e que é considerado um dos festivais mais expressivos da religião. Nesse dia, Shiva é homenageado em uma festa que faz alusão ao casamento do deus com sua mulher, Parvati. Os hindus fazem vigília e andam pelas ruas meditando, usando fantasias, fazendo orações, entoando mantras e oferecendo leite, iogurte, manteiga e açúcar ao deus. Essa comemoração ocorre principalmente na Índia e no Nepal.

Estátua de Shiva.
Gúŕú śàí Pŕàkèśh / Unsplash

Esse deus possui forte influência não só para os devotos do hinduísmo, mas também para os praticantes do Yoga e para todas as pessoas que buscam equilíbrio espiritual. Mesmo sendo adorado por muitos indianos, Shiva é conhecido por promover uma vida repleta de realizações e livre de qualquer negatividade.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]