Saúde Integral

10 ervas anti-inflamatórias: Conheça suas funções

Ramos de ervas espalhados sobre uma mesa de madeira.
Boswellia / 123RF
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Inflamações são respostas naturais do organismo quando há algum tipo de infecção, doença, agressão ou lesão, e seus principais sintomas são calor, inchaço, vermelhidão e dor, que pode ser crônica ou aguda. As inflamações crônicas costumam ter duração de mais de três meses, enquanto as agudas são de curto prazo.

Há muitos medicamentos que tratam as diversas inflamações que podem ocorrer no corpo humano – sempre com prescrição médica –, mas também existem diversas plantas na natureza que têm inúmeras propriedades medicinais que podem beneficiar o nosso organismo e auxiliar no tratamento de doenças. Não que essas plantas possam substituir remédios indicados por médicos, mas elas auxiliam no alívio dos sintomas e ajudam no combate a maiores problemas.

Optar por tratamentos naturais para a redução de sintomas pode evitar possíveis dependências e futuros problemas causados pelas substâncias contidas em remédios, partindo do ponto de que a sociedade costuma se automedicar quando sente qualquer dor ou desconforto físico.

Vamos conhecer as ervas anti-inflamatórias e suas formas de uso? Continue lendo e confira como a natureza pode beneficiar a sua saúde!

Gengibre

Gengibre sobre superfície lisa. Ao lado, há um recipiente de metal, onde há gengibre em pó.
Pixabay / Pexels

Nativo da Índia, o gengibre costuma ser utilizado na gastronomia e também tem uma grande fama no campo da medicina natural. Essa raiz tem um composto químico chamado de “gingerol” – em sua versão fresca –, que age diretamente nos receptores e terminações nervosas, reduzindo a dor e o inchaço de problemas como artrite e outras inflamações que causam os mesmos sintomas. O gengibre é um poderoso anti-inflamatório, anticoagulante, vasodilatador, analgésico, entre muitos outros atributos que as suas propriedades medicinais proporcionam.

Formas de utilização

O gengibre pode ser consumido em forma de chá, de farinha, em pastilhas naturais, balas. Mas a forma mais eficaz de combater inflamações é como chá. Basta cortar 50 g de gengibre, ferver por 20 minutos em 250 mL de água e beber duas vezes ao dia.

Contraindicações: gestantes, lactantes, pessoas com doenças na vesícula e que utilizam medicamentos anticoagulantes.

Cúrcuma

Colher com cúrcuma em pó.
Karolina Grabowska / Pexels

Conhecida também como “açafrão-da-terra”, a cúrcuma é nativa da Ásia e pertence à família do gengibre. Utilizada principalmente como um tempero, ela é uma especiaria que tem a curcumina, que contém importantes propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes, antibacterianas, antifúngicas, antiescorbúticas, entre outras que beneficiam o organismo humano.

A ação anti-inflamatória da curcumina é tão poderosa que é capaz de superar a ação do ibuprofeno e do ácido acetilsalicílico, segundo um estudo publicado pela revista americana Oncogene em 2004. A especiaria ainda é responsável por reduzir os sintomas da síndrome do intestino irritável e da inflamação dos rins, além de amenizar desconfortos estomacais causados por alimentação excessiva.

Formas de utilização

A cúrcuma pode ser consumida de inúmeras formas: em raiz, em cápsulas ou em pó. Se você optar por consumi-la como raiz, a quantidade indicada é de uma a duas rodelas pequenas por dia. Se for consumi-la em pó, faça um chá com uma colher de sopa para 300 mL de água fervente – beba no máximo uma vez ao dia.

Contraindicações: pessoas com histórico de alergias.

Pimenta caiena

Pimentas caienas.
Elina Sazonova / Pexels

Conhecida popularmente como “dedo-de-moça”, a pimenta é originária das Américas e tem esse nome devido à cidade de Caiena, na Guiana Francesa. Ela é extremamente utilizada como tempero, principalmente no México, na Índia e nos Estados Unidos. Essa pimenta tem a capsaicina, um composto responsável pelo seu ardor, que reduz inflamações, acelera o metabolismo, melhora a digestão, tem ação antialérgica e previne doenças cardíacas. Essa substância ainda dificulta a atividade da substância “P”, que é responsável por enviar os alertas de dor ao cérebro. Por isso é indicado o consumo de pimenta caiena por pessoas que sofrem com dores musculares e articulares.

Formas de utilização

Além do consumo in natura na culinária, você pode fazer uma pomada com 2 colheres de sopa de pimenta caiena e meia xícara de chá de óleo de coco ou manteiga de cacau. Basta misturar bem os ingredientes e massagear suavemente o local.

Contraindicações: gestantes, lactantes, diabéticos e pessoas com problemas estomacais não devem consumir a pimenta caiena sem orientação médica. Faça um teste colocando uma pequena quantidade atrás da orelha e não use se tiver alguma reação.

Manjericão

Folhas de manjericão.
monicore / Pexels

Planta nativa da África, Ásia e Índia, o manjericão é muito utilizado como tempero em culinária, mas é tido como um medicamento desde a Antiguidade. Ele tem propriedades anti-inflamatórias que fornecem ferro, cálcio, cobre, manganês, ômega 3 e vitaminas A, C e K. Responsável por diminuir inchaços, melhorar o sistema imunológico, a saúde bucal e auxiliar no tratamento de doenças no estômago, o manjericão pode até reduzir o estresse. Ele ainda diminui o inchaço de artrites e tem ação similar aos principais medicamentos anti-inflamatórios.

Formas de utilização

O manjericão pode ser consumido in natura em saladas ou em chá. Para fazer um chá dessa planta, basta pegar 10 folhas e infusionar em 300 mL de água fervente. Beber o chá duas vezes ao dia.

Contraindicações: gestantes, lactantes e crianças menores de 12 anos.

Salsa

Salsa.
Pixabay / Pexels

Tempero muito comum no Brasil e rico em diversas vitaminas, a salsa é uma planta original do Mediterrâneo e tem uma substância chamada luteolina, responsável pela sua ação anti-inflamatória. Além de combater inflamações, a salsa melhora a digestão e a saúde da pele, por conter antioxidantes, combate a infecção urinária, previne AVC e trombose, evita a formação de coágulos sanguíneos, estimula a limpeza dos rins, combate a retenção de líquidos, entre muitos outros benefícios à saúde do organismo – ela ainda previne a anemia, por conter alto teor de ferro e de ácido fólico. O seu chá ajuda a prevenir a artrite reumatoide e a osteoartrite.

Formas de utilização

A salsa tem o seu poder anti-inflamatório redobrado se consumida com aspargos durante a alimentação. Basta acrescentar alguns raminhos da erva no seu prato! Para fazer o chá, pegue um maço de salsa e pique a quantidade correspondente a 2 colheres rasas de sopa. Ferva-a em 500 mL de água por cerca de cinco minutos. Em seguida, tampe a panela por 15 minutos, até que o chá fique morno, e beba-o. Consuma o chá duas vezes por dia por no máximo duas semanas.

Contraindicações: gestantes, mulheres com fluxo menstrual intenso, diabéticos, doentes renais, alérgicos e pessoas com pressão baixa.

Erva-baleeira

Cordia verbenacea.
Marcia Stefani / Flickr / berichard / Wikipédia / Wikimedia Commons

Famosa por ser um anti-inflamatório natural, a erva-baleeira é nativa da Mata Atlântica. Essa planta tem ação medicinal que auxilia no tratamento de contusões, dores na coluna ou musculares, reumatismo, gota, artrite e diversas outras inflamações. Considerada também um ótimo antisséptico, a erva-baleeira age como analgésico e cicatrizante.

Formas de utilização

O mais indicado é fazer uma compressa de chá concentrado de erva-baleeira em lesões que precisam de cicatrização ou que estão em processo de inflamação. Basta ferver 10 folhas em 200 mL de água e limpar com esse chá o local desejado. Massagens com gel e creme dessa erva também são muito eficazes.

Contraindicações: não há registros.

Artemísia

Artemísia.
MichielSt / Wikipédia / Wikimedia Commons

A artemísia é uma planta nativa da Península Balcânica que contém propriedades medicinais muito importantes e anti-inflamatórias. Ela tem substâncias que bloqueiam a produção de prostaglandinas – substâncias responsáveis pelas inflamações no organismo. As suas propriedades anti-inflamatórias são superiores às dos intitulados “anti-inflamatórios não esteroides”.

Formas de utilização

Essa planta pode ser consumida em cápsulas de folhas secas ou em forma de chá com o intuito de agir no combate às inflamações. Para o chá, basta ferver 1 colher de sopa de artemísia em 500 mL de água e beber duas vezes ao dia.

Contraindicações: gestantes, lactantes e pessoas que tomam remédios anticoagulantes devem procurar orientação médica. Para o público em geral, a recomendação também se aplica.

Malva

Folha de malva.
Dimitris Vetsikas / Pixabay

Nativa do sul do território brasileiro, a malva tem propriedades medicinais que tratam inflamações bucais, como a periodontite e a gengivite. Essa planta é capaz de diminuir as moléculas causadoras de tais inflamações, além de reduzir os sintomas como dores. A malva ainda trata infecções diversas, aftas, bronquite, faringite, entre outras.

Formas de utilização

Nesse caso, a malva age poderosamente quando consumida em chá quatro vezes ao dia. Basta colocar 2 colheres de sopa de malva em uma xícara de água fervente. Em seguida, mantenha a infusão por 10 minutos, coe e beba.

Contraindicações: gestantes e lactantes.

Alcaçuz

Alcaçuz
Peter Chou / Pixabay

Pertencente à família das leguminosas, o alcaçuz é nativo da Ásia e da Europa. Tem doçura maior do que a cana e é um importante anti-inflamatório no meio das plantas medicinais. Ele age na redução de rigidez e dor musculares, no alívio de artrite reumatoide de polimialgia reumática e também é eficaz no tratamento de inflamações bucais.

Formas de utilização

Costuma-se consumir o alcaçuz em chá, de uma forma simples e rápida: acrescente uma colher de sopa de raiz de alcaçuz em 700 mL de água fervente. Deixe descansar por 15 minutos, coe e beba uma vez ao dia.

Contraindicações: gestantes, lactantes, pessoas com problemas renais e hipertensos.

Boswellia

Boswellia sacra
Scott Zona / Flickr / Wikipédia / Wikimedia Commons

Esse poderoso anti-inflamatório é conhecido como “incenso indiano” e tem origem na Índia e na Arábia Saudita. A boswellia é muito utilizada na medicina Ayurveda, mas também é tida como um remédio natural por muitas pessoas que buscam o tratamento de doenças como colite, inflamações digestivas, osteoartrite, entre outros problemas inflamatórios.

Formas de utilização

Essa erva é encontrada em forma de cápsulas e não tem indicações de consumo por meio de chá. Geralmente o seu uso é indicado por médicos fitoterápicos, mas costuma-se consumir entre 450 mg a 1,2 g por dia, divididos em três doses diárias.

Contraindicações: pessoas com problemas gastrointestinais devem consultar o médico.

Salgueiro-branco

Salix alba
MPF / Wikipédia / Wikimedia Commons

Salgueiro-branco é uma espécie de planta que nasce em climas frios e temperados. A sua casca tem propriedades anti-inflamatórias, analgésicas, anticoagulantes, desintoxicantes e adstringentes. Seu uso principal é para o alívio de cefaleias, de dores reumáticas, musculares, menstruais, de fibromialgia e também ciáticas. Tem efeito parecido ao da aspirina quando há presença de febre e não costuma causar incômodos digestivos. É considerada também um sedativo natural, pois o seu chá contém efeito calmante e promove sonolência, e pode ser utilizada para o tratamento de infecções na pele ou bucais e de inflamações na garganta.

Formas de utilização

O salgueiro-branco é consumido como chá feito com suas cascas. Coloque uma colher de sopa de cascas cortadas e 300 mL de água em uma panela e deixe ferver por 10 minutos. Deixe esfriar, coe e beba uma vez ao dia.

Contraindicações: gestantes, pessoas alérgicas à aspirina ou com doenças gastrointestinais como gastrite, úlceras, refluxo, diverticulite, entre outros.

Unha-de-gato

Unha-de-gato
Danilo Cattani / Flickr / Wikimedia Commons

Planta nativa da Amazônia, a unha-de-gato é considerada um anti-inflamatório poderoso no tratamento de terminações e tecidos nervosos. Além disso, tem propriedades descongestionantes, bactericidas, citostáticos, entre outros. Essa planta ainda age como um desintoxicante intestinal e renal, sendo usada como um remédio para fístulas, gastrites, colites, úlceras, doença de Crohn, etc.

Mas fique atento: há duas espécies de unha-de-gato que são medicinais, a Uncaria guianensis e a Uncaria tumentosa. Não confunda nenhuma das duas com a planta Ficus pumila, que também carrega o nome de unha-de-gato, porém é altamente tóxica.

Formas de utilização

A unha-de-gato é consumida em forma de chá. Basta ferver 20 g de raízes e cascas da planta em 1 litro de água por 15 minutos. Em seguida, deixe o chá descansar por mais 10 minutos, coe e tome. É recomendado consumi-lo de oito em oito horas, entre as principais refeições.

Contraindicações: gestantes, lactantes, pessoas alérgicas à planta ou que tenham doenças autoimunes.

Aroeira

Aroeira
mauro halpern / Flickr / Wikimedia Commons

A aroeira é uma árvore originária do Peru, e suas propriedades naturais são conhecidas há muito tempo pelos índios residentes da América do Sul. Atualmente, ela é conhecida pelo seu poder anti-inflamatório, causando benefícios articulares e musculares. No Brasil, ela é uma das plantas que estão na lista de plantas medicinais do SUS (Sistema Único de Saúde), indicada especificamente para o tratamento de infecções causadas por fungos ou cândida.

Formas de utilização

O uso principal dessa planta é externo. Seu óleo essencial deve ser misturado a um pouco de óleo vegetal para fazer massagem em tratamentos de artrite ou osteoartrite – assim como de traumatismos em articulações.

Contraindicações: gestantes, lactantes e pessoas com pele sensível ou com problemas gastrointestinais.

Chá-verde

Recipiente de vidro com folhas verdes em seu interior. Ao lado, há uma xícara de porcelana caracterizada como um gato.
Tranmautritam / Pexels

Originado na China, o chá-verde tem inúmeras propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes. Considerado um grande analgésico e anti-inflamatório, sua infusão é muito eficaz no tratamento de diversas doenças, como diabetes e inflamações, reduz o risco de doenças do coração, de câncer, promove um melhor desempenho físico, além de causar muitos outros benefícios à nossa saúde.

Formas de utilização

Costuma-se consumir o chá dessa planta, que deve ser feito da seguinte forma: acrescente uma colher de sopa de chá-verde em 200 mL de água fervente e deixe infusionar por 10 minutos. Coe o chá e beba-o de uma a três vezes ao dia.

Contraindicações: gestantes, pessoas com doenças renais, cardiovasculares ou hepáticas.

Sálvia

Sálvia.
Pattedyr / Wikipédia / Wikimedia Commons

Originária da região Mediterrânica, a Sálvia é uma planta medicinal famosa por ter grande ação anti-inflamatória e antirreumática, agindo na prevenção de doenças e dores musculares, articulares e ósseas, e também por ser digestiva e cicatrizante. Extremamente rica em vitaminas, é utilizada como um tempero na culinária e é tida como um remédio natural desde a Idade Média.

Formas de utilização

Além de ser consumida como tempero, o modo mais comum de consumo da sálvia é em forma de chá. Basta ferver 4 folhas de sálvia em 300 mL de água e beber uma vez ao dia.

Contraindicações: gestantes, lactantes e pessoas com doenças hepáticas.

Cravo-da-índia

Cravo-da-índia
Alexselva / Pixabay

O cravo-da-índia, ou cravinho, é nativo da Indonésia e é considerado uma planta medicinal eficaz no alívio de infecções e dores diversas. Além de ter propriedades anti-inflamatórias, o cravo-da-índia é rico em diversos nutrientes e tem ação antimicrobiana, agindo diretamente contra bactérias, como estafilococos, e fungos.

Formas de utilização

O cravinho pode ser utilizado in natura em receitas culinárias ou em chás, cremes, óleos e afins – tudo vai depender do seu intuito ao consumi-lo. Para se beneficiar com seus poderes anti-inflamatórios, basta fazer um chá com uma colher de café de cravo-da-índia e uma xícara de chá de água fervente. Deixe infusionar por 15 minutos e beba duas vezes ao dia.

Contraindicações: gestantes, lactantes, pessoas com pele sensível ou alérgicas.

Arnica

Arnica
Christhian Peters / Pixabay

Arnica é uma planta nativa das montanhas da Sibéria e da Europa, utilizada há muito tempo pela medicina alternativa no tratamento de inflamações e dores de inúmeras doenças. Ela é utilizada para o alívio de dores musculares, contusões, inchaço e dor nas articulações, assim como inflamações. A arnica tem propriedades anti-inflamatórias, cicatrizantes, analgésicas, entre outras.

Formas de utilização

Para o alívio de dores, a arnica nunca deve ser consumida por via oral. Para se beneficiar de suas propriedades, aplique gel de arnica no local dolorido. De forma geral, não é recomendado ingerir essa planta, pois doses excessivas podem ser fatais.

Contraindicações: gestantes, lactantes e crianças com menos de 12 anos.

Barbatimão

Folhas de barbatimão.
Eurico Zimbres / Wikipédia / Wikimedia Commons

Barbatimão é uma planta nativa do cerrado brasileiro, encontrada em estados como Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, entre outros. Também conhecida como barbatimão-verdadeiro ou ubatima, essa planta é usada no tratamento de feridas, queimaduras, hemorragias, inchaços, dores de garganta, entre outros problemas. Além disso, o barbatimão também é eficaz no tratamento de doenças como malária e diabetes por conter propriedades anti-inflamatórias.

Formas de utilização

O barbatimão tem diversas formas de utilização: em creme, em chá, sabonetes ou em banhos de assento. Para consumir seu chá, basta colocar 20 g de folhas ou de cascas de barbatimão em um litro de água fervente e deixar descansar por 10 minutos. Em seguida, coe e beba-o de três a quatro vezes ao dia.

Contraindicações: gestantes, lactantes e pessoas com doenças no sistema digestivo.

Algodãozinho-do-cerrado

Algodãozinho do cerrado.
Jean Marconi / Flickr / Wikimedia Commons

O algodão-do-cerrado ou algodãozinho-do-cerrado é uma planta nativa do cerrado brasileiro famosa por suas propriedades anti-inflamatórias, analgésicas, antimicrobianas, antipiréticas, purgativas e antidisentéricas. É utilizado comumente para inflamações uterinas, para o tratamento de reumatismo, prisão de ventre, febre e diversas infecções.

Formas de utilização

A forma mais comum de uso do algodãozinho é por meio de chá: acrescente uma colher de café de pó da raiz em 300 mL de água fervente. Deixe infusionar e beba uma vez ao dia.

Contraindicações: gestantes e lactantes.

Alecrim

Alecrim
monicore / Pexels

Famoso tempero extremamente aromático, o alecrim é uma erva originária da região do Mediterrâneo. Muito usado na culinária, ele contém inúmeras propriedades medicinais que melhoram a saúde do nosso organismo. Ele tem propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes, diversos nutrientes e auxilia na redução de inflamações e nas dores causadas por elas.

Você também pode gostar

Formas de utilização

O alecrim tem muitas formas de uso: óleo, sabonetes, cremes, chá, na comida, etc. Para fazer chá de alecrim, ferva 1 ramo pequeno da planta em 300 mL de água por cinco minutos. Deixe descansar por mais 10 minutos, coe e beba uma vez ao dia.

Contraindicações: gestantes, lactantes, pessoas com diarreia ou crianças com menos de 12 anos.

Viu só como existem inúmeras plantas com propriedades que podem nos promover muito mais saúde de uma forma natural? É válido ressaltar novamente que procurar um médico é muito importante! Se você acha que está com alguma inflamação ou infecção, procure um especialista para acompanhar os seus sintomas e sempre informe a ele tudo o que você usa para tratar o que sente!

Atenção: as ervas não substituem nenhum medicamento.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]