Alimentação consciente Nutrição Saúde Integral

Reduza o sal! Se ligue na hipertensão arterial

Dia 26 de abril é o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial.

A hipertensão arterial é a doença crônica mais prevalente no mundo. Por ser uma doença silenciosa, o controle evita o aparecimento de complicações clínicas para que o indivíduo tenha uma boa qualidade de vida.

Hipertensão, Sal e Nutrição

Hipertensão arterial (HA) ou “pressão alta” é uma doença crônica, de natureza multifatorial e assintomática (na grande maioria dos casos) que compromete fundamentalmente o equilíbrio dos mecanismos vasodilatadores e vasoconstritores, levando a um aumento da tensão sanguínea nos vasos, capaz de comprometer a irrigação tecidual e provocar danos aos órgãos por eles irrigados. Caracteriza-se por elevação sustentada dos níveis pressóricos ≥ 140 e/ou 90 mmHg.

Frequentemente está associada a distúrbios metabólicos, alterações funcionais e/ou estruturais de órgãos-alvo, sendo agravada pela presença de outros fatores de risco, como dislipidemia, obesidade abdominal, intolerância à glicose e diabetes mellitus. De acordo com dados da 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial, a doença mantém associação independente com eventos como morte súbita, acidente vascular cerebral, infarto agudo do miocárdio, insuficiência cardíaca, doença arterial periférica e doença renal crônica.

Associada ao diabetes, suas complicações (cardíacas, renais e cerebrais) têm impacto elevado na perda da produtividade do trabalho e da renda familiar. A Hipertensão mal controlada é responsável por metade das mortes por doenças cardiovasculares.

A Hipertensão mal controlada é responsável por metade das mortes por doenças cardiovasculares.

A hipertensão arterial é basicamente uma doença assintomática em estágio inicial e geralmente é diagnosticada somente quando as complicações aparecem, causando assim perda de qualidade de vida e aumentando a taxa de mortalidade.

A principal relevância da identificação e controle da HA reside na redução destas complicações que podem ser prevenidas com o uso de drogas anti-hipertensivas, alimentação adequada e mudanças no estilo de vida. Embora a aderência ao tratamento seja essencial é também um fator limitante para o real controle da doença.

No Brasil, HA atinge 32,5% (36 milhões) de indivíduos adultos, mais de 60% dos idosos. A prevalência é mais elevada nos homens até os 50 anos, invertendo-se partir da 5ª década, e é duas vezes mais prevalente em indivíduos negros. No que se refere à Hereditariedade (quem tem pai ou mãe com hipertensão tem 30% de chances de se tornar hipertenso. Se a herança é bilateral, o risco da hipertensão aumenta para até 50%).

Atualmente, os fatores relacionados ao aumento da prevalência é o envelhecimento da população associado ao aumento na expectativa de vida, assim como aumento da obesidade e do sedentarismo, fatores ambientais, excesso de sal na dieta, estímulos psicoemocionais, entre outros, o que contribuiu para o desenvolvimento da doença.

O objetivo do tratamento dos pacientes hipertensos é manter os níveis de pressão arterial (PA) abaixo de 140/90mmHg e possivelmente em níveis de 130/85 mmHg, além de manter normalmente o estado nutricional. Para tal, o tratamento deve envolver três vertentes: tratamento farmacológico, mudanças no estilo de vida e tratamento dietético; em estágios mais avançados, a associação destes faz-se necessária.

Portanto, a melhor forma de prevenção e controle da hipertensão envolve inicialmente o tratamento não medicamentoso por meio de modificações no estilo de vida, medidas nutricionais e prática de atividades físicas, o que consiste em adotar uma alimentação saudável, evitar a obesidade, manter uma atividade física diária, evitar o excesso de alimentos gordurosos, de doces, de sal e de bebidas alcoólicas, reduzir o estresse e, especialmente, abandonar o fumo.

A nutrição e a importância da aceitação da dieta

A alimentação é reconhecida pela sua função vital para a sobrevivência humana e como condição essencial para a promoção, manutenção e recuperação da saúde dos indivíduos.

A alimentação não é composta só de nutrientes, mas sim de alimentos com características organolépticas como aroma, gosto, textura, cor e forma, além de serem fontes de prazer e trazerem significados culturais, comportamentais e afetivos. Algumas patologias restringem o consumo de alguns alimentos que sempre foram ingeridos pelo paciente, isso faz com haja dificuldade na aceitação e consequentemente o novo cardápio passa a ser recusado.

Estudos têm mostrado que a utilização de dietas radicais resulta em abandono do tratamento.

Uma das medidas importantes para o tratamento não medicamentoso da hipertensão arterial é a implementação de um Plano Alimentar Hipossódico, ou seja “pobre em sal”, sendo que o motivo da restrição de sódio está baseado no fato de que o volume de líquido retido pelo organismo relaciona-se à quantidade de sódio ingerida. Com isso, esses indivíduos sentem um bloqueio na aceitação da dieta. É preciso que o nutricionista desenvolva, junto com o paciente em tratamento, estratégias para a redução da quantidade de sal na alimentação, capazes de contribuir para uma melhor qualidade de vida e longevidade, como a utilização de diferentes temperos, o uso de ervas aromáticas e outros instrumentos que ajudem a mascarar a falta do sal na alimentação. As técnicas dietéticas e gastronômicas também são recursos que ajudam na aprovação do paciente-cliente; para tanto, a implantação da gastronomia na nutrição clinica é fundamental para a motivação da ingestão e reeducação alimentar dos indivíduos hipertensos.

Vários estudos têm mostrado que a utilização de dietas radicais resulta em abandono do tratamento. O controle da hipertensão por meio de medidas dietéticas específicas visa não apenas a redução dos níveis tensionais, mas também identificar os pacientes de risco nutricional, uma vez que o estado nutricional é resultado da relação entre o consumo de alimentos e suas necessidades; se cair na aceitação, ele perde peso e, se não aderir, leva as complicações da doença. Desta forma, o consumo pode levar a ingestão de certos nutrientes que induzam respostas às vezes indesejáveis na pressão arterial e no sistema cardiovascular. Os alimentos “de risco”, ricos em sódio, açúcares e gorduras saturadas, por exemplo, devem ser evitados, ao passo que os “de proteção”, ricos em fibras, cálcio, potássio e magnésio, estimulados para contribuir com a incorporação de hábitos alimentares permanentes. O foco em apenas um único nutriente ou alimento tem perdido espaço para a análise do padrão alimentar do individuo, que permite uma visão mais ampla entre os nutrientes/alimentos pelo nutricionista. Sendo assim, o sucesso do tratamento da HA com medidas nutricionais dependerá da adoção de um plano alimentar saudável e sustentável.

O paladar se adapta à redução da quantidade de sal nos alimentos. Portanto, a diminuição gradativa do sal não afetará a percepção do sabor dos alimentos. O indivíduo deve experimentar os alimentos antes de adicionar mais sal, pois geralmente eles já têm sal adicionado na preparação.

O paladar se adapta à redução da quantidade de sal nos alimentos.

O hábito alimentar dos hipertensos deve incluir: redução da quantidade de sal na elaboração de alimentos; retirada do saleiro da mesa; restrição das fontes industrializadas de sal (molhos prontos, sopas em pó, embutidos, conservas, enlatados, congelados, defumados e salgados de pacote tipo snacks); uso restrito ou abolição de bebidas alcoólicas; preferência por temperos naturais como limão, ervas, alho, cebola, salsa e cebolinha, em substituição aos similares industrializados; redução de alimentos de alta densidade calórica, substituindo doces e derivados do açúcar por carboidratos complexos e frutas, diminuindo o consumo de bebidas açucaradas e dando preferência a adoçantes não calóricos; estimular o consumo de frango, peixe e a redução da ingestão de carne vermelha; inclusão de, pelo menos, cinco porções de frutas/verduras no plano alimentar diário, com ênfase em legumes ou frutas cítricas, cereais integrais; oleaginosas e opção por alimentos com reduzido teor de gordura, eliminando as gorduras hidrogenadas (“trans”) e preferindo as do tipo mono ou poli-insaturadas, presentes nas fontes de origem vegetal, exceto azeite de dendê e óleo de coco; ingestão adequada de cálcio pelo uso de produtos lácteos, de preferência, desnatados; busca de forma prazerosa e palatável de preparo dos alimentos: assados, crus e grelhados, plano alimentar que atenda às exigências de uma alimentação saudável, do controle do peso corporal, das preferências pessoais e do poder aquisitivo do indivíduo/família.

Nutrientes importantes e os benefícios na Pressão Arterial (PA)

Potássio, Cálcio e magnésio

A dieta com frutas, verduras e laticínios de baixo teor de gordura apresenta quantidades apreciáveis de cálcio, magnésio e potássio, proporcionando efeito favorável em relação à redução da pressão arterial e de acidente vascular cerebral. O cálcio é um mineral que exerce função hipotensão, contribuindo para diminuição dos níveis prescrições. O magnésio é um potente inibidor da contração da musculatura do coração e participa da regulação da pressão arterial como um vasodilatador. No caso do leite, além de cálcio e potássio, ele ainda contém peptídeos bioativos que podem diminuir a PA. Existe benefício na redução da pressão arterial com o consumo de uma dieta variada e equilibrada. Podem-se citar como fonte de cálcio: leite e derivados, vegetais, folhosos, sardinhas e salmão; como fontes de magnésio, temos: cereais integrais, leguminosas e vegetais folhosos verde escuros.

As dietas ricas em potássio devem ser incentivados, uma vez que aumentam os benefícios da dieta hipossódica. O potássio induz à queda da pressão arterial por meio do aumento da natriurese, “excreção de sódio”. Além do efeito anti-hipertensivo, o potássio exerce ação protetora contra danos cardiovasculares e como medida auxiliar em pacientes submetidos à terapia com diuréticos. A Organização Mundial da Saúde recomenda o aumento da ingestão de potássio a partir de alimentos para reduzir a pressão do sangue e o risco de doença cardiovascular, acidente vascular cerebral e doença cardíaca coronariana.

Para aumentar o consumo de potássio, introduza alimentos como feijão, ervilha, vegetais verde escuros, banana, melão, cenoura, beterraba, frutas secas, tomate, batata inglesa e laranja.

Alho

O alho possui inúmeros componentes bioativos, como a alicina (encontrada no alho cru) e a s-alil-cisteína (encontrada no alho processado) e podem auxiliar na diminuição da PA.

Café, Chá verde e Chocolate Amargo

O café e chá-verde, apesar de rico em cafeína, substância com efeito pressor agudo, contém politeness. No caso do chá-verde, as catequinas podem favorecer a redução da PA. No entanto, pela presença da cafeína nestas duas infusões, recomenda-se que o consumo não exceda quantidades baixa a moderadas para o café e baixas para o chá. O consumo regular de produtos ricos em cacau, como o chocolate amargo, e acima de 70% de cacau também pode promover discreta redução da PA, devido às altas concentrações de polifenóis, que ajudam a aumentar a formação de óxido nítrico do endotélio, o que promove a vasodilatação e, consequentemente, pode diminuir a pressão sanguínea.

Fibras

As fibras solúveis são representadas por farelo de aveia, pectina (frutas) e gomas (aveia, cevada e leguminosas: feijão, grão-de-bico, lentilha e ervilha). As insolúveis, por celulose (trigo), hemicelulose (grãos) e lignina (hortaliças). A ingestão de fibras promove discreta diminuição da PA, destacando-se o beta glucagon, proveniente da aveia e da cevada.

Mudança do estilo de vida

A mudança do estilo de vida é uma atitude que deve ser estimulada em todos os pacientes hipertensos, durante toda a vida, independente dos níveis de pressão arterial. Há eficácia comprovada dos hábitos saudáveis na queda de valores pressóricos e na diminuição do risco para eventos cardiovasculares. Entre elas:

Consumo de sódio

O sódio é um nutriente necessário para a manutenção do volume de plasma ácido-base de transmissão, equilíbrio,dos impulsos nervosos e função celular normal. Em indivíduos saudáveis, quase 100% do sódio ingerido é absorvido durante a digestão, e a excreção urinária é o principal mecanismo para a manutenção do equilíbrio de sódio. O sódio é um constituinte do sal, aproximadamente 40% da sua composição. Para cada nove gramas de sal ingerido, o corpo retém em média 1 litro de água. A ingestão excessiva de sódio tem sido correlacionada com elevação da PA. A população brasileira apresenta um padrão alimentar rico em sal, açúcar e gorduras.

O limite de consumo diário de sódio é de 2,0 g e está associado à diminuição da PA. No entanto, o consumo médio do brasileiro é de 11,4 g/dia, dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) e da pesquisa do VIGITEL de 2014 sobre o impacto da dieta rica em sódio que indica que apenas 15,5% das pessoas entrevistadas reconhecem conteúdo alto ou muito alto de sal nos alimentos.

Recomenda-se ingerir até 6g de NaCI/dia (sal de cozinha) correspondentes a 4 colheres de café rasas (4g) e 2g de sal presentes naturalmente nos alimentos. O consumo excessivo de sódio é um dos principais fatores de risco para a hipertensão e associa-se a eventos cardiovasculares e renais.

O Ministério da Saúde desde 2011 tem estabelecido metas nacionais para redução do teor de sódio junto as indústrias de alimentos.

De acordo com um estudo publicado no Journal of Nutrition, a adição de sal aumenta a agradabilidade e o consumo dos alimentos, além da energia, consequentemente promovendo passivamente o consumo excessivo de gordura, o que contribui para os hábitos inadequados e o ganho de peso.

Vale ressaltar que precisam estar mais atento à ingestão de sal o grupo de risco que envolve população negra, pessoas com mais de 65 anos de idade e portadores de diabetes, porque são mais sensíveis ao mecanismo de ação do sal.

O aumento no consumo de refeições fora do lar é um dos maiores obstáculos para a redução da quantidade de sódio na dieta dos hipertensos, além do alto teor de sal existente nos alimentos processados e nos alimentos preparados em restaurantes. Assim, é necessário fazer um grande esforço para a mudança no estilo de vida e buscar novas opções em prol da saúde.

Agora conheça onde encontramos 1g de sal de cozinha

½ gomo de linguiça calabresa
1 ½ unidade de salsicha
4 fatias de mortadela
5 fatias de queijo prato
1 ½ unidade sardinha em lata
4 unidades de azeitona
¼ de tablete de caldo de carne/ galinha/ legumes concentrado
01 colher de sopa de molho e soja
De olho na Rotulagem Nutricional

A rotulagem dos alimentos é considerada uma importante ferramenta de saúde pública, pois permite que os consumidores tenham acesso às informações sobre as características básicas e propriedades nutricionais de um alimento dos alimentos, tais como: composição, valor nutricional, prazo de validade, origem e forma de conservação. Deve-se atender aos regulamentos técnicos (ANVISA) que abordam a declaração do valor energético e de nutrientes (rotulagem nutricional obrigatória) e a declaração de propriedades nutricionais (informação nutricional complementar). Nos produtos industrializados, os aditivos que contêm sódio podem ser encontrados como: fosfato dissódico presente em cereias, queijos, sorvetes, bebidas engarrafadas; glutamato monossódico (sopas industrializads, picles, condimentos) alginato de sódio (sorvetes e chocolates ao leite); benzoato de sódio (suco de frutas); hidróxido de sódio (produtos de chocolate, enlatados); propionato de sódio (pães); caseinato de sódio (sorvetes e outros produtos congelados); bicarbonato de sódio (fermento em pó e confeitos). Deve-se reduzir o sal adicionado aos alimentos e evitar produtos industrializados.

Redução e/ou Controle de Peso

A recomendação é que os hipertensos com excesso de peso devem emagrecer. O objetivo é atingir uma circunferência abdominal adequada (inferior a 94 cm nos homens e 80 cm nas mulheres) e um índice de massa corporal inferior a 25 kg/m2.

No que se refere ao peso corporal, quanto maior a massa corpórea, maior a frequência cardíaca e mais esforço o coração deve executar para que o sangue chegue aos tecidos. Além disso, o excesso de gordura aumenta os níveis de insulina no sangue, o que provoca retenção de sódio e água. O aumento do volume líquido circulante faz a pressão subir no interior do sistema. O aumento de peso está diretamente relacionado ao aumento da PA, tanto em adultos quanto em crianças. O aumento da gordura visceral também é considerado um fator de risco para HA. A gordura corporal localizada centralmente é um determinante mais importante da elevação da pressão arterial do que a gordura corporal perifericamente localizada, tanto nas mulheres quanto em homens. Reduções de peso e gordura central correlacionam-se com diminuição da pressão arterial e melhora metabólica.

Pesquisadores norte-americanos identificaram que a enzima arginase é responsável pela disfunção endotelial e hipertensão arterial relacionada à obesidade, explicam que a arginina é um precursor do óxido nítrico (ON), gás que relaxa os vasos sanguíneos e reduz à pressão arterial. O resultado da pesquisa em ratos obesos mostrou que foi devido à redução da biodisponibilidade de arginina.

Exercícios Físicos regulares e Controle do Stress

Há relação inversa entre grau de atividade física e incidência de hipertensão, sendo que exercício físico regular reduz a pressão, o peso corporal, as alterações de colesterol e o estresse. A prática regular de atividade física pode ser benéfica tanto na prevenção quanto no tratamento da HA, reduzindo ainda a mortalidade. Indivíduos ativos apresentam risco 30% menor de desenvolver HA que os sedentários. E o aumento da atividade física diária reduz a PA. Procure orientação de um educador físico habilitado para a prescrição individualizada, considerando que a modalidade aeróbica segundo a 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial é recomendada como forma preferencial de exercício para a prevenção e o tratamento da HA.

O estresse pode aumentar a pressão temporariamente e agravar quadros de hipertensão. A adoção de técnicas de relaxamento e psicoterapia associados ao exercício podem ajudar no controle.

Redução da ingestão de bebidas alcoólicas e Fumo

Estudos sugerem uma relação entre o álcool, a pressão arterial e a prevenção da hipertensão arterial. O consumo crônico e elevado de bebidas alcoólicas aumenta a PA de forma consistente. A diminuição da ingestão excessiva de bebidas alcoólicas pode diminuir a pressão arterial sistólica em 2 a 4 mmHg. O álcool é considerado um vasodilatador em baixas doses, mais vasoconstritor em doses mais altas. Desta forma, recomenda-se a moderação no consumo.

A nicotina provoca contração temporária dos vasos (vasoconstrição) e aumenta a frequência dos batimentos cardíacos. Com o passar dos anos, as substâncias tóxicas existentes no fumo lesam as paredes internas das artérias, facilitando o acúmulo de placas de aterosclerose.

Assim é necessário um grande esforço para a mudança no estilo de vida, além de dar à saúde e à alimentação a atenção que merecem.

Dicas para o dia a dia
  • Evite alimentos processados, industrializados e embutidos;
  • Incorpore uma dieta rica em frutas, vegetais, cereais integrais, oleaginosas e laticínios com baixo teor de gordura;
  • Prefira os produtos frescos;
  • Não use o saleiro a mesa;
  • Use pouco sal, óleo ou gordura: dê preferência às ervas e a outros temperos naturais como salsinha, orégano, coentro, limão, gengibre;
  • Reduza o consumo de café;
  • Pratique exercícios físicos regularmente;
  • Faça uso regular dos medicamentos para o tratamento da HAS.

Robalo Grelhado com Molho de Hortelã

Ingredientes

  • 4 Filés de robalo ou peixe de sua preferência
  • 2 Dentes de alho
  • 1 Cebola picada
  • 1 Maço de hortelã
  • 1 Xícara de chá de azeite
  • 15 ml de suco de limão
  • Manjericão picado
  • Salvia picada

Modo de preparo

  • Higienizar o manjericão, a sálvia, a cebola, a hortelã e o alho.
  • Picar o manjericão, a sálvia, a cebola, a hortelã e o alho.
  • Temperar o robalo com o manjericão, a sálvia, a cebola e o alho.
  • Grelhar o Robalo com azeite. Reservar.
  • Misturar o hortelã picado, com o suco de limão e o azeite, até ficar homogêneo.
  • Acrescentar o molho sobre o robalo grelhado.

* Servir com arroz integral ou batata corada

Salada de folhas de sua preferência

 


Referêncais Bibliograficas

Malachias MVB, Souza WKSB, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MFT, et al. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol 2016; 107(3Supl.3):1-83.

Johnson FK, Peyton KJ, Liu XM, Azam MA, Shebib AR, Johnson RA, et al. Arginase promotes endothelial dysfunction and hypertension in obese rats. Obesity (Silver Spring). 2015; 23(2):383-90.

Corti R, Binggeli C, Sudano I, et al. Coffee acutely increases sympathetic nerve activity and blood pressure independently of caffeine content: role of habitual versus nonhabitual drinking. Circulation. 2002;106(23):2935-40

Ried K, Sullivan T, Fakler P, Frank OR, Stocks NP. Does chocolate reduce blood pressure? A meta-analysis. BMC Medicine. 2010;8:39.

Juraschek SP, Guallar E, Appel LJ, Miller ER 3rd. Effects of vitamin C supplementation on blood pressure: a meta-analysis of randomized controlled trials. Am J Clin Nutr. 2012;95(5):1079-88.

Bolhuis DP, Costanzo A, Newman LP, Keast RS. Salt Promotes Passive Overconsumption of Dietary Fat in Humans. J Nutr. 2016 [Epub ahead of print]

Strazzullo P, D’Elia L, Kandala NB, Cappuccio FP. Salt intake, stroke, and cardiovascular disease: meta-analysis of prospective studies. British Medical Journal. 2009;339(241):b4567.

Silva, S.M.C.S; Mura , J.D.P. Tratado de alimentação, nutrição e dietoterapia. São Paulo.Roca, 2007.

Guyton, A.C ; Hall, J.E.. Tratado de fisiologia médica.Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2002.

Shils M.E, J.A Olson, M, Shike et al. Tratado de nutrição moderna na Saúde e doença. 9th Ed., Manole, 2003.

Costa, PR, Mendonça LT.nDoenças Cardiovasculares. in: Nutrição nas doenças crônicas não transmissíveis.São Paulo: Manole, 2009. p 219-265.

Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Informe Técnico: Teor de sódio nos alimentos ultaprocessados.2011.

Diário Oficial da União – Termo de Compromisso entre o MS, ANVISA, ABIA, ABINA, ABITRIGO, ABIP, com a finalidade de estabelecer o monitoramento da redução do teor de sódio em alimentos processados. DOU, seção 3, pág. 124. 26 dez 2011.

Ministério da Saúde – Agência Saúde. Ministério da Saúde e Abia fecham acordo para reduzir sódio em carnes e laticínios. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/noticia/14104/162/saude-e-abia-fecham-acordo-para-reduzir-sodio-em-carnes-e-laticinios.html Acessado em: 05/04/2017

Sobre o autor

Dra. Vilani Figuiredo Dias

Dra. Vilani Figuiredo Dias

Mestre em Ciências da Nutrição - Nefrologia - Universidade Federal de São Paulo/UNIFESP

Nutricionista, formada pelo centro universitário São Camilo e Mestre em Ciências da Nutrição, pós graduada pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP com enfoque em doença renal crônica - Nefrologia.

Atuação profissional no departamento de nutrição clínica do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo. Trabalhou como Docente- Coordenadora de cursos técnicos e livres na área de nutrição e dietética no Senac São Paulo. Entre as atividades atuais desenvolve atendimento clínico nutricional em consultório e Home Care com ampla experiência em Nutrição Clínica e Rotina Hospitalar envolvendo atendimento Clínico de Paciente Renal em tratamento conservador e em Hemodiálise, Cardiologia, Diabetes e Oncologia.

Realiza Consultoria Técnica em nutrição e saúde, palestras e Workshop na área de docência em nutrição, atua como Docente das disciplinas: Nutrição clínica, Fisiopatologia, Dietoterapia, Gastronomia Hospitalar, Bioquímica Metabólica, Bromatologia, Nutrição nos diferentes estágios da vida, Educação Alimentar e Nutricional, Orientação de projetos, Acompanhamento e Supervisão de Estágios, além de coordenação de projetos de educação nutricional corporativos em instituições públicas e privadas.

Currículo Lattes

Contatos:

LinkedIN: Vilani Figuiredo Dias
Facebook: Nutrição, Saúde & Educação - Harmonia Perfeita
E-mail : [email protected]
Telefone: (011) 9 9848-9437

Atendimento em consultório:

Consultório & Home Care - Clínica Sementes
Endereço: Rua Bento de Andrade, 58 - Jardim Paulista - 04503-040 São Paulo – SP - Brasil
Telefones: (011) 3884-8984 | (011) 3051-4932