Nutrição

12 ervas aromáticas para ter em casa

Salsinha, alecrim em uma mesa
alleksana / Pexels
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

É desejo atual de muitas pessoas ter em casa um pequeno jardim ou vasos com ervas aromáticas que trazem sensações olfativas e visuais de parte da natureza para muito perto de si.

As ervas aromáticas podem ainda oferecer sabores frescos em diversas preparações culinárias e são um convite a elaborar pratos com toques especiais de temperos e assim conquistar os paladares mais exigentes de familiares e de amigos.

A gastronomia tem uma infinidade de sugestões em que as ervas aromáticas podem ser utilizadas. E também é possível apreciar drinques e chás, dos quais algumas são as protagonistas. Entretanto, outras não são palatáveis e se destinam a proteger o ambiente contra insetos e outras pragas.

Conheça algumas ervas aromáticas para ter em casa e faça o seu cultivo para se orgulhar e aproveitar o frescor e as possibilidades que elas oferecem.

Alecrim

Alecrim sobre superfície de madeira clara.
Nika Akin / Pixabay

Possui vários compostos químicos, como o ácido carnósico e o carnosol, de ação antioxidante. Estimula o sistema imunológico. Ajuda a combater resfriados e bronquites. É excelente como tempero de carnes assadas, principalmente de porco e de carneiro, em batatas douradas, na manteiga aromática, em antepastos e torradas untadas com azeite. O cultivo do alecrim deve considerar clima temperado, luz solar direta, pouca umidade (solo mais úmido só no início), pois ele resiste bem às secas, mas não tolera regiões chuvosas.

Alfazema

Campo de alfazemas.
CARLOS PÉREZ ADSUAR ANTÓN / Pexels

Também conhecida como lavanda e amplamente utilizada na indústria cosmética devido ao aroma singular e persistente. É usada como erva independente ou compondo a Herbes de Provence (tempero da região da Provença, na França). Possui, entre outras características, linalol e acetato de linalila, com propriedades antibióticas, neurotônicas (melhoram a capacidade cognitiva e promovem bom humor) e relaxantes, conforme o estudo “Aromas of rosemary and lavender essential oils differentially affect cognition and mood in healthy adults”, publicado em 2003 e on-line em 2009, no International Journal of Neuroscience. Auxilia no sistema circulatório; combate a falta de apetite; trata de ferimentos e de picadas de insetos; previne rugas; atua contra insônia, dores de cabeça, tosses; facilita a respiração. Na culinária, além do chá muito aromático, as flores de alfazema são utilizadas em compotas, sorvetes, vinagres, saladas, sopas, bolos e biscoitos. O mel, produzido pelas abelhas a partir das flores, é usado em pratos asiáticos, em saladas de frutas e na alta gastronomia. O cultivo deve considerar exposição solar constante, com pouca irrigação, pois a planta tolera muito bem solos áridos e praticamente todos os tipos de climas mais quentes.

Arruda

Arruda.
Agnieszka Kwiecień, Nova / Wikipédia / Wikimedia Commons

Dividindo opiniões sobre o perfume, a arruda é uma erva aromática para repelir insetos e pragas em outras plantas. Ela ainda é usada no tratamento de varizes, pois contém rutina, substância que aumenta a resistência dos vasos sanguíneos. Undecanona, metilnonilcetona e metilheptilcetona, outras substâncias da erva, especificamente do óleo essencial, diminuem a ansiedade e aliviam dores de cabeça quando este é aspirado. Contudo, ela pode ser muito tóxica e levar a óbito se ingerida em chás ou inalada em grande quantidade (recomendável, no máximo, até 30 mg diários). Não deve ser usada por mulheres grávidas ou que amamentam nem por crianças. Deve ser usada com orientação de um médico ou fitoterapeuta, apenas nas formas de óleo, cremes ou pomadas e como escalda-pés. O contato da arruda com a pele associado com a exposição solar pode provocar queimaduras (fitofotodermatose). É uma erva mística, à qual se atribui afugentar maus espíritos e olho gordo. O cultivo da arruda só exige solo fértil e drenado, podendo ter cascalho, pois a planta se adapta bem a climas chuvosos, quentes ou frios e se desenvolve melhor com incidência solar por pelo menos seis horas por dia. No início deve ser frequentemente regada, principalmente em vaso de barro, e não deve ficar em solo totalmente seco.

Camomila

Campo de flores de camomilas.
Pixabay / Pexels

Uma das mais conhecidas ervas aromáticas, ela tem uso na alimentação, na cosmética e na indústria farmacêutica. Com propriedade bactericida, ela é popularmente usada em chás para aliviar cólicas, principalmente de bebês, mas pode ser incluída em preparações como cremes e sobremesas, embora seja pouco usual. Por ser naturalmente adstringente, o chá, feito com as flores, pode ser usado como demaquilante e minimiza a aparência de olheiras quando usado em compressas frias nos olhos. O óleo essencial é utilizado na aromaterapia. O cultivo da camomila deve respeitar um clima temperado (preferencialmente, abaixo de 20 graus Celsius), um solo úmido e bem drenado, regas moderadas e incidência plena de luz solar.

Cebolinha

Cebolinha.
Fabiane Niemeyer / Flickr

Com um nutriente importante, a colina, essa erva aromática ajuda a regular o sono, os movimentos musculares, ativa o aprendizado e a memória, entre outros benefícios. Especial no preparo de omeletes, sopas, purês, molhos, vinagretes e ceviches, ela deve ser usada sempre fresca, principalmente quando na finalização e decoração dos pratos. Para o cultivo dessa planta rústica, qualquer solo não encharcado e bem drenado pode ser usado, em temperatura entre 13 e 24 graus Celsius e desde que receba luz solar direta em algumas horas do dia.

Citronela

Citronela.
Fernando Stankus / Flickr

A planta de nome científico Cymbopogon nardus é uma erva aromática para fins medicinais e tem como propriedades repelir insetos, ser bactericida e calmante. Muito usada na manufatura de cosméticos, ela é muito parecida com a erva-cidreira, mas não deve ser consumida para fins alimentares. Fazer um chá com as folhas ajuda a afugentar insetos e pode ser usado como desinfetante. Ela pode ser cultivada em vaso ou no jardim, em clima tropical, com muita incidência de luz solar, em solo fértil ou adubado, com regas diárias para que o solo nunca fique seco e longe do trânsito de pessoas, pois não suporta pisões.

Coentro

Coentro sobre superfície plana de madeira.
Jessica Lewis / Pexels

Tem a capacidade de desintoxicar o organismo de metais pesados. Muito utilizada nas culinárias indiana e árabe, ele tempera saladas, carnes de porco, de boi e peixes. Pode ser incluído em molhos, caldos e sopas e tem sabor e aroma marcantes. Muito popular na culinária nordestina. O cultivo deve considerar climas quentes, com alta incidência de luz solar, em solo drenado, mais úmido no início e com secagem total entre uma rega e outra no decorrer do crescimento da planta.

Cominho

Cominho.
Amatus Sami Tahera / Pixabay

Uma das ervas mais antigas no mundo, o cominho é da família da salsinha, porém tem sabor forte e amargo, além de ser muito aromático. Contém vitamina E, fósforo e timol, que elimina as toxinas, previne espinhas, fortalece os cabelos e a pele. Também é usado para tratar do estômago, como diurético. Auxilia nos tratamentos da laringite ao se fazer gargarejos. É usado como condimento para carnes cozidas ou assadas de boi ou de porco, em molhos e licores. Para o cultivo, a temperatura ideal é de 10 a 26 graus Celsius. Não suporta climas muito quentes e secos nem baixas temperaturas ou ventos e chuvas fortes. Deve receber luz solar direta durante algumas horas do dia e ter solo fértil, bem drenado e úmido, sem estar encharcado.

Cúrcuma (açafrão-da-terra)

Cúrcuma em pó sobre superfície lisa e transparente.
Skitterphoto / Pexels

Com mais de 13 mil artigos publicados sobre seus benefícios, a cúrcuma (Curcuma longa) é considerada por muitos uma erva poderosíssima e capaz de curar, principalmente devido à curcumina, substância que pode prevenir coágulos de sangue e trombose, combater inflamações, melhorar a saúde da pele, ajudar a controlar diabetes, regular o colesterol, entre outros benefícios. Usada como tempero em carnes de todos os tipos, molhos, risotos, sopas, farofas, feijões, caldos, pães, bolos, ela faz parte do curry indiano. No cultivo são importantes clima tropical (20 a 35 graus Celsius), solo bem drenado, argiloso, fértil ou adubado, sempre úmido, em local com intensa exposição à luz solar.

Endro

Endro em vaso.
Eva Elijas / Pexels

Rica em fibras, essa erva aromática auxilia na digestão, acelera o metabolismo e dá a sensação de saciedade. Na culinária pode ser consumida em conservas, molhos, saladas, com batatas, queijos, lentilhas, favas, arroz, risotos, peixes e patês. O cultivo requer solo bem drenado e úmido, luz solar de seis a oito horas por dia e clima temperado.

Erva-cidreira

Erva cidreira.
Jenny Friedrichs / Pixabay

Contém fibras, óleos essenciais (citronelal e citral), taninos, saponinas e timol, com propriedades antissépticas. Muito saborosa quando colhida fresca, ela é usada no preparo de chás, refrescos e sobremesas, principalmente por ter um aroma cítrico, semelhante ao do limão. O cultivo deve considerar um clima mais ameno, solo fofo e bem drenado, local com muita incidência de luz solar (embora a planta também tolere bem a sombra) e rega para que o solo fique uniformemente úmido, sem encharcar ou formar poças d’água.

Erva-doce

Flor de erva-doce.
Marise Caetano / Flickr

Também conhecida como anis-verde, essa erva aromática tem sementes de aroma intenso e sabor adocicado. Com propriedades anti-inflamatórias, analgésicas e antidispéptica (combate a má digestão), ela é usada para aliviar gases, inchaço abdominal, dores de cabeça, sintomas da gripe, cólicas menstruais, entre outros. Aplica-se de diversas formas à indústria cosmética. Também tem ação repelente a insetos. Nas preparações culinárias, incrementa o sabor de saladas, cremes, doces, bolos (principalmente o de fubá), broas, biscoitos e pães. O cultivo deve considerar clima ameno, embora ela resista a geadas leves, incidência de luz solar direta durante algumas horas por dia e local exclusivo, pois ela impede o crescimento de outras plantas. Solo úmido, porém não encharcado é necessário.

Estragão

Estragão.
Kathas_Fotos / Pixabay

É uma fonte de ácido fólico, importante na formação do sistema nervoso do bebê. O estragão pode ser o tempero de molhos, aves, massas, ovos e saladas, acrescentando um sabor levemente picante e adocicado, semelhante ao do anis. O cultivo dessa erva requer clima temperado, entre 4 e 20 graus Celsius, em solo bem drenado, sem excesso de água e com incidência de luz solar de no mínimo cinco horas diárias.

Louro

Folhas de louro caindo de recipiente de vidro sobre mesa de madeira.
kropekk_pl / Pixabay

As folhas de louro contêm fibras, potássio, vitaminas B6 e C, magnésio e ácido fólico, polifenóis, antioxidantes que ajudam a regular e prevenir doenças cardiovasculares, diabetes e outras. É usado na culinária para temperar pratos variados, como molhos de tomate, feijões, grão-de-bico, lentilha, arroz, carnes de boi, de porco e de cordeiro e beneficia a digestão. Não deve ser ingerido e resiste bem ao calor do cozimento dos alimentos. Mulheres grávidas e crianças não devem ingerir o chá de louro. O cultivo é melhor em solo, pois a planta se torna um arbusto, podendo chegar a dez metros de altura. Também pode ser plantado em vaso. Solo fértil, bem drenado, mantido levemente úmido, pois o excesso de água prejudica as raízes. Suporta baixas temperaturas, desde que esteja protegido, preferindo climas mais amenos e incidência direta da luz solar.

Manjericão

Manjericão sobre madeira.
MetsikGarden / Pixabay

Rica em vitaminas A, C, K, ferro, potássio, cálcio e magnésio, essa erva aromática é importante na manutenção dos ossos e dos dentes, na coagulação sanguínea e no controle da pressão arterial. As folhas são utilizadas como tempero em países asiáticos tropicais e na cozinha italiana. Combina com tomates e pode ser incluído em massas, sopas, refogados de carne, com queijos, preferencialmente ao final do cozimento, pois modifica o sabor e o aroma quando aquecido. O cultivo deve considerar climas tropicais e subtropicais (acima de 18 graus Celsius), pois a planta não tolera geadas. O solo deve ser fértil e fofo, bem drenado. A planta deve receber luz solar durante no mínimo seis horas diárias. O solo não deve estar encharcado, e as regas devem ocorrer entre dois e três dias.

Manjerona

Folhas de manjerona.
Hans Braxmeier / Pixabay

Tem ação anti-inflamatória e digestiva, além de aliviar o estresse e a ansiedade. É usada como tempero de legumes, carnes, peixes, molhos vermelhos e pode ser incluída crua em saladas, sopas, recheios de aves, maioneses, patês e pizzas. As folhas secas (desidratadas) também podem ser consumidas. O cultivo deve ser feito em clima ameno ou quente, com temperatura superior a 10 graus Celsius, em solo bem drenado, mas sempre úmido, em local com bastante incidência de luz solar.

Mastruz

Mastruz (erva-de-santa-maria).
Forest & Kim Starr / Wikipédia / Wikmedia Commons

É usado popularmente como vermífugo (possui ascaridol), contra a má digestão (aumenta a produção de suco gástrico) e para fortalecer o sistema imunológico (regula a produção de células de defesa do organismo, como macrófagos e linfócitos). As folhas batidas com leite, em chás, em substituição à mostarda nos temperos, maceradas e colocadas sobre ferimentos e como óleo essencial são as formas como essa erva aromática pode ser utilizada. Deve ser consultado um médico para aconselhamento de dosagens, pois em grande quantidade é tóxica. Gestantes não devem fazer uso. Nasce em solo fértil, bem drenado, porém úmido. Exige irrigação diária, principalmente quando recém-plantado. Progride com boa incidência de luz solar, mas deve permanecer um período do dia à sombra. As temperaturas mais quentes favorecem o desenvolvimento da planta.

Menta

Menta marroquina.
PommeGrenade / Pixabay

Entre os muitos benefícios dessa erva aromática estão: desintoxicar, auxiliar na digestão, diminuir cólicas, gases e vômitos e ainda aliviar as dores, pois tem propriedades analgésicas. Pode ser usada em chás, com iogurtes, em saladas, em doces exóticos, sorvetes, com chocolate, em cremes, com frutas, na água saborizada etc. O cultivo deve considerar climas temperados, embora ela se adapte bem a várias temperaturas, exceto geadas. Solo úmido sem estar encharcado é fundamental, e a rega deve ser feita quando o solo estiver seco. A menta se adapta bem tanto à intensa luz solar quanto à sombra.

Mil-folhas

Milefólio.
Pethan / Wikipédia / Wikimedia Commons

Possui propriedades terapêuticas expectorante, antimicrobiana, diurética, digestiva, antipirética (baixar a febre), entre outras. Popularmente é usada como chá para problemas digestivos, cólicas menstruais, para aliviar espinhas e manchas e desintoxicar o organismo. A mil-folhas é também usada em forma de emplastro para cicatrizar ferimentos.

Está incluída na RENISUS, a Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse do SUS. Pode ser encontrada em forma de óleo essencial, desidratada ou em extrato. O cultivo deve privilegiar solo rico em nutrientes, úmido, porém não encharcado, com rega frequente e clima temperado, com boa incidência de luz solar, porém não excessiva.

Orégano

Orégano sobre mesa de madeira.
ariesa66 / Pixabay

Com substâncias antioxidantes, benéficas contra os radicais livres, essa erva aromática é popular na culinária mediterrânea. Está presente em molhos de tomate, pizzas, pães, carnes, vegetais refogados e massas na gastronomia italiana. Faz parte de caldeiradas e saladas nos pratos portugueses e, ainda que menos, aparece nas cozinhas grega, mexicana, espanhola e francesa. As folhas de orégano são usadas frescas ou secas, estas últimas são consideradas de melhor sabor. O cultivo deve considerar clima ameno ou moderadamente quente, alta luminosidade solar e solo levemente úmido.

Poejo

Poejo em plantação.
Pxhere

Com ação digestiva, estomacal, anti-inflamatória, vermífuga e expectorante, entre outras, esse tipo de menta é uma erva aromática popularmente usada para combater gripes e resfriados, melhorar a digestão, combater parasitas intestinais e aliviar a tosse. Na culinária, o poejo pode ser tempero de pratos à base de peixe e de carnes, de saladas, em azeites aromatizados, em licores, pudins, tortas, compotas e saladas de frutas. O cultivo deve ser feito em solos úmidos, mas bem drenados, em locais de clima ameno, com muita luminosidade e sombra parcial. Não tolera geadas, por isso deve ficar em local coberto, caso elas ocorram. Precisa ser regado uma vez ao dia.

Salsinha

Salsinha.
Daniel Dan outsideclick / Pixabay

Essa erva aromática é também medicinal e usada contra infecções urinárias, pedras nos rins, prisão de ventre, retenção de líquidos, entre outros problemas. Ela é muito popular. As folhas da planta não suportam temperatura elevada de cozimento, devendo ser usadas nas finalizações, para garantir o sabor, em molhos, saladas, sobre carnes assadas, peixes e outros. O cultivo deve considerar clima ameno; embora seja uma planta rústica, ela se desenvolve bem em vários climas; boa iluminação solar, sem exposição direta à luz se o clima estiver muito quente e solo úmido, sem estar encharcado.

Sálvia

Sálvia.
Ketrin M / Pixabay

Com propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes, antimicrobianas, antidemenciais, entre outras, ela deve ser usada com suas folhas inteiras como tempero de carnes de porco e de frango, em sopas, molhos ou acompanhando pratos à base de alho. O cultivo deve considerar um clima subtropical (3 a 39 graus Celsius), luz solar direta por algumas horas durante o dia e solo bem drenado, pois a planta não tolera muita água. Pode ser plantada junto com outra erva aromática, o tomilho.

Tomilho

Tomilho.
photosforyou / Pixabay

Rico em vitamina C, que estimula a produção de glóbulos brancos no organismo, ele auxilia na melhora da imunidade. Possui ferro e outros minerais que aumentam a produção de glóbulos vermelhos. Pode ser incluído em molhos para carnes marinadas no vinho, em peixes, nos frutos do mar, com cenouras, beterrabas e batatas. Caso seja o tomilho-limão, que tem sabor mais cítrico, ele pode ser adicionado em molhos brancos. Clima subtropical, pouca água, solo drenado e luz solar algumas horas por dia são importantes para cultivar essa erva.

Valeriana

Flores de valeriana.
Burkhard Mücke / Pixabay

É usada desde a antiguidade. As flores possuem um perfume adocicado. O extrato de valeriana tem ácido gama-aminobutírico (GABA), neurotransmissor que provoca efeitos sedativos, reduzindo o estresse e tratando de crises de insônia e de agitação. Pode ser encontrada sob a forma de raízes secas para fazer chás, como óleo essencial ou em cápsulas. Mesmo sendo um medicamento natural, a valeriana deve ser indicada por um fitoterapeuta, que tem condições de avaliar a dosagem. Mulheres grávidas, em período de amamentação e crianças não devem fazer uso dela. Para o cultivo da valeriana é importante solo fofo e úmido, local protegido do frio e com boa incidência de luz solar.

Você também pode gostar

Temos muitas ervas aromáticas à nossa disposição, a serem usadas como temperos, com fins medicinais, protetivos contra insetos e que podem ser cultivadas em casa, no jardim ou em vasos. Apresentamos algumas delas, seus usos e as condições de cultivo. Inspire-se e comece a sua horta, de acordo com o seu interesse e gosto. Plante o verde e colha benefícios!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]